sexta-feira, 25 de março de 2016

Patrono da Capoeira Brasileira ao Sr. Manoel dos Reis Machado, o Mestre Bimba.” - Mestre Gavião



Deputado Fábio Faria, escreveu em seu parecer bela defesa da homenagem, 
com a qual eu não poderia deixar de concordar, e cujo texto transcrevo abaixo: 
“Desde o final do Século XIX até os anos 30 do século 
passado, a Capoeira era considerada luta ilegal, passível de punição pelo 
Código Penal, discriminada como coisa de malandro. Simples exercícios na rua 
poderiam provocar até seis meses de prisão. 
Nascido em 1900, no bairro de Engenho Velho, na cidade 
de Salvador, filho de um campeão de batuque, espécie de luta livre comum na 
Bahia do Século XIX, e iniciado na Capoeira Angola com um negro africano 
conhecido como Bentinho, Mestre Bimba, em suas próprias palavras, “tirou a 
capoeira debaixo do pé do cavalo”, ao criar uma nova vertente da luta, 
conhecida como Capoeira Regional, ao lado de um inédito sistema de ensino, 
com direito a exame de admissão, batizado, formatura e curso de 
especialização; e um rígido código de ética. Contava que não queria vadios, 
malandros ou vagabundos em sua academia, pessoas que para ele haviam 
causado muitos danos para a imagem da luta. Por isso só admitia alunos que 
fossem trabalhadores ou estudantes. 
Como resultado, a Capoeira começou a ganhar na época 
alunos da classe média branca, aos quais se juntaram muitas personalidades 
da vida política e social da Bahia. Por meio de algumas delas, Bimba 
conseguiu demonstrá-la no Palácio do Governo, na época sob o comando de 
Juracy Magalhães, e até ao Presidente da República Getúlio Vargas, que a 
admirou como “esporte verdadeiramente nacional”. Pouco tempo depois desse 
episódio ela era legalizada. Hoje, o Estatuto da Igualdade Racial, Lei nº 12.288, 
de 2010, reconhece a capoeira como desporto de criação nacional, nos termos 
do art. 217 da Constituição Federal. 
O “grande rei negro do misterioso rito africano” avançou 
também na valorização da Capoeira frente as lutas de origem estrangeira e, 
portanto, na defesa de nosso patrimônio cultural e desportivo. Acreditava que 
ela tinha de se renovar para não ser engolida pelas “lutas gringas”, como o 
boxe americano ou o judô, japonês, populares nas décadas dos anos 30 e 40 
do século passado. Para isso desafiou todas essas lutas, quando consagrou-se 
como primeiro capoeirista a vencer uma competição no ringue, e iniciou uma 
sequência de viagens pelo Brasil para divulgar a Capoeira Regional. 
A nobre Senadora Lídice da Mata, autora da matéria 
quando exercia o mandato de deputada federal, arremata sua Justificação com 
um parágrafo muito acertado, o qual reproduzimos a seguir: 
“Mestre Bimba, negro, iletrado e pobre, não só 


venceu os preconceitos da sociedade baiana do início do 
século, como foi mestre também na afirmação social da 
cultura e do seu povo.” 
Nosso parecer não poderia ser outro senão o de apoiar a 
atribuição do título de Patrono da Capoeira Brasileira ao Sr. Manoel dos Reis 
Machado, o Mestre Bimba.” 
Diante do exposto, voto pela aprovação do Projeto de Lei 
nº 5.222, de 2009, da Sra. Lídice da Mata, e pela rejeição do Projeto de Lei nº 
50, de 2007, do Sr. Neilton Mulim, e do Projeto de Lei nº 2.858, de 2008, do Sr. 
Carlos Zarattini. 
Sala da Comissão, em de de 2014. 
Deputado ANDRÉ FIGUEIREDO 
Relator 

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

3º CONGRESSO NACIONAL UNITARIO DE CAPOEIRA - Rio Grande do sul - Mestre Gavião

           REUNIÃO PLENARIA DA COORDENAÇÃO AMPLIADA
                                 3º CONGRESSO NACIONAL UNITARIO DE CAPOEIRA
                                                           Deliberações


1º) A Pauta do Congresso será: 
-a)Profissão de Capoeirista, suas implicações, limites e perspectivas;
-b) Formulação de um Plano Nacional de Capoeira, que contemple as Políticas Públicas necessárias ao desenvolvimento e fortalecimento do Patrimônio Cultural  Imaterial do Brasil e do Mundo;
-c) Estruturação do Movimento da Capoeira- Realidade e Necessidades.

2º) O Congresso Nacional, sua plenária e organização deverá ocorrer na Cidade do Rio de Janeiro.
§-Está decisão deverá ser referendada o mais breve possível, pela Coordenação Ampliada do Estado do Rio de Janeiro, cuja convocação, deverá ser ampla, geral e restrita aqueles que a compõem. A saber: Os membros da Coordenação local, os membros da Coordenação Nacional do 1º e 2º Congresso  que atuam no Estado do Rio de Janeiro, os representantes de todas as entidades estaduais. Entende-se como estadual as entidades que abranjam estatutariamente o estado. Para que isso ocorra as entidades deverão atingir até o inicio da plenária final do congresso nacional, um ano de legalmente constituída;
3º) A Plenária final do 3º Congresso ocorrerá em Maio de 2015 e dele participarão representantes dos 27 estados da Federação, lideranças comprovadamente,históricas da Capoeira, independente do país onde estejam e representantes das Confederações, Associações, Ligas e entidades estatutariamente nacionais fundadas e legalmente constituídas até um ano antes da data da realização da abertura da plenária final.


4º) O Congresso Nacional Unitário será precedido, sem prejuízo dos que já ocorreram, de encontro estaduais preparatórios que definam em ata,  assinada pelo secretario da reunião e pelo Presidente, ambos eleitos no inicio da reunião amplamente convocada(jornais,correios, internet,telefones e etc) para este fim. Sempre obedecendo  os critérios definidos para o Congresso e sua plenária nacional e que garanta a mais livre expressão da representatividade democrática e soberana da maioria.
§- Cabe a plenária estadual:
a)      Eleger os representantes;
b)      Referendar ou não os indicados pelas entidades estaduais;
c)       Definir os oradores do estado que farão uso da palavra na plenária final do Congresso pelo tempo de 5 minutos;
d)      Registrar em atas a opinião sobre os pontos da pauta do Congresso, que deverá subsidiado pela Coordenação Nacional;
e)      Mobilizar esforços em conjunto com a organização do Congresso Nacional para garantir o deslocamento e transporte dos delegados representantes do estado.



5º) Os participantes do Congresso serão:
a)- Os delegados eleitos ou referendados pelas plenárias estaduais;
b)-Os representantes das entidades nacionais e estaduais, segundo critério estabelecido pelo artigo 3º desta deliberação;
c)-Os Mestres formados até 1984, segundo comprovação documental,factual e testemunhal;
d)- Os Membros da Coordenação Nacional Eleita nos 1º e 2º Congressos;
e)- Convidado e Observadores, com direito a voz, segundo critério e disponibilidade de tempo, que deverá ser absolutamente priorizado para uso dos Capoeiristas.

6º) Foi indicada uma comissão organizadora nacional que terá a tarefa de coordenar a organização do Congresso.
§- A composição desta comissão será divulgada após consulta prévia e analise de disponibilidade dos indicados;
§- A comissão Organizadora não substituirá em hipótese alguma a Coordenação Nacional que é e será a responsável pela realização do Congresso e responderá para a comunidade.

A próxima reunião da coordenação ampliada e geral será realizada em Fevereiro de 2015.


São Paulo
30 de Novembro de 2015


quarta-feira, 7 de maio de 2014

Convidados de audiência reagem a projeto que reconhece capoeira como profissão - Mestre Gavião

Você está aqui: Portal de notícias › Matérias › Comissões
07/05/2014 - 18h10 Comissões - Cultura e Esporte - Atualizado em 07/05/2014 - 18h15

Convidados de audiência reagem a projeto que reconhece capoeira como profissão

Enviar notícia por e-mail Imprimir
 
Gorette Brandão
Audiência pública realizada pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE), nesta quarta-feira (7), revelou divergências em relação a projeto de lei destinado a reconhecer a prática da capoeira como profissão. Para a maioria dos convidados, a proposta em exame (PLC 31/2009), vinda da Câmara dos Deputados, reduz uma prática cultural complexa a um esporte, além de impor um modelo de organização federativa sem garantia de transparência, que poderá trazer a exclusão de mestres formados dentro da tradição e que conquistam o título por reconhecimento dos próprios praticantes.
A visão predominante é de que regulamentação só será legítima se reconhecer a capoeira como atividade multidimensional - ao mesmo tempo luta, dança e arte - além de fator de socialização, criação de identidade e de transmissão de memória ancestral.
Para Alexandro Reis, diretor da Fundação Cultural Palmares, no momento em que o país vem adotando ações afirmativas no campo da educação e em favor dos quilombolas, esse deve ser o enfoque para a capoeira, cabendo aos praticantes construir uma ação unitária e provocar o Estado a agir na direção certa.
– O Estado tem uma dívida com os capoeiristas e com a cultura afrobrasileira – afirmou.
O debate foi sugerido pelos senadores Inácio Arruda (PCdoB-CE) e Lídice da Mata (PSB-BA). A senadora, que também presidiu a audiência, é a relatora do projeto, do deputado Arnaldo Faria de Sá (PSDB-SP), na Comissão de Educação. O projeto reconhece a prática da capoeira como profissão, na sua manifestação como dança, competição ou luta, considerando o capoeirista um atleta profissional.
Escolha
Reginaldo da Silveira Costa, mestre de capoeira (batizado Squisito) e educador, defendeu como alternativa um modelo de organização que não afete o “princípio da liberdade de escolha”. Prevalecendo o sistema sugerido pelo projeto, conforme assinalou, todos os mestres deverão ser filiados e homologados por um conselho, a seu ver um critério que “arrepia” o capoeirista e suas tradições.
- Lutamos séculos contra a hegemonia de qualquer tipo de senhor, de qualquer tipo de dominação, para chegar a um tempo em que a gente cria uma lei que nos engessará perante a uma determinada instituição. Essa é a questão mais assustadora - disse.
Representante do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a diretora Célia Maria Corsino explicou que, com o reconhecimento da capoeira como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil, em julho de 2008, a roda de capoeira e o ofício de mestre foram inscritos no Registro dos Ofícios e Mestres de Saberes. Mesmo com a ressalva de que não é papel do órgão apoiar ou não o projeto, ela afirmou que a profissão a ser criada de fato não pode desconsiderar a complexa dimensão cultural e social da capoeira.
Dentro das responsabilidades do órgão de incentivar e proteger os bens culturais reconhecidos, no caso da capoeira o Iphan deve lançar ainda esse ano um edital de premiação para os mestres de capoeira, como informou a diretora. O órgão também participa de comitê que está trabalhando para assegurar o reconhecimento da roda de capoeira, pela Unesco, como bem imaterial da humanidade. Além disso, ela disse que, por meio de suas representações estaduais, o Iphan está identificando e buscando o diálogo com grupos de capoeira de todo o país, saindo do foco “Bahia-Rio de Janeiro”.
- A gente pensa que não, mas a capoeira está em todo o Brasil – afirmou.
Mesmo sem fazer clara defesa do projeto, o presidente da Confederação Brasileira de Capoeira (CBC), Gersonildo Heleno de Sousa, foi o único na mesa a enfatizar como urgente a institucionalização da profissão. Como explicou, isso irá solucionar o problema da proteção previdenciária, além de fortalecer os campeonatos e a criação de ranking nacional de capoeiristas, um critério para a concessão da bolsa-esporte aos atletas.
- Nossa ideia é também buscar a profissionalização para afastar os falsos mestres [de capoeira]. Hoje parece que todo mundo é mestre – comentou Gersonildo.
Já Hélio Tabosa de Moraes, o mestre Tabosa, disse que não se preocupa com a questão dos “falsos mestres”. Segundo ele, o reconhecimento vem da comunidade e, se ele não existir, o pretenso mestre “não vai longe”. Para ele, há motivos mais sérios para que se fique com um “pé atrás”, posição de defesa na ginga da capoeira. O principal seria em relação a como se fará a destinação dos recursos que o projeto destina à atividade, o equivalente a 2% da arrecadação das loterias, que tendem a ser atribuídos à atual federação.
- Esta instituição passa a ser a única a ter direito ao acesso a esses recursos e isso praticamente diz quais são os objetivos que o projeto em si busca e que são lesivos aos interesses maiores da capoeira, da cultura e da sociedade – afirmou.
Sem pressa
Depois da longa discussão, Lídice da Mata esclareceu que, diante das controvérsias, ela não terá pressa em apresentar o relatório com sua posição sobre o projeto. Disse que o assunto é complexo e precisa ser bem amadurecido. Observou que isso é ainda mais importante porque, devidos a restrições constitucionais, o Supremo Tribunal Federal tem sido rigoroso no tratamento de ações a respeito de profissões. Por esse motivo, ressaltou Lídice, os mais recentes projetos para regulamentar atividades estão sendo vetados quando chegam para sanção presidencial.
- Por isso tudo é necessário caminhar devagar.  Além disso, toda regulamentação significa restrição ao exercício da atividade – disse a senadora, ao reconhecer também esse ponto como mais um motivo de cautela.
Lídice, que recentemente esteve em Salvador para uma audiência da comissão sobre a matéria, observou ainda a necessidade de ouvir grupos e praticantes de capoeira de todo o país. Observou que há restrições orçamentárias para que se faça uma audiência em cada estado, mas lembrou que as contribuições podem ser enviadas pelos canais interativos do Senado pelo portal na internet. Também adiantou que deverá aproveitar o trabalho de consulta que o Iphan está promovendo.
A senadora, numa exceção às regras, deu voz a um conjunto de ouvintes da audiência, entre eles Zulu Araújo, ex-presidente da Fundação Palmares. Ele destacou que o projeto não é a primeira ameaça à tradição cultural da capoeira. Lembrou que há alguns anos o Conselho Federal de Educação Física instruiu suas regionais a exigirem diploma de curso superior para quem ensinasse capoeira, além de cobrar contribuição ao órgão.
Para afastar o risco, naquele momento o então ministro da Cultura Gilberto Gil formou um grupo de trabalho, do qual fez parte. Como resultado desse trabalho, depois se encaminhou ao Iphan o pedido para que a capoeira fosse reconhecida como patrimônio cultural imaterial.

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

DEBATE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO DE MESTRE DE CAPOEIRA - MESTRE GAVIÃO - FEDERAÇÃO RIOGRANDENSE DE CAPOEIRA

QUE A BOCA COME!

O debate salutar e envolvente que ocorre em todo o país por conta da fase final de tramitação do PL que trata da criação da profissão de capoeirista, cuja relatoria se encontra sob a responsabilidade de uma comissão mista do Congresso Nacional, é polêmico, como não poderia deixar de ser.  Afinal a Capoeira, seu surgimento sua prática e seus estilos, tem gerado, desde os primórdios, muita polêmica.

Mas o debate ,  para gerar consenso ou maioria a favor ou contra,  precisa encontrar em seus argumentos e interlocutores, o compromisso com a verdade e a honestidade. Não é fácil ter o equilíbrio necessário mas quem se dispõe a participar de algo que envolve a vida e a sobrevivência de milhões de brasileiros precisa ter a coragem de expor seu ponto de vista sem neologismo ou tergiversação. As ideias precisam ser chamadas pelos nomes e não por apelido para que todos possam se posicionar sem subterfúgios ou manobras rasteiras que tentem desqualificar ou rotular seus oponentes. Atitudes que visam apenas turvar o debate e esconder as reais posições. A Capoeira também é um jogo, porém  o debate não!

Vejamos ,portanto, os argumentos que levantam alguns (legítimos) postulantes a cargos públicos, pois as eleições se avizinham, no afã talvez de conquistar votos de parcelas de capoeiristas, extrapolam e enveredam por caminhos que não conhecem e por vezes misturam alhos com bugalhos:

Tramita(assim mesmo no singular) no Congresso um projeto de lei de autoria de um Deputado paulista que cria a profissão de Capoeirista. A este PL foi apensado um outro texto, de autoria de um outro Deputado,também paulista, que a pedido de membros da Comunidade Capoeiristíca (Que atuam em SP.RJ.RS.GO.DF.MG.BA.PE.AL.SC.ES,PR e PA) que complementa e melhora e muito o texto inicial.  Cujo conteúdo foi apresentado a Senadora baiana Lidice da Mata(PSB)  relatora do citado PL.
Portanto este é o  único PL, que está tramitando. E não existe no texto, nenhuma palavra que sequer faça menção, ou referência, nem em siglas, ao sistema CONFEF.
Desafio a alguém vir a público mostrar que existe algo neste sentido. Mente por ignorância ou má fé quem assim se coloca.
Os três artigos que vou aqui elencar fazem parte da nossa proposta apresentada a parlamentar e se situa no Capitulo I  das Disposições Iniciais e é bem nítido:

Art.1º A Capoeira é reconhecida como desporto de criação nacional, nos termos do art. 217 da Constituição Federal e do art.22 do Estatuto da Igualdade Racial e abrange práticas formais e não formais e obedece às normas gerais desta lei, inspirado nos fundamentos constitucionais do Estado Democrático de Direito.

Art.2º A atividade da Capoeira é reconhecida em todas as modalidades em que se manifesta, seja como esporte,jogo, dança, luta, musica ou cultura afro-brasileira.

Art. 3º É facultado o ensino da Capoeira nas instituições públicas e privadas pelos capoeiristas e mestres tradicionais, pública e formalmente reconhecidos.

Portanto o objetivo da nossa proposta é justamente garantir a prática da Capoeira em toda sua pluralidade e com certeza o sistema CONFEF jamais concordaria com tal proposta.
Existem no país, segundo dados da CBC, cerca de seis milhões de praticantes desta nobre arte. Só em São Paulo, existem cerca de 3.200 academias e esta posição que ora defendemos tem o apoio e respaldo da grande maioria deles.
Mente quem diz que está é uma investida mal disfarçada do sistema para enquadrar a Capoeira. Aliás muito pelo contrário esta lei significa, no dizer de um Mestre Carioca, uma verdadeira alforria para a Capoeira que irá, a partir da lei, gerir seu próprio futuro.

A luta que nós travamos pela autonomia e liberdade da Capoeira não começou agora e nem em 2002 e nem tão pouco durante a gestão da Fundação Palmares, ela existe desde 1821 quando a Capoeira foi duramente repremida e criminalizada e depois em 1889 quando a República colocou-a no Código Penal. Não é demais lembrar que foi um Capoeirista Sampaio Ferraz o Chefe de Policia encarregado de exterminar nossa amada prática.
Se dependesse de alguns pseudo defensores  da Capoeira, ainda hoje ela repousaria inerte no código criminal brasileiro.
Ocorre que foi por conta em boa medida de existir lutadores e capoeiristas como o Mestre Bimba, com sua sagacidade genial,  mesmo em meio a polêmica e ataques, contribuiu de forma decisiva para tirar a Capoeira da Criminalidade e colocando-a no rol de prática esportiva massificada inclusive com reconhecimento legal. 

O trabalho desenvolvido pelo IPHAN e Ministério da Cultura nos últimos anos, longe de ser contraditório com o que prega o PL, reforça-o, fortalece-o, demonstra que a pluralidade vem sendo respeitada e assim o será. As conquistas obtidas pela Capoeira fortalecem toda a Capoeira. Independente de estilos e formas.
A Capoeira é patrimônio do nosso povo. Criada no Brasil como instrumento de luta pela sua liberdade cresceu e se desenvolveu junto com o nosso país. A Capoeira baiana combativa e atuante deu e dará enorme contribuição ao fortalecimento da Capoeira Nacional e que agora também é praticada em muitos países do mundo. A Capoeira é uma manifestação cultural sem duvida é inclusiva por excelência. Mas também é esporte, jogo, luta e começou como arte marcial.  Se bem orientada pode ser um poderoso instrumento de inclusão social. Mas deve ficar atenta!! Os defensores de ultima hora que aparecem sempre as vésperas das eleições com bravatas e tentativas de turvar o debate não lograrão êxito.
Presenciamos recentemente uma vitória histórica no Congresso Nacional. A regulamentação da Profissão de Vaqueiro que beneficiou mais  de um milhão de brasileiros. A prática existia informalmente a mais de cem anos. A vitória encheu de brio e orgulho este seguimento que descriminado encontrou na profissão o respeito e o respaldo econômico necessário.
Destaco aqui dois dos principais artigos:
Art. 1o   Fica reconhecida a atividade de vaqueiro como profissão. 
Art. 2o  Considera-se vaqueiro o profissional apto a realizar práticas relacionadas ao trato, manejo e condução de espécies animais do tipo bovino, bubalino, equino, muar, caprino e ovino.” 

A  Capoeira existe à 400 anos  merecemos ter, a exemplo dos vaqueiros, este direito reconhecido pela lei e não permitir jamais que mestres e capoeiristas sejam tratados com desprezo ou desdém que fatalmente ou levem a morrer na miséria ou viver em troca de migalhas de políticos mal intencionado como ocorreu no tempo das Maltas.

Pelé, gênio de Futebol, atleta do século, Rei dos gramados, foi classificado assim pelo jogador Romário: “ Pelé calado é um Poeta”.  Ou seja, na arte de jogar bola foi único. Entretanto na arte de filosofar foi um desastre.  Na capoeira também acontece isso. Nem sempre um bom, até genial Mestre, tem razão em tudo que fala.  A boca come coisas que pode fazer mal, adoecer e  até matar.  Assim sendo, precisamos tomar cuidado com o que colocamos ou com o que tentam colocar em nossas bocas.
Nós seres humanos só paramos de aprender quando perecemos, ninguém sabe tudo!
 

Jairo Junior
Congresso Nacional Unitário de Capoeira.
Diretor do Centro Cultural Africano

Diretor da União Cultural dos Países de Língua Portuguesa

PELA PROFISSÃO DE MESTRE DE CAPOEIRA - MESTRE GAVIÃO - FEDERAÇÃO RIOGRANDENSE DE CAPOEIRA

A  Capoeira é do Brasil!

A capoeira surge como fruto e consequência da luta travada pelos escravos pela sua libertação. Os negros vindo da África não aceitaram em nenhum momento  o cativeiro, e já nos rituais religiosos praticavam “dança” de ritmo frenético, ao som de palmas e instrumentos de percussão. A movimentação eram coreografias de gestos rápidos e precisos cheias de saltos e ginga de extraordinária flexibilidade e agilidade. Dali pode ter surgido a possibilidade de, para escaparem de seus feitores, aliar sua destreza de movimentos a golpes de lutas africanas trazidas por eles e com o passar do tempo incorporando novas movimentações, desenvolvendo assim uma “técnica” de defesa e ataque surpreendentemente inovadora. Nascia a Capoeira!!!
Era o século XVII e a luta foi desenvolvida para os escravos enfrentarem as capturas violentas e cruéis dos chamados Capitães do Mato. Os confrontos aconteciam em geral nas Capoeiras(local de mato ralo). E assim veio a expressão para os escorraçados algozes: “ Ele nos pegaram na capoeira”. E Capoeira ficou!!!  
Em 1821, a capoeiragem já era violentamente repremida. Sua prática ficou sujeita a castigos corporais e a medidas não menos punitivas. O Governo republicano, instaurado em 1889, deu continuidade  a  política de repressão e associou diretamente a Capoeira a criminalidade, como consta no decreto 847 de 11 outubro de 1890, com o titulo “ Dos Vadios e Capoeiras”.
O Artigo 402, dizia:  “ Fazer nas ruas ou praças públicas exercícios de destreza corporal, conhecidos pela denominação de capoeiragem:  Pena de seis meses a dois anos de reclusão.
E o parágrafo único do mesmo artigo aprofundava: “ É considerada  circunstância agravante pertencer o capoeira, a alguma banda ou Malta. Aos  chefes ou cabeças, impor-se-á a pena em dobro.
Mas como vimos a Capoeira resistiu a isso. Enfrentou terríveis e negativas vicissitudes e sobreviveu.  Reagiu e  contemporâneizou-se.  Reconstruiu-se enquanto prática esportiva forte e foi reconhecida no século XX pelo então Presidente da República: Getúlio Vargas como “Único e verdadeiro esporte genuinamente nacional”. Assim saiu da criminalidade e ganhou as academias e voltou às ruas.
Evidentemente que como tudo que tem origem na cultura afro descendente sofreu e ainda sofre descriminação e preconceito. Divisão e divergências interna.  Existem em seu seio várias concepções que insistem em recuar ao passado a pretexto de preservar a tradição. Contudo ela avança. Hoje mobiliza em sua prática bem mais de seis milhões de brasileiros e brasileiras que a despeito das polêmicas marginais a utilizam, em boa parte, profissionalmente.
Está em curso no Congresso Nacional, tramitando um Projeto de Lei que busca consolidar sua prática profissional, salvaguardar sua tradição, impedir a ingerência indevida  de terceiros e acima de tudo garantir sua prática plural e contestadora.
O PL em questão precisa, com base no Art. 217 da Constituição Federal, nos termos do art. 216 da mesma constituição que a considera bem de natureza imaterial e de formação da identidade cultural brasileira, garantir, assim com diz os Estatutos da Igualdade Racial,  que atividade de capoeira seja  reconhecida em todas as modalidades em que se manifesta, seja como esporte, luta, dança, música ou cultura afro-brasileira. Sendo absolutamente livre seu exercício em todo o território nacional. E facultar, por fim, seu ensino nas instituições públicas e privadas pelos capoeiristas e mestres tradicionais, pública e formalmente reconhecidos.
Está em pleno andamento a mobilização para o III Congresso Nacional Unitario de Capoeira que será realizado em São Paulo nos dias 10,11 e 12 onde se espera que os mais de mil delegados presentes unifiquem seu entendimento em torno das bandeiras e do PL que fortalece a prática.
 A Capoeira é um poderoso instrumento de inclusão social. Se bem orientada, pode, em sua multifacetada prática, dar uma enorme contribuição para a melhoria de condição de vida do nosso povo. A luta é o habitat da Capoeira e dos seus praticantes e com ela comemoraremos os mais de três séculos de sua existência, resgatando seu valor histórico, cultural, social, político e econômico. A Capoeira é Brasil!

Jairo Junior.
Pesquisador da Cultura Afro.
Consultor de Políticas Públicas.

quarta-feira, 17 de abril de 2013

CONTRIBUIÇÕES DO GTCAPOEIRA E EDUCAÇÃO -PRO-CAPOEIRA 27,28 E 29 DE OUTUBRO DE 2010 - Mestre Gavião


CONTRIBUIÇÕES DO GTCAPOEIRA E EDUCAÇÃO
 Este documento apresenta os resultados dos debates desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho Capoeira e Educação do Encontro Regional do
Programa Nacional de Salvaguarda e Incentivo a Capoeira, realizado durante os dias 27, 28 e 29; de outubro de 2010, na cidade do Rio de
Janeiro. Os Grupos de Trabalho foram organizados a partir de eixos temáticos, com o objetivo de fomentar debates, reflexões e formulação de
um diagnóstico das demandas do campo e de possíveis propostas de ação para a implementação do Pró-Capoeira, considerando a amplitude das
interfaces da capoeira com a sociedade. O GT Capoeira e Educação contou com a participação de capoeiristas das regiões Sul e Sudeste e a
presença de representantes da Fundação Cultural Palmares e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) para contribuir
com a dinâmica dos encontros. As proposições sistematizadas neste documento são resultado dos debates realizados pelos participantes do GT.
ÁREAS TEMÁTICAS SITUAÇÕES PROBLEMA SITUAÇÕES SUGERIDAS 
CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO 
 Falta de capacitação dos capoeiras em
elaboração e desenvolvimento de projetos
e indefinição quanto aos responsáveis
pela realização destas capacitações.
 Preparação para trabalhar com a nova
fase de institucionalização/formalização
da capoeira na educação.
 Falta de capacitação do corpo docente das
escolas em relação aos saberes da
capoeira enquanto manifestação cultural.
 Rever a relação entre capoeira e escola
pública, já que em escolas privadas há
remuneração para os capoeiras.
 Ausência de critérios para contratação de
mestres de capoeira. É preciso entender
 Capacitação para os capoeiristas em
elaboração e desenvolvimento de
projetos que podem ser viabilizadas
pelo Estado.
 Criar meios (políticas públicas e leis
específicas) com objetivo de viabilizar
as demandas de inserção dos
capoeiristas nas escolas.
 Curso de instrumentalização para o
aperfeiçoamento de técnicas de
ensino/transmissão da Capoeira como
expressão cultural e não apenas como
técnicas de luta.
 Inserção do mestre nas escolas
públicas e universidades, participando as modalidades de oferta (optativas ou
obrigatórias) da capoeira em cada espaço.
 Ausência de critérios para definição de
quem pode dar aulas de capoeira.
da formação continuada de
professores.
 Criar a licenciatura em capoeira (existe
dança e música). Seria um curso
interdisciplinar: geografia, história da
áfrica, Psicologia, etc. O curso deve
ser oferecido preferencialmente para
capoeiristas.
 O MEC deve reconhecer/certificar o
capoeirista como educador.
PROFISSIONALIZAÇÃO  Falta de vínculo empregatício com
instituições de ensino.
 Federalização associada à
profissionalização da Capoeira.
 Demanda crescente da prática da capoeira
está gerando a rápida
“profissionalização” de pessoas
geralmente desqualificadas para atuar em
escolas.
 Ausência de espaços de articulação e
discussão entre os capoeiristas.
 Criação de um Fórum Nacional sobre
“Capoeira e Educação” para
aprofundar temáticas específicas
(políticas públicas, licenciatura,
inserção da capoeira na escola,
capoeira infantil, relação da capoeira
com a Educação Física, capoeira como
manifestação cultural, etc). Essa ação
deve ser financiada por ministérios e
outras organizações afins.
 Criação de fóruns virtuais para
articular as discussões feitas nos
encontros regionais sobre “Capoeira e
Educação”.
 Participação, nos encontros regionais,
de representantes dos ministérios
(educação, esporte, etc) que possam
responder pela totalidade das políticas
públicas.
 Criação de um fundo da Capoeira.  IPHAN deve viabilizar a participação
de um número mínimo de pessoas de
cada GT para participação no Encontro
Nacional.
 Apoio do IPHAN, MINC e MEC para
realização dos fóruns.
 Formar (no encontro Pró Capoeira)
uma comissão de cinco ou seis pessoas
para construção do Fórum Capoeira e
Educação.
POLÍTICAS PÚBLICAS
/IMPLEMENTAÇÃO DA LEI
10.639/03
 A lei 10.639/03 ainda não foi
implementada no território nacional. Não
apenas em relação à capoeira, mas
também no que se refere a outras
manifestações afro-brasileiras.
 Ainda existe preconceito e discriminação
dentro das escolas, mesmo depois da
instituição da lei 10.639/03.
 As escolas enfrentam dificuldades para
discutir e implementar a referida lei, já
que não compreendem as leis que dizem
respeito ás questões negras.
 Intolerância religiosa e étnico-racial nas
escolas e nas comunidades, como por
exemplo, a proibição do uso de certos
instrumentos típicos da capoeira em
espaços escolares.
 Preocupação com a metodologia do
ensino da capoeira para crianças.
 PCNs e a inserção de conteúdos
 Respeitar a organização e tempo de
implementação correta dos processos.
 Convocação de outros parceiros para a
constituição dos fóruns. IPHAN e os
capoeiras de outras regiões.
 Utilizar as diretrizes do MEC para
inserção da capoeira nas escolas, por
meio da lei 10.639/03 e promover a
discussão sobre a lei específica da
capoeira.
 Identificar mecanismos de auxílio para
escolas que cumprem a lei 10.630/03 e
definir punições para as instituições
que não implementaram nenhum tipo
de ação.
 Formação continuada nas escolas
sobre a cultura negra, como forma de
subsidiar a discussão sobre a capoeira.
Discutir a lei 10.639/03 com
professores e gestores no âmbito da relacionados à capoeira.
 Ausência de literatura que relaciona a
educação infantil e a capoeira.
 Independência da capoeira em relação à
Educação Física.
capacitação.
 Divulgação de projetos e ações
implementadas com base na lei
10.639/03 para auxiliar no efetivo
cumprimento da lei em outras
instituições.
 Criação de banco de dados sobre
experiências com capoeira e educação.
 Criação de centros de referência em
cada estado Nesses centros seriam
disponibilizados bancos de dados
(virtual e material) e materiais de
referência sobre a capoeira.
 Que a capoeira entre nos plano político
pedagógico das escolas juntamente
com outras manifestações das culturas
populares.
 Regulamentar a questão da competição
na capoeira como modalidade de
competição dentro de jogos escolares.
 Curso de instrumentalização da
capoeira aos mestres de capoeira e
para professores de educação física,
para auxiliar na relação entre saber
formal e não formal.
 Elaboração de edital público com
comissão interdisciplinar para
reconhecimento do notório saber.
 Inserção dos velhos mestres nas
escolas. CAPOEIRA ENQUANTO
VEÍCULO EDUCACIONAL
 Necessidade de identificar e reconhecer
os mestres.
 Exclusão de mestres de capoeira dos
espaços de educação formal, pelo fato de
não possuírem formação acadêmica.
 Desequilíbrio no tratamento de capoeiras
em função da formação acadêmica.
 Desrespeito aos valores, rituais e
princípios.
 Predominância da capoeira esportiva nas
escolas e na sociedade;
 Indefinição quanto à forma de
aproximação entre a capoeira e a
educação formal.
 Falta de apoio do Estado no processo de
inserção da capoeira nas escolas públicas.
 Criação de seminários itinerantes em
diversos estados para discutir a
formação do profissional em capoeira,
promovendo diálogo entre os mestres e
professores.
 Diálogo entre o Estado e as bases para
discussão das questões relacionada à
capoeira.
 Fiscalizar as escolas com relação aos
profissionais que atuam com capoeira.
 Promover cursos de formação
continuada, com mestres de capoeira,
para capacitar professores que atem
em projetos escolares.
 Mapear iniciativas de inserção e
diagnóstico da implementação da
capoeira nas escolas.
 Inserção das formas tradicionais de
transmissão dos saberes e valores
relativos à capoeira no âmbito da
educação formal.
 Integração com pontos de cultura.
 Criação de convênios entre escolas e
associações de capoeiras, a exemplo
dos editais feitos com os pontos de
cultura.
 Divulgar informações sobre as
modalidades de capoeira (Regional e
Angola) de forma equilibrada.  Criação de cursos de extensão nas
universidades sobre a capoeira.
 Esclarecer as interfaces entre
Educação Física e Capoeira.
 Exigir que a Capoeira seja disciplina
obrigatória dos cursos de graduação
em Educação Física.
 Inserir mestres da cultura popular com
notório saber no ensino superior.

quarta-feira, 3 de abril de 2013

Regulamentação, Salvaguarda e Incentivo à Atividade da Capoeira - Mestre Gavião































































Venha companheiro construir a Capoeira Democrática com a Federação Riograndense de Capoeira, filie-se-já  !!!

Presidente da Federação Riogranden
se de Capoeira Sr. Vitor Hugo Narciso - Mestre Gavião
E-mail: mestregaviao@gmail.com
Site: www.fergscapoeira.blogspot.com
Contato Ligue Federação: (051) 84005500 (051) 96505044 (51) 85656533



quinta-feira, 21 de março de 2013

Ofício 01/13
Ilmos. Srºs
Presidentes, Mestres, instrutores e capoeiristas em geral.

Na qualidade de presidente da Federação Riograndense de Capoeira, Entidade Estadual de Administração de nossa Arte Maior, vem perante aos nobres colegas comunicar o avanço da capoeira na Regulamentação da Profissão de Mestre de Capoeira.

Estamos nos atualizando em nossos formulários de cadastramento profissional, para isso estamos pedindo a todos(as) filiados a renovação do formulário de filiação junto a Federação Riograndense de Capoeira.

Ibope de Pesquisa de grupos de Capoeira do Rio Grande do Sul.
realização: Federação Riograndense de Capoeira - Gestão Mestre Gavião

Outro objetivo para esse ano é mapear a capoeira do Rio Grande do Sul, para isso pedimos a divulgação e contato com os grupos de capoeira que deverão entrar em contato com a Federação Riograndense de Capoeira através do e-mail: mestregaviao@gmail.com ou pelo telefone Ligue Federação (051) 84005500 para seu registro associações, grupos e capoeiristas em geral que dão aulas de capoeira no Estado do Rio Grande do Sul, aonde iremos colocar no site o Mapa do Estado e as regiões com seus respectivos grupos e associações de capoeira. 

C U M P R A - S E
Att,
Mestre Gavião
Pres.FERGS CAPOEIRA



   

segunda-feira, 18 de março de 2013

Inventário Para Registro e Salva Guarda da Capoeira Como Patrimônio Cultura do Brasil - Mestre Gavião







DOSSIÊ
INVENTÁRIO PARA REGISTRO E SALVAGUARDA DA CAPOEIRA
COMO PATRIMÔNIO CULTURAL DO BRASIL
BRASÍLIA - 2007
Presidente da República:
Luiz Inácio Lula da Silva
Ministro da Cultura:
Gilberto Gil Moreira
Presidente do IPHAN:
Luiz Fernando de Almeida
Diretora de Patrimônio Imaterial:
Márcia Sant’Anna
Diretora do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular:
Claudia Márcia Ferreira
Superintendente Regional do IPHAN da Bahia:
Leonardo Falangola
Superintendente Regional do IPHAN de Pernambuco:
Frederico Almeida
Superintendente Regional do IPHAN do Rio de Janeiro:
Carlos Fernando Andrade
Acompanhamento técnico - Superintendência Regional do IPHAN de Pernambuco:
Elaine Muller
Acompanhamento técnico - Superintendência Regional do IPHAN da Bahia:
Maria Paula Adinolfi
EQUIPE TÉCNICA:
Coordenação: Wallace de Deus Barbosa
Assistente de coordenação: Maurício Barros de Castro
Consultores:
Frederico José de Abreu
Matthias Rohrig Assunção
4
Pesquisa histórico-documental e de campo:
Rio de Janeiro
Pesquisadores:
Carlo Alexandre Teixeira
Cristiana Nastari Villela
David Nascimento Bassous
Hugo de Lemos Bellucco
Johnny Alvarez Menezes
Estagiários:
Barbara Tinoco
Bernardo Guimarães
Filipe Gonçalves
Salvador
Pesquisadores:
Adriana Albert Dias
Amélia Conrado
Ricardo Biriba
Estagiários:
Lucylane Oliveira
Nilo Ricardo Lobo
Recife
Pesquisadores:
Izabel Cordeiro
Marco Aurélio Lauriano de Oliveira
Maria Jaidene Pires
Vânia Fialho
Estagiários:
Annelise Lins Meneses
Graciane Costa Gomes dos Santos
Joice Poliana da Paixão Sales
Karina Lira da Silva
Paula Natanny Rocha Bezerra
Silvia Carla Lafaiete
5
Fotografia e pesquisa iconográfica:
Eduardo Monteiro
Webdesigner:
Guttemberg Coutinho
VÍDEO:
Roteiro:
Wallace de Deus Barbosa
Maurício Barros de Castro
Montagem:
André Sampaio
Locução:
Luiz Motta
Finalização de áudio:
Luiz Eduardo do Carmo
Imagens do Rio de Janeiro:
Luiz Araújo
Imagens de Recife:
Antônio Luiz Carrilho
Hamilton Costa Filho
Imagens de Salvador:
Tenille Bezerra
Bruno Saphira
Wallace de Deus Barbosa
Imagens adicionais:
Gabriela Gusmão
Wallace de Deus Barbosa
6
SUMÁRIO
Introdução, 8
1. As referências históricas, 11
Origens e mitos fundadores, 11
As cidades da capoeira, 14
1930-1940: nasce uma nova tradição da capoeira, 37
1950-1970: o processo de folclorização e esportização, 41
A globalização da capoeira, 49
2. O aprendizado e as escolas de capoeira, 51
Da rua para a academia: o nascimento das primeiras escolas de capoeira, 56
Algumas trajetórias da capoeira nos dias atuais, 65
3. Descrição das rodas de capoeira, 68
Etnografia e performance, 68
Os movimentos e golpes, 72
O canto, os toques e a dinâmica das rodas, 74
4. Os instrumentos, 79
Berimbau, 81
Atabaque, 84
Pandeiro, 85
Agogô e reco-reco, 85
7
5. Os mestres e as rodas: patrimônio vivo, 86
6. Recomendações de Salvaguarda para a prática e difusão da capoeira no
Brasil, 91
Bibliografia, 97
8
Introdução
O universo de quem se aventura a pesquisar a capoeira é vasto. A arte apresenta
registros iconográficos e documentais desde o século XVIII, possui diversas vertentes
ensinadas por mestres, contra-mestres, professores e instrutores, e cobre um amplo território
geográfico que mapeia os cinco continentes, uma vez que as rodas de capoeira estão
difundidas em mais de 150 países.
O desafio do Inventário para Registro e Salvaguarda da Capoeira como Patrimônio
Cultural do Brasil, realizado entre 2006 e 2007, era construir um diálogo entre o tempo
histórico passado e o tempo presente. Como patrimônio vivo, a capoeira se mantinha no
cenário atual através dos mestres que representavam o saber. Ao mesmo tempo, acumulava
produção documental que atravessava os últimos três séculos. Havia a necessidade de
reconstituir brevemente a história da capoeira e realizar um registro instantâneo de seu
momento presente.
Diante destes requisitos, a pesquisa se concentrou em três eixos principais: 1)
pesquisa historiográfica; 2) trabalho de campo; 3) abordagem de temas relacionados à
capoeira, como a reflexão sobre o aprendizado e a descrição das rodas. A constituição deste
dossiê, que pretende justificar a importância da capoeira como bem cultural do Brasil, deuse
amparada nestas três linhas de caráter metodológico distinto. Por isso, buscou-se a
formação de uma equipe multidisciplinar que pudesse dar conta dos diversos vetores do
projeto.
Também era importante definir o recorte territorial da pesquisa. Um reforçado
imaginário produzido por livros, filmes e telenovelas relacionou a capoeira à escravidão
rural, a sua pratica nas senzalas sob o olhar desconfiado do senhor de engenho, mas a
capoeiragem fincou raízes nas áreas urbanas1. A perspectiva que parecia mais coerente
remetia para o desenvolvimento da arte nas principais cidades portuárias brasileiras, tendo
1 Ainda assim, é preciso levar em conta que os centros urbanos da época possuíam vasto entorno rural, de
modo que havia engenhos e até mesmo quilombos nos bairros afastados do centro do Rio de Janeiro e outras
cidades coloniais. Como exemplo, ver SILVA, Eduardo. As camélias do Leblon e a abolição da escravatura:
uma investigação de história cultural. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.
9
surgido como prática urbana de resistência de escravos ao ganho, na maioria das vezes
reunidos nos agrupamentos conhecidos como maltas.
Cidades como Salvador, Rio de Janeiro e Recife receberam um grande contingente
de africanos escravizados e se tornaram verdadeiros “santuários” da capoeira antiga.
Principalmente as cidades do Rio de Janeiro e Salvador possuíam bastante documentação
sobre a capoeiragem. Diante da amplitude da capoeira como campo, espalhada pelos
territórios nacional e internacional, optou-se pela pesquisa nos lugares históricos como ponto
de partida para a reconstituição de sua trajetória. Nestes locais, os mestres seriam ouvidos,
suas escolas e rodas visitadas e registradas.
De início, as capitais da Bahia e Rio de Janeiro foram delimitadas como campo de
pesquisa por serem consideradas os locais históricos mais importantes da capoeira. O que
não significava a realização de um registro historiográfico restrito às duas cidades. Estas
eram território possível de ser coberto, uma vez reconhecida a impossibilidade de se
alcançar toda a extensão territorial da capoeira.
No ‘Plano de Ação’ que baseou a formulação da ‘Proposta de Trabalho’ havia uma
menção a Pernambuco como um estado que possuía um passado histórico importante
referente à capoeira que deveria ser de algum modo citado em ocasião oportuna. No entanto,
mais do que citar, percebemos a importância de incluir Recife no processo do registro.
A ocasião das comemorações pelo centenário do frevo coincidiu com a percepção da
influência da capoeira na criação do passo da dança, principal expressão do carnaval
pernambucano. Uma descoberta que revelava a presença da capoeiragem na cultura local de
Recife e indicava a necessidade de uma investigação mais demorada sobre a história dos
bravos e valentões, como eram conhecidos os capoeiras de Pernambuco.
Delimitado o território, foram constituídas as equipes, de perfil multidisciplinar, na
Bahia, Rio de Janeiro e Pernambuco. Um grupo de profissionais que contemplava as áreas
da antropologia, história, psicologia, educação física e artes cênicas. A maioria deles
também atuava como capoeirista, incluindo um mestre de capoeira, Carlo Alexandre
Teixeira, conhecido como Mestre Carlão. Além da formação das equipes locais, foram
realizados, nos três estados, os encontros Capoeira como Patrimônio Imaterial do Brasil.
O objetivo destes encontros era reunir os mestres, alunos e pesquisadores para
apresentar o projeto do Inventário, discutir sua importância, definir as possibilidades de
10
registro e fazer um levantamento de pautas que seriam utilizadas como referências para a
elaboração das ‘Recomendações do Plano de Salvaguarda da Capoeira’. A perspectiva que
se coloca é de que a cultura é dinâmica, e não cristalizada, portanto, o registro não é
suficiente para salvaguardar as manifestações, mas uma etapa necessária para traçar um
plano que elabore e encaminhe políticas públicas para seus atores.
Os principais pontos levantados nestes encontros foram: 1) a necessidade de
aposentadoria especial para os velhos mestres de capoeira; 2) A importância dos mestres de
capoeira como divulgadores da cultura brasileira no cenário internacional, o que torna
necessário pensar alternativas para facilitar seu trânsito por outros países; 3) a necessidade
de criar mecanismos que facilitariam o ensino da capoeira em espaços públicos; 4) o
reconhecimento do ofício e do saber do mestre de capoeira, para que ele possa ensinar em
escolas e universidades; 5) a criação de um Centro de Referências da Capoeira que
centralizasse toda a produção acadêmica sobre a capoeira, realizada por estudiosos
espalhados em diversas disciplinas; 6) um plano de manejo da biriba, madeira usada para
confeccionar o berimbau e que pode ser extinta no correr dos anos.
Trata-se de um conjunto de encaminhamentos que baseou as ‘Recomendações do
Plano de Salvaguarda da Capoeira’. Além disso, norteou a indicação de que seria necessário
reconhecer como Patrimônio Cultural do Brasil o saber do mestre de capoeira, como ofício,
e a roda de capoeira, como forma de expressão.
Em termos institucionais, o processo do Inventário foi alocado no Laboratório de
Pesquisas em Etnicidade, Cultura e Desenvolvimento (LACED) do Museu Nacional-UFRJ,
por meio da Fundação Universitária José Bonifácio (FUJB-UFRJ). A coordenação do
projeto também contou com a supervisão da Diretoria de Patrimônio Imaterial do IPHAN,
das Superintendências Regionais do IPHAN da Bahia e de Pernambuco e do Centro
Nacional de Folclore e Cultura Popular (CNFCP).
O texto desenvolvido neste dossiê busca reconstituir brevemente a história da
capoeira e descrever sua prática, cultura material e rituais. Um arranjo que pretende
justificar sua importância como bem cultural, a partir da documentação escrita e dos relatos
dos mestres que continuam em atividade.
11
1. As referências históricas
Origens e mitos fundadores
A capoeira é uma manifestação cultural que se caracteriza por sua
multidimensionalidade – é ao mesmo tempo dança, luta e jogo. Dessa forma, mantém
ligações com práticas de sociedades tradicionais, nas quais não havia a separação das
habilidades nas suas celebrações, característica inerente à sociedade moderna. Ainda que
alguns praticantes priorizem ora sua face cultural, seus aspectos musicais e rituais, ora sua
face esportiva, a luta e a ginástica corporal, a dimensão múltipla não é deixada de lado. Em
todas as práticas atuais de capoeira, permanecem coexistindo a orquestração musical, a
dança, os golpes, o jogo, embora o enfoque dado se diferencie de acordo com a
singularidade de cada vertente, mestre ou grupo.
As origens da capoeira remetem a basicamente três mitos fundadores:
1- A capoeira nasceu na África Central e foi trazida intacta por africanos escravizados.
2- A capoeira é criação de escravos quilombolas no Brasil.
3- A capoeira é criação dos índios, daí a origem do vocábulo que nomeia o jogo.
As três hipóteses geram questões ainda não resolvidas. Embora estudos recentes
tenham comprovado a existência de danças guerreiras similares à capoeira, não apenas na
África Central, mas em outros países que fizeram parte da diáspora negra (a ladja da
Martinica é uma delas), não se pode negar que as culturas são construídas a partir das
influências que as cercam, o que gera tanto rupturas quanto continuidades. Portanto, além da
comprovação da raiz africana, é preciso reconhecer as mudanças e contribuições que
ocorreram em solo brasileiro.
Da mesma forma, afirmar que não existia prática corporal semelhante à capoeira na
África, restringido seu surgimento ao contexto dos escravos que a teriam criado nos
quilombos como forma de resistência escrava, esbarra em pressupostos históricos. Além da
comprovada ligação com práticas ancestrais africanas, a capoeira foi desenvolvida nos
12
centros urbanos em formação, principalmente em cidades portuárias, como Rio de Janeiro,
Salvador e Recife, aonde chegaram grandes levas de escravos.
Por fim, a patente indígena na criação da capoeira é uma hipótese de difícil
sustentação. Não há documentação ou mesmo relatos de índios que reivindiquem essa
paternidade. O termo “capoeira” faz parte da língua tupi e significa “mato ralo”, o que
remete a uma das explicações sobre sua origem. Diz respeito ao mito do escravo fugitivo
que surpreenderia seus algozes na capoeira, local da cilada. Além de ter uma lógica de difícil
assimilação, a do perseguido que inverte a situação e submete o perseguidor, as raízes
etimológicas também são controversas e apontam para outra possível origem da arte.
Valdeloir Rego, em seu livro clássico, expõe hipóteses de Henrique de Beaurepaire Rohan e
Brasil Gerson:
Tendo como base capão, do qual Adolfo Coelho tirou o étimo de
capoeira para o português, Beaurepaire Rohan faz o mesmo para o
vocábulo capoeira na acepção brasileira, apresentando em defesa de sua
opinião a seguinte explicação: - ‘Como o exercício da capoeira, entre dois
indivíduos que se batem por mero divertimento, se parece um tanto com a
briga de galos, não duvido que este vocábulo tenha sua origem em Capão,
do mesmo modo que damos em português o nome da capoeira a qualquer
espécie de cesto em que se metem galinhas’. Brasil Gerson, o historiador
das ruas do Rio de Janeiro, fazendo a história da Rua da Praia de D.
Manoel, informa que lá ficava o nosso grande mercado de aves e que nele
nasceu o jogo da capoeira, em virtude das brincadeiras dos escravos que
povoavam toda a rua, transportando nas cabeças as suas capoeiras cheias
de galinhas2.
A dificuldade em estabelecer as origens da capoeira nos aspectos geográficos,
culturais e etimológicos pode ser explicada devido a sua diversidade. Manifestação
intimamente ligada às culturas locais, ganhou contornos específicos de acordo com os
contextos em que se desenvolveu. A capoeira, dessa forma, é reconhecida como fenômeno
cultural urbano, cuja história permeia o passado e o presente.
2 REGO, Valdeloir. Capoeira Angola – ensaio sócio-etnográfico. Salvador: Editora Itapuã, 1968. p. 33.
13
14
O mais antigo registro referente à capoeira foi encontrado pelo jornalista Nireu
Cavalcanti3. O documento data de 1789 e se refere à libertação de um escravo chamado
Adão, preso nas ruas do Rio de Janeiro devido à prática da capoeiragem, o que mostra que
a repressão acontecia antes mesmo da criminalização da capoeira, em 1890, durante o
governo provisório do Marechal Deodoro da Fonseca.
As cidades da capoeira
Nos anos 1990, a historiografia se voltou para os estudos da capoeira no Rio de
Janeiro do século XIX. Os dois principais pesquisadores a explorar este recorte foram
Carlos Eugênio Líbano Soares e Luís Sérgio Dias. O primeiro percorreu, em dois livros, o
período que cobre os anos de 1808 a 1890, uma trajetória que se inicia com a chegada da
corte portuguesa ao Brasil, alcança o fim da Monarquia, a instauração da República e
termina no ano em que a capoeira foi criminalizada e a maioria dos seus praticantes na
capital desterrada para a ilha de Fernando de Noronha.
Entre 1808 e 1850, ano em que foi proibido o tráfico de escravos, existiu o que
Soares definiu como capoeira escrava, a qual, segundo o pesquisador, não se restringe a
“uma prática cultural excludente de negros libertos ou livres, mas a uma tradição rebelde
que tinha fortes raízes escravas... e ‘seduzia’ aqueles de outra condição social e jurídica,
por sua maneabilidade e resistência”4. O termo, portanto, não se aplica apenas aos negros
escravos, mas ao contexto da escravidão.
Difundida na capital por africanos, a capoeira se tornou motivo para troca de
relações culturais e sociais mais amplas. Tanto que no segundo momento estudado por
Soares, 1850-1890, é possível encontrar entre os seus praticantes nomes de letrados,
aristocratas e militares. O que marca este volume, no entanto, é a história das maltas, como
eram chamados os grupos de capoeiras que disputavam a geografia da cidade. Segundo
Soares, a visibilidade dos negros e “homens pobres de todas as origens” revela a
3 Ver CAVALCANTI, Nireu Oliveira. Crônicas históricas do Rio Colonial. Rio de Janeiro: Editora
Civilização Brasileira/FAPERJ, 2004.
4 SOARES, Carlos Eugênio Líbano. A capoeira escrava e outras tradições rebeldes no Rio de Janeiro (1808-
1850). Campinas: Unicamp, 2001. p. 25.
15
mobilidade que os capoeiras alcançaram no contexto de segregação social sofrida pelas
identidades africanas e afro-descendentes que se espalhavam pela cidade. Conforme o
autor, referindo-se ao século XIX, “a capoeira foi um fenômeno que marcou fortemente a
vida social do Rio de Janeiro no século passado” 5.
Enquanto Soares prioriza a formação e distribuição destes grupos de capoeiras, Luís
Sérgio Dias focaliza o temor que eles representavam para a sociedade carioca de meados
do século XIX6. A marginalização e criminalização sofridas por seus praticantes fizeram
com que as principais fontes destes dois historiadores se encontrassem nos arquivos
policiais.
No Rio de Janeiro, a capoeira foi duramente perseguida, seus praticantes eram
conhecidos por desafiarem a ordem policial, hostilizarem a população, provocarem brigas e
correrias, marcadas por cabeçadas, rasteiras e navalhadas. Muitos dos confrontos
aconteciam entre as temidas maltas, as quais demarcavam seus territórios através das
freguesias – como eram conhecidos os bairros delimitados pela localização das igrejas
católicas. As relações entre os capoeiras se davam através do cotidiano da escravidão
urbana, dividida entre a casa do senhor e a rua, espaços onde o escravo cuidava dos
afazeres domésticos e trabalhava no comércio local, sendo este muitas vezes o motivo das
disputas territoriais. Além disso, causavam arruaças e brigas nos desfiles das bandas
militares. Conforme escreveu Luiz Edmundo: “Em 1888, um ano antes da proclamação da
República, cafajestes armados até os dentes ainda saem à frente das nossas bandas
militares, atravessam as ruas principais, as mais policiadas da urbe, em pleno exercício da
capoeiragem”7.
Antes da proclamação da República, em 1889, os escravos capoeiras ganharam
prestígio devido a sua participação na Guerra do Paraguai, que ocorreu entre 1864 e 1870.
Também ficaram famosos por sua atuação durante as eleições, quando pressionavam
eleitores para votarem nos candidatos dos partidos que defendiam, fossem conservadores
5 SOARES, Carlos Eugênio Líbano. A Negregada Instituição: os capoeiras na Corte Imperial (1850-1890).
Rio de Janeiro: Access Editora, 1999. p. 3.
6 Ver DIAS, Luis Sérgio. Quem tem medo da capoeira? Rio de Janeiro: Secretaria Municipal das Culturas,
Departamento Geral de Documentação e Informação cultural, Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro:
Divisão de Pesquisa, 2001.
7 EDMUNDO, Luiz. O Rio de Janeiro do Meu Tempo. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1938. p. 842.
16
ou liberais. Além disso, criaram uma milícia conhecida como Guarda Negra8, que era a
favor da Monarquia e atacava republicanos, “fundaram o Partido Capoeira e, antes de
serem definitivamente perseguidos, dividiram a cidade em territórios de duas grandes
maltas: Nagoas e Guaiamuns”9.
As maltas Nagoas e Guaiamuns representavam os dois partidos políticos da época,
respectivamente, liberais e conservadores. Motivo esse que garantiu “a perene permanência
das maltas contra as investidas freqüentes da ação policial”10. A capoeira alcançou diversas
classes sociais na época colonial, tendo sido praticada não apenas por escravos, mas
também por homens livres pobres e ricos, além dos europeus que viviam na capital do
Império. O poeta português Plácido de Abreu, que morreu na Revolta da Armada, praticava
capoeira, freqüentou o universo das maltas e descreveu suas características num romance
que escreveu sobre o tema11.
Na introdução da obra, Plácido de Abreu apresenta as principais características
daqueles dois bandos que ficaram conhecidos como os dois grandes celeiros da
capoeiragem carioca no Rio antigo. Desde as cores pelas quais se distinguiam – branco e
vermelho – até as localidades a que pertenciam e onde ocorriam seus treinos:
Guayamú é o capoeira que pertence aos seguintes partidos: S.
Francisco (grande centro, do qual foi chefe o célebre Leandro Bonaparte),
Santa Rita, Ouro Preto, Marinha, S. Domingos de Gusmão, além de
outros pequenos bandos agregados a estes.
A denominação que tem estes grupos é casa ou província, e a cor por
que são conhecidos é a vermelha.
Nagôa é o capoeira que pertence aos seguintes partidos: Santa Luzia
(Centro do qual foi chefe Manduca da Praia), S. José, Lapa, Sant’Anna,
Moura, Bolinha de Prata, além de outros grupos menores, filiados
àqueles.
A cor por que são conhecidos é a branca...
8 Ver GOMES, Flavio dos Santos. “No meio das águas turvas (racismo e cidadania no alvorecer da República:
Guarda Negra na Corte - 1888-1889”. Estudos Afro-Asiáticos, Rio de Janeiro, n. 21,1991.
9 CASTRO, Maurício Barros de. Na roda do mundo: Mestre João Grande entre a Bahia e Nova York. São
Paulo: tese de doutorado, Departamento de História Social (FFLCH-USP), 2007. p. 139.
10 SOARES, Carlos Eugênio Líbano. Op. Cit. p. 41.
11 ABREU, Plácido de. Os capoeiras. Rio de Janeiro: Tipografia da Escola Seraphim Alves de Brito, 1886.
17
Há pouco tempo ainda o bando guayamú costumava ensaiar os
noviços no morro do Livramento, lugar denominado Mangueira.
Os ensaios faziam-se regularmente nos domingos de manhã e
constavam dos exercícios de cabeça, pé e golpes de navalha e de faca.
Os capoeiras de mais fama serviam de instrutores àqueles que
começavam. A princípio, os golpes eram ensaiados, fazendo-se uso da
mão limpa. Quando o discípulo aprendia as lições, começava a ser
ensaiado com armas de madeira e por fim serviam-se dos próprios ferros,
acontecendo muitas vezes ficar ensangüentado o lugar dos exercícios.
Os nagôas faziam os mesmos ensaios, com a diferença de que o lugar
escolhido por eles era a praia do Russel, para os partidos de S. José e
Lapa, Morro do Pinto, para o de Sant’Anna12.
O “submundo” da capoeira era freqüentado por intelectuais, profissionais liberais e
“até figuras prestigiosas no plano político como o Barão do Rio Branco, quando jovem, e
Floriano Peixoto, entre outros, foram apontados como praticantes da arte da
capoeiragem”13. Ainda assim, mesmo os que faziam parte da elite foram perseguidos por
Sampaio Ferraz, “chefe de polícia que comandou a campanha que desterrou os capoeiras
para Fernando de Noronha durante o governo de Deodoro da Fonseca”14.
A primeira codificação penal brasileira, intitulada de “Código Criminal do Império
do Brasil”, datada de 1830, não possuía uma referência explícita aos praticantes da
capoeira, mas os chefes de polícia os enquadravam no capítulo que tratava dos vadios e
mendigos. Com o fim da escravidão e o início da República, a capoeira é inserida, “com
todas as letras”, no Código Penal Brasileiro através do decreto de 11 de outubro de 1890,
que assim dizia:
Art. 402. Fazer nas ruas e praças públicas exercícios de agilidade e
destreza corporal, conhecidos pela denominação capoeiragem; andar em
correrias, com armas ou instrumentos capazes de produzir uma lesão
corporal, provocando tumulto ou desordens, ameaçando pessoa certa ou
incerta, ou incutindo temor ou algum mal:
12 ABREU, Plácido de. Op. Cit. p. 3.
13 DIAS, Luis Sérgio. Op. Cit. p. 97.
14 CASTRO, Maurício Barros de. Op. Cit. p. 140.
18
Pena: de prisão cellular de dois meses a seis meses15.
Munida, nesse momento, de um instrumento jurídico específico de incriminação da
capoeira, a polícia reprimiu com extrema violência os praticantes desta tradição. Desse
modo, o século XIX é marcado, principalmente nos arredores das cidades do Rio de Janeiro
e de Recife, por histórias de combates e conflitos entre as maltas dos capoeiras e os
policiais.
De acordo com Soares, as maltas eram formadas “por três, vinte e até mesmo cem
indivíduos” e constituíam a “forma associativa de resistência mais comum entre escravos e
homens livres pobres do Rio de Janeiro da segunda metade do século XIX”. Embora
colocados como criminosos, os capoeiras tiveram uma recuperação social promovida pela
“vertente nacionalista da belle époque”, que buscava defender a capoeira como ginástica
brasileira. Nesse sentido, Coelho Neto “representou o ponto alto da versão que defendia a
transformação da capoeira em esporte nacional”. Conforme Soares: “Coelho Neto não
apenas realça as qualidades ginásticas da capoeira. Ele a celebra como a verdadeira
educação física do Brasil, que deve ser ensinada nas escolas, quartéis, lares, em quaisquer
lugares onde a instrução seja importante” 16.
Soares lembra ainda que Coelho Neto apresentara junto a Luiz Murat um projeto
instituindo a obrigatoriedade do ensino da capoeira em escolas e quartéis. Tal intenção
acompanha a visão nacionalista que se construiu a partir daquela época, investindo na
capoeira como representação autêntica da brasilidade, como podemos perceber nesse trecho
da crônica intitulada, sugestivamente, “O Nosso Jogo”:
Em 1910, Germano Harlocher, Luiz Murat e quem escreve estas
linhas pensavam em mandar um projeto à Câmara dos Deputados
tornando obrigatório o ensino da capoeiragem nos institutos oficiais e nos
quartéis. Desistiram, porém, da idéia, porque houve quem a achasse
ridícula, simplesmente porque tal jogo era...brasileiro.
Enfim, vamos aprender a dar murros – é esporte elegante, porque a
gente o pratica de luvas, rende dólares e chama-se box, nome inglês.17
15 BARBIEIRI, Cesar. Um jeito brasileiro de aprender a ser. DEFER/GDF. Centro de Informação e
Documentação Sobre a Capoeira (CIDOCA/DF): Brasília, 1993. p. 117.
16 SOARES, Carlos Eugênio Líbano. Op. Cit. pp. 40 e 12.
17 NETO, Coelho “O Nosso Jogo”. Bazar. Porto: Livraria Chardron, 1928. p.140.
19
A inclusão da capoeira no projeto nacionalista se estenderia ao longo das décadas
seguintes. A idéia de nação que passava a ser construída por intelectuais da belle époque,
na qual se avaliava o lugar da capoeira na cultura brasileira, teria continuidade nos escritos
de Mello Moraes Filho, que retomaria essa imagem já na década de 1920, afirmando: “A
capoeira, como arte, como instrumento de defesa, é a luta própria do Brasil”18.
Apesar do “desaparecimento” da capoeira no Rio de Janeiro do final do século XIX
e início do XX, um mestre de capoeira paulista, conhecido como Sinhozinho, apelido de
Agenor Moreira Sampaio, manteve uma academia em Ipanema, entre os anos de 1920 e
1960. Nela, eliminou o canto e os instrumentos musicais, preocupando-se apenas com as
questões física e marcial. À maneira de Mestre Bimba, sem que nunca o tivesse conhecido,
misturou a capoeira que aprendeu nas ruas à luta greco-romana e ao boxe.
Conforme explicou Muniz Sodré: “É que, no Rio da década de 1920, como já se
encontrava praticamente extinta a perigosa técnica de luta das maltas, restava o
aproveitamento ginástico ou pugilístico (regrado, controlado por academia) da velha
capoeiragem por jovens bem-nutridos da alta classe média”. Confirmando essa tendência,
“surgiu, em 1928, no Rio de Janeiro, um Manual de gymnastica national (capoeiragem)
methodizada e regrada, escrito por Annibal Burlamaqui, o Zuma nas rodas de capoeira”19.
Essa nova visão da capoeira nos quadros da sociedade urbana da capital revela que,
junto com a ampliação dos espaços onde a capoeira pôde ser praticada, ocorreu um
processo de socialização altamente marcado pela versão mais atlética e esportiva que, nas
décadas de 1920 e 1930, autores como Coelho Neto e Mello Moraes Filho afirmavam como
projeto.
Na Bahia, o período mais estudado e documentado, de maneira ordenada, é o da
República Velha, mais precisamente entre os anos de 1890 e 1930.20 Até pouco tempo, as
únicas fontes históricas sobre a capoeira baiana no século XIX eram as crônicas escritas por
18 MORAES FILHO, Mello. “Capoeiragem e Capoeiras Célebres”. In: Festas e Tradições Populares no
Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia/São Paulo: EDUSP, 1979. p. 263.
19 SODRÉ, Muniz. Mestre Bimba: corpo de mandinga. Rio de Janeiro: Manati, 2002. p.62.
20 Ver PIRES, Antônio Liberac C. S. Bimba, Pastinha e Besouro de Mangangá. Três personagens da
capoeira baiana. Tocantins/Goiânia: NEAB/Grafset, 2002 e A capoeira na Bahia de Todos os Santos. Um
estudo sobre cultura e classes trabalhadoras (1890-1937). Tocantins/Goiânia: NEAB/Grafset, 2004. DIAS,
Adriana Albert. Mandinga, Manha & Malícia - uma história sobre os capoeiras na cidade da Bahia
(1910/1925). Salvador: Edufba, 2006. e “Os ‘fiéis’ da navalha: Pedro Mineiro, capoeiras, marinheiros e
policiais em Salvador na República Velha.” Revista Afro-Ásia, Salvador: CEAO, n.32, 2005. OLIVEIRA,
Josivaldo Pires de. No tempo dos valentes: os capoeiras na cidade da Bahia. Salvador: Quarteto, 2005.
20
Manuel Querino e Antônio Vianna, relatos de viajantes estrangeiros, algumas poucas
notícias de jornal, a tradição oral e a gravura San Salvador, de Rugendas. Ao contrário da
capoeira do Rio de Janeiro, que possui uma grande documentação referente a este período e
que já foi bastante estudada, o universo da capoeiragem da Bahia no século XIX é
permeado de mitos, fantasias, muitas suposições e alguns documentos. Mesmo assim, aos
poucos, o mosaico de peças que compõe a capoeira baiana do tempo dos escravos vai sendo
montado.
Manuel Querino, negro, baiano, nascido em meados do século XIX, deixou muitas
pistas aos estudiosos sobre o assunto. Pode ser considerado o precursor dos estudos sobre o
tema21. Registra cantigas, golpes, instrumento musical, gírias, indumentárias, costumes,
cismas, rixas, ritos, ocasiões e lugares dos conflitos, além de apontar as diferentes
finalidades que eram atribuídas à capoeira, como esporte, luta e folguedo. Através dele,
sabe-se que, desde aquele período, o jogo era praticado por diferentes grupos sociais.
Querino relata também o envolvimento dos capoeiras com a capangagem eleitoral e a
participação dos mesmos na Guerra do Paraguai. A capoeira relatada e interpretada por ele
aparece com diferentes significados, conflito e brincadeira, dança e luta, presente no mundo
da festa, da política e das ruas. Quanto à origem da luta, ele a atribui ao “Angola”, “typo
completo e acabado do capadócio”, “introdutor da capoeiragem na Bahia”22.
Antônio Vianna, a outra fonte primordial sobre este tema, que vivenciou desde
menino aspectos da capoeira baiana, registra em suas crônicas ricas e importantes
descrições sobre a cultura da capoeiragem, indumentárias, instrumentos, cantigas, golpes,
ampliando o volume de informações anteriormente apontadas por Querino.
Antônio Vianna mostra a influência da luta greco-romana sobre a capoeira. Narra
ainda aspectos do cotidiano dos capoeiras: valores, armas usadas, lugares por eles
freqüentados, hábitos alimentares, cismas, brigas entre capoeiras, e os conflitos entre estes e
a polícia. Ao citar a figura de Lamite, capoeirista tido como um valentão, o autor coloca em
21 Ver QUERINO, Manuel. Bahia de outrora. Salvador: Progresso, 1955 e Costumes africanos no Brasil.
Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 1988.
22 QUERINO, Manuel. Costumes africanos no Brasil. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora
Massangana, 1988. p.73.
21
evidência algumas táticas dos capoeiras usadas para conquistar autonomia territorial e
armar redutos para a prática da sua arte 23. Em Vianna, também se encontra uma das raras
descrições de batuque (luta), em que aparece a sua interface com a capoeira. Seus registros
recaem, mais freqüentemente, nos ambientes de festa, trabalho e conflito que aconteciam na
região portuária, em especial no Cais Dourado, por ele destacado como uma das principais
zonas da capoeiragem entre o final do século XIX e início do XX. Além disso, ele já revela
o preconceito social em relação ao capoeira.
Seguindo as pistas deixadas por Querino e Vianna, Antônio Liberac foi o primeiro a
estudar sistematicamente a capoeira baiana do século XIX. No início de sua pesquisa,
Liberac, que já havia estudado a capoeira no Rio de Janeiro, vasculhou centenas de
registros de entrada de presos na Casa de Detenção da cidade de Salvador, mas, ao
contrário das fontes jurídico-policiais por ele encontradas na sua investigação sobre o Rio
de Janeiro, em Salvador, não localizou na documentação sequer uma menção aos
capoeiras24. Por esse motivo, para identificar seus sujeitos, o autor rastreou, na imprensa da
época e nos processos-crimes consultados, os termos “capadócio”, “valentões”, “bambas”,
“navalhistas”, “cabeçada”, “rasteira”, “ponta-pé”, “vadiação”, “rabo de arraia”,
“berimbau”, entre outros que, segundo ele, faziam parte da cultura da capoeiragem, uma
vez que a palavra capoeira aparecia muito raramente nesta documentação e nem sempre
como sinônimo de jogo/luta propriamente dito.
O objetivo do autor era fazer uma análise comparativa entre as capoeiras carioca e
baiana de 1890 a 1950. Uma das suas conclusões é a de que a capoeira da Bahia, embora
não tenha tido a mesma visibilidade histórica que a do Rio de Janeiro, certamente fez parte
do universo cultural da sociedade soteropolitana do século XIX.
Pela nova documentação apresentada por Liberac, é possível visualizar a presença
da capoeira baiana na cultura de rua de Salvador, onde se destaca como uma arma eficiente
23 Ver VIANNA, Antônio. Casos e coisas da Bahia. Salvador: Fundação Cultural do Estado da Bahia, 1984 e
Quintal de Nagô e outras crônicas. Salvador. Centro de Estudos Baianos, UFBA, 1979.
24 Ver PIRES, Antônio Liberac C.S. Movimentos da Cultura Afro-Brasileira: a formação histórica da
capoeira contemporânea (1890-1950). Campinas/SP: tese de doutorado, Instituto de Filosofia e Ciências
Humanas da Universidade Estadual de Campinas, 2001 e Capoeira no jogo das cores: criminalidade, cultura
22
nos conflitos corpo a corpo com os agentes policiais. Constatou, através de queixas e
reclamações dos jornais, a vigência do preconceito social e racial em relação à capoeira,
assim como acontecia com outras manifestações afro-descendentes. Observou que, na
imprensa baiana, o candomblé, a capoeira e o samba muitas vezes eram encontrados
estreitamente interligados no universo de um mesmo indivíduo. E, embora confirme que a
capoeira fazia parte principalmente do universo popular masculino, mostra que, já neste
período, existiam pessoas da elite e também mulheres pobres que dominavam os códigos da
capoeiragem.
Recentemente, Frede Abreu, dando continuidade ao estudo realizado por Liberac,
escreveu um livro no qual amplia o volume de documentação sobre o tema, incluindo novas
notícias de jornais, processos crimes, relatos de viajantes estrangeiros, memórias e algumas
imagens de época25. O autor dialoga com diferentes estudiosos da escravidão na Bahia (e
no Rio de Janeiro), buscando as pistas por eles deixadas sobre a capoeiragem baiana.
Também relativiza a capoeira enquanto fenômeno exclusivamente urbano, uma vez que
fotografias e gravuras da capital da Bahia do século XIX mostram que, embora Salvador
fosse um núcleo urbano desenvolvido, possuía amplas áreas de mata.
No entanto, grande parte da documentação apresentada no livro se restringe à zona
urbana, na qual ele destacou, em especial, a interface da capoeira com o mundo do
trabalhador de rua, principalmente dos carregadores, ocupação exclusiva de negros neste
período. Percebeu que o rito dos trabalhadores na Bahia de carregar peso, descrito por
alguns viajantes estrangeiros, tinha várias semelhanças com o ritual da capoeira. Em ambos
há uma combinação de três elementos básicos: música, dança e esforço físico,
indispensáveis para a realização das duas atividades. Dessa forma, Frede suspeita que “a
cadência dos passos dos carregadores da Bahia tenha se figurado nos passos da capoeira”,
da mesma maneira que, anteriormente, diferentes autores suspeitaram que a marcha rancho
do carnaval carioca tenha sido prefigurada na cadência dos passos dos carregadores de café
e racismo na cidade do Rio de Janeiro (1890-1937). Campinas/SP: dissertação de mestrado, Departamento de
História da Unicamp, 1996.
25 Ver ABREU, Frederico José de. Capoeiras – Bahia, século XIX: imaginário e documentação, vol I,
Salvador: Instituto Jair Moura, 2005. É importante ressaltar que, segundo o autor, há em seu acervo mais
documentos referentes à capoeira baiana deste período que não foram inseridos neste livro.
23
no Rio de Janeiro26. Ainda sobre a imbricação da capoeira no universo das ruas, o autor
revelou que o cancioneiro da capoeira se enriqueceu dos cantos de trabalho e que o
trabalhador de rua, em momentos lúdicos e de conflitos, também se utilizava dos golpes e
movimentos da capoeira.
No seu livro, Abreu torna conhecidos alguns nomes de capoeiras do século XIX,
dentre eles, João Pernambucano, Marcus Rabeca, Celestino Estivador, Domingos,
Alexandre Evaristo e Manuel dos Passos Ramos. Mostra que muitos locais e ocasiões de
prática de desordem divulgados pelos jornais eram também espaços de capoeiragem. Neste
período, é fato conhecido que homens do povo (maioria negra), fossem eles desordeiros ou
não, eram recrutados à força pelas autoridades policiais para servir à Marinha de Guerra
Brasileira e ao Exército, como forma de punição. Alguns escravos também se alistavam
voluntariamente nestas instituições militares, como meio de conseguir a liberdade. Através
da localização de alguns processos livres e coercitivos de recrutamento de capoeiras para as
forças armadas e para a Guerra do Paraguai, observou-se ainda que os capoeiras baianos
não escaparam dessa prática corrente, o que confirma o relato de Manuel Querino. Nesta
época, a capoeiragem já se constituía uma atividade popular muito apreciada por parte da
população baiana e fazia parte do cotidiano das ruas da cidade de Salvador, atraindo
também a atenção da juventude, o que era motivo de preocupação para as autoridades.
A República Velha foi a época privilegiada pelos estudos históricos sobre a capoeira
baiana na cidade de Salvador. Os caminhos de pesquisa trilhados por seus primeiros
estudiosos foram diferentes dos passos de investigação dados pelos principais historiadores
da capoeira carioca. É que no Rio de Janeiro, a criminalização da capoeira pelo famoso
artigo 402, no ano de 1890, produziu uma série de documentos que até hoje não foram
localizados na Bahia. Assim, Antônio Liberac, com a experiência adquirida na sua pesquisa
sobre a capoeira carioca, buscou localizar os capoeiras nos processos-crimes referentes ao
artigo 303, que tratava dos crimes por lesão corporal, e conseguiu reunir 92 processoscrimes,
entre os anos de 1890 e 1930, encontrados através dos nomes mencionados pela
tradição oral e dos elementos que, de acordo com o autor, faziam parte da cultura da
capoeiragem.
26 ABREU, Frederico José de. Op. Cit. p.95.
24
Os demais historiadores deste tema, Adriana Albert e Josivaldo Oliveira, dando
continuidade aos estudos sobre o assunto, privilegiaram a imprensa baiana como fonte de
pesquisa, especificamente a coluna policial, onde estavam localizadas as notícias de
desordens. Em algumas delas, era explícita a referência ao capoeira em função do uso da
própria palavra “capoeira” ou de termos diretamente relacionados a ela. Na maioria das
notícias levantadas, os capoeiras não eram diferenciados dos demais indivíduos. Pois todos
eram chamados de forma generalizada de “desordeiros”, “capadócios”, “valentões”, etc27.
O desafio para penetrar no universo da capoeira baiana era, portanto, grande.
Mas, graças aos manuscritos do Mestre Noronha e ao livro do Mestre Pastinha, foi
possível seguir os passos desses capoeiras pelas ruas de Salvador. Suas memórias foram
pontos de partida desses novos estudos, na medida em que esses mestres registraram nomes
e apelidos dos capoeiras referentes ao período enfocado e alguns fatos de suas vidas que
permitiram identificar nos jornais da época mais de 115 notícias envolvendo capoeiras.
Além disso, nessas duas fontes, aparecem ocupações, manias, cismas, costumes, locais e
ocasiões de capoeira, e uma série de outras informações. Por isso, devem ser consideradas
essenciais para a construção da história da capoeira baiana na época28.
Os estudos revelam que os capoeiras não eram um bando de vadios e vagabundos,
como escreviam os jornalistas da época, sendo grande parte deles trabalhadores. Contudo,
assim como a maioria da população soteropolitana29, os capoeiras eram trabalhadores de
rua, viviam de ocupações esporádicas e intermitentes. Ou seja, tinham um ritmo de trabalho
bastante irregular, o que lhes proporcionava períodos de ociosidade, entremeados por
momentos de diversão. Mesmo sendo trabalhadores, os capoeiras também podiam ser
desordeiros, uma vez que muitos deles simplesmente viviam no mundo das ruas, batiam
tambor, jogavam capoeira e algumas vezes até matavam. Em síntese, transgrediam os
padrões e as regras da ordem pública.
27 Capadócio é “o indivíduo que se dá ares de importância nos modos e nas falas para enganar os outros;
espertalhão, finório, velhaco”. Ver: SILVA, Antonio de Moraes. Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de
Janeiro: Editora Empresa Literária Fluminense de A. A. da Silva Lobo, 1890. p. 403.
28 Ver COUTINHO, Daniel (Noronha). O ABC da Capoeira Angola: os manuscritos de Mestre Noronha.
Brasília: DEFER/CIDOCA, 1993. PASTINHA, Mestre. A Herança de Mestre Pastinha: manuscritos e
desenhos. Estatutos do Centro Esportivo de Capoeira Angola Coleção São Salomão 2, s/d e Capoeira
Angola. Salvador: Fundação Cultural do Estado da Bahia,, 1988.
25
A maioria dos capoeiras dessa época trabalhava como carregador e estivador,
atividades muito ligadas à região portuária. Outros eram carroceiros, peixeiros, marítimos,
engraxates, pedreiros, marceneiros, chapeleiros, donos de botecos e casas de jogo,
vendedores ambulantes, leões de chácara e também policiais.
Além do padrão ocupacional apresentado, esse volume de documentação permitiu a
construção do perfil dos capoeiras desta época. A maioria deles possuía apelido, nasceu
entre as últimas décadas do século XIX e os primeiros anos do século XX, quase todos no
estado da Bahia, com maior incidência em Salvador e no Recôncavo Baiano. Com relação
ao grau de instrução, a maior parte dos capoeiras era analfabeta e quanto à ocupação, como
já foi dito, muitos realizavam trabalho braçal, principalmente na região portuária.
Constatou-se também que grande parte dos capoeiras em Salvador era de cor negra,
embora, desde o século XIX, alguns códigos culturais da capoeiragem já tivessem se
expandido para o universo de diversos segmentos sociais, inclusive da elite e da juventude
baiana. Durante a República Velha, a capoeiragem baiana era uma manifestação de rua,
afro-descendente, e muitos dos seus praticantes tinham ligações com candomblé, samba e
batuque. O vínculo entre os capoeiras e essas práticas podia se originar na própria família,
no ambiente de trabalho, ou também nas festas populares.
No contexto da República Velha, as elites baianas sonhavam em transformar a
capital da Bahia numa metrópole moderna e civilizada, aos moldes da sociedade européia.
Para isso, acreditavam ser necessário reformar a arquitetura da cidade, e mais do que isso, o
que se pretendia era “desafricanizar as ruas”30, ou seja, erradicar de Salvador todos os
hábitos e costumes do povo que lembrassem a África. Grande parte da população
soteropolitana era composta por negros e mestiços, e o cotidiano da cidade era marcado por
diversas manifestações da cultura negra. Com o movimento pretendido de reforma e
higienização do espaço urbano, multiplicaram-se as reclamações moralistas da imprensa e
se acirrou a repressão policial contra tais práticas culturais. Portanto, não é de se
surpreender que, nesta época, uma boa parte das camadas populares soteropolitanas, fosse
29 CASTELLUCCI, Aldrin A. Silva. Salvador dos Operários: uma história da Greve Geral de 1919 na
Bahia. Salvador: Dissertação de Mestrado, UFBA, 2001, p.18.
30 A expressão é de FILHO, Alberto Heráclito Ferreira. “Desafricanizar as ruas: elites letradas, mulheres
pobres e cultura popular em Salvador (1890-1937)”. Revista Afro-Ásia. Salvador: CEAO, n. 21-22, 1998/9.
26
ela desordeira de fato ou não, tivesse sua vida marcada por recorrentes confrontos com a
lei.
Com os capoeiras não podia ser diferente. Uma característica que marcava
fortemente o cotidiano dos capoeiras eram os freqüentes conflitos com a polícia. Todavia, o
que os demais estudos históricos já citados mostram é que esses indivíduos não só
entravam em conflito com a polícia, como também brigavam com outros capoeiras,
trabalhadores, desordeiros e às vezes agrediam mulheres, inclusive suas próprias
companheiras. Muitas dessas brigas envolvendo capoeiras foram registradas na imprensa
baiana. Algumas delas viraram ‘caso de justiça’, e os capoeiras responderam processo por
desordem ou por lesão corporal.
Estas notícias, alguns processos-crimes e o seu cruzamento com as crônicas e a
tradição oral - que registraram os principais pontos da cidade e ocasiões de capoeira -
possibilitaram que os estudiosos da capoeiragem baiana do começo do século XX
traçassem a geografia da capoeira na cidade de Salvador.
Das vinte freguesias que compunham a cidade de Salvador, três se destacaram como
áreas de maior concentração de capoeiras, a seguir apresentadas em ordem decrescente: o
Pilar, que ficava na Cidade Baixa, e a Sé e a Rua do Paço, que ficavam na Cidade Alta.
Estas freguesias eram relativamente próximas e possuíam algumas características em
comum que explicam porque os capoeiras se encontravam nelas. Eram áreas de trabalho
por estarem próximas ao porto e ao bairro comercial, local de moradia de muitas famílias
pobres e ambiente de diversão para as camadas populares em função das casas de jogo,
botequins, vendas e zonas de prostituição nelas localizadas.
Essa proximidade do ambiente de trabalho e de vadiagem, onde a “ordem” e a
“desordem” se misturavam, fazia com que essas freguesias fossem consideradas como
zonas perigosas, principalmente à noite, quando o comércio fechava suas portas e as ruas
eram ocupadas por indivíduos chamados de vadios e vagabundos, conforme o “conceito”
policial e de imprensa da época31.
31 Vale lembrar que desde o final do século XIX, o termo “vadio” era usado tanto para se referir àqueles que
não tinham trabalho, como para designar todos os que viviam de ocupações esporádicas. A palavra vadiação
27
Dentro dessas três freguesias ficavam a ladeira do Tabuão, a Baixinha, a Baixa dos
Sapateiros, o Terreiro de Jesus, o Cruzeiro de São Francisco, a rua do Saldanha, a praça
Castro Alves e o Cais Dourado, conhecidos como tradicionais pontos de capoeiragem desde
o século XIX32. Nestes locais, formou-se uma importante geração de capoeiras que,
posteriormente, tornaram-se célebres: Onça Preta, Noronha, Pastinha, Bimba, Cobrinha
Verde, Maré e Livino Diogo.
É importante destacar que em todos os locais acima citados a capoeira se
manifestava de diversas formas e não apenas como arma de conflito, como em geral era
descrita nos jornais. Nesta época, “a capoeira era também um tipo de divertimento popular,
uma brincadeira, e tinha muitos significados. Luta em diferentes situações, brincadeira de
rua realizada nas folgas do serviço, nas festas de largo e até mesmo durante o trabalho” 33, o
que aponta certa continuidade entre a capoeiragem oitocentista e a capoeira republicana em
Salvador.
As festas populares da Bahia ficaram tradicionalmente conhecidas como ocasiões
em que os capoeiras se reuniam para fazer sua brincadeira. Tudo indica que foi
especialmente no ambiente da festa que a capoeira foi conquistando seu espaço na
sociedade soteropolitana. Muitas delas são lembradas por Mestre Noronha em seus
manuscritos, porque ele e outros mestres tinham por costume realizar, nessas ocasiões, uma
“grande roda de capoeira”34.
Todavia, mesmo quando praticada como forma de brincadeira, nas festas populares
ou durante o trabalho, a capoeira era vista com maus olhos pela imprensa baiana. E apesar
de processos por crime de capoeiragem não terem sido encontrados nos arquivos de
Salvador, os capoeiras podiam ser presos simplesmente por estarem realizando o jogo.
também qualificava as brincadeiras, jogos e divertimentos de rua cultivados pelo povo e repudiados pelos que
sonhavam com uma população que vivesse disciplinadamente pelos supostos padrões europeus.
32 Cais Dourado designava toda a região onde estava situada a Praça do Ouro, com vários botequins e o
Mercado do Ouro - importante espaço do comércio ambulante e de venda de produtos em atacado,
especialmente farinha de mandioca e açúcar.
33 DIAS, Adriana Albert. A malandragem da mandinga: o cotidiano dos capoeiras em Salvador na República
Velha (1910-1925). Salvador, Dissertação de Mestrado, UFBA, 2004. p.44.
34 COUTINHO. Op. Cit. pp.19 e 21.
28
Pode-se afirmar que a República Velha foi o momento de maior turbulência da
capoeira baiana e também de maior repressão policial, que atingiu não só a capoeira como
os terreiros de candomblé e o samba. Neste processo, os historiadores da capoeira baiana
destacaram duas autoridades policias: o chefe de polícia Álvaro Cova e o famoso delegado
Pedro Gordilho, popularmente conhecido por Pedrito, ambos perseguidores dessas
manifestações.
Por outro lado, nem sempre capoeiras e policiais estavam em posições opostas. Uma
característica forte da capoeiragem baiana na República Velha, como acontecia no Rio de
Janeiro da época do Império, é a sua relação com a capangagem política, o que fica bastante
em evidência em todos os estudos realizados sobre ela e que também ficou registrado na
tradição oral. Na Bahia, os capoeiras Inocêncio Sete Mortes, Estevinho, Duquinha, Samuel
da Calçada, Sebastião de Souza e Pedro Mineiro, entre outros, atuaram como capangas. Em
troca dos favores prestados, recebiam proteção policial e, por isso, suas práticas de
desordem eram toleradas.
Recife também teve capoeiristas valentes que se tornaram lendários, como
Nascimento Grande, Adama, Chico Cândido, Antonio Florentino e muitos outros. Como no
Rio de Janeiro, a capoeira pernambucana sofreu forte repressão, defrontando-se com o
estigma do crime e da marginalidade. Por outro lado, os capoeiras recifenses também
estiveram envolvidos na capangagem eleitoral e na proteção de figuras políticas, bem como
na constituição da Guarda Negra e na campanha do Paraguai. No que se refere ao carnaval,
há ainda mais um paralelo com a história da capoeira no Rio de Janeiro: se a ginga dos
capoeiristas influenciou o carnaval carioca, através da dança do mestre-sala e portabandeira,
no carnaval de Pernambuco, sua presença é ainda mais ostensiva, já que os
capoeiras foram os criadores do passo do frevo no carnaval35.
Apesar de sua importância histórica, poucos são os estudos e pequeno o
levantamento bibliográfico e documental existente sobre a capoeira em Recife. Mesmo
assim, o reconhecimento da influência da capoeira na cultura urbana da capital de
Pernambuco é um fato. Mas é uma trajetória ainda pouco conhecida, se compararmos ao
que já tem sido levantado há algum tempo por pesquisas em torno do Rio de Janeiro e de
35 Ver OLIVEIRA, Valdemar de. Frevo, capoeira e passo. Recife: Companhia Editora de Pernambuco, 1985.
29
Salvador. Enquanto estas cidades já possuem um acervo significativo de histórias e
personagens, a crônica da capoeira no Recife permanece um campo relativamente restrito
em referências detalhadas sobre o cotidiano dos capoeiristas ao longo da história e de sua
presença viva nos espaços da cidade.
As indicações existentes na bibliografia consultada revelam, sobretudo, a relação
dos antigos capoeiras com as rivalidades entre as bandas de música nos primórdios do
carnaval e com a origem do “passo”. A maioria das referências sobre o passado dos
capoeiras nessa cidade refere-se à sua presença no carnaval de rua. A freqüência de libertos
e escravos de ganho nos “clubes pedestres”, durante a segunda metade do século XIX,
sugere que a experiência urbana da escravidão no Império é um traço inseparável da
história da capoeira no Recife.
Gilberto Freyre reproduz uma imagem típica e muito divulgada da ação fatal dos
capoeiras na cidade do Recife:
Às vezes havia negro navalhado; moleque com os intestinos de fora
que uma rede branca vinha buscar (as redes vermelhas eram para os
feridos; as brancas para os mortos). Porque as procissões com banda de
música tornaram-se o ponto de encontro dos capoeiras, curioso tipo de
negro ou mulato da cidade, correspondendo ao dos capangas e cabras dos
engenhos. O forte do capoeira era a navalha, ou a faca de ponta; sua
gabolice, a do pixaim penteado em trunfa, a da sandália na ponta do pé
quase de dançarino e a do modo desengonçado de andar. A capoeiragem
incluía, além disso, uma série de passos difíceis e de agilidades quase
incríveis de corpo, nas quais o malandro de rua se iniciava como que
maçonicamente36.
Nessa descrição, Gilberto Freyre reproduz as principais linhas que, ainda hoje,
configuram o perfil dos antigos bravos e valentes: sua atuação junto às bandas de música
nas procissões e festas de rua, seu caráter urbano e sua ligação com a malandragem e o
crime. Mas é principalmente através da história do carnaval que a memória da capoeira
antiga do Recife se constrói. A referência às primeiras corporações de ofício, formadas por
carregadores do porto, nas origens dos “clubes de rua” confirma essa característica e
36 FREYRE, Gilberto. Sobrados e Mucambos. São Paulo: Global Editora, 2006. pp. 150-151.
30
aproxima a capoeira do Recife dos primeiros folguedos urbanos. Os desfiles das
corporações reuniam trabalhadores de diversos ramos que batizariam os primeiros clubes.
Katarina Real37 nos dá notícia de alguns desses clubes, intimamente associados aos laços de
ofício entre trabalhadores urbanos já no final do século XVIII: clube dos Ferreiros, dos
Vasculhadores, dos Espanadores e outros, prosseguindo a prática daquelas corporações que
empunhavam seus estandartes e “marchavam” pelas ruas no Corpus Christi e nas Festas de
Reis, envolvendo a massa de trabalhadores pobres, entre os quais destacavam-se,
justamente, os libertos e descendentes de escravos. A tradição dos dois grandes rivais, o
clube das Pás e o Vassourinhas, também traz a marca dessa origem.
Pereira da Costa38, em um estudo publicado na Revista do IHGB, refere-se à
presença das bandas militares naqueles desfiles do século XVIII e, neles, à atuação dos
capoeiras. O autor lembra de “duas excelentes bandas de música, que pelo ano de 1856,
existiam entre nós”: a do “quarto batalhão de artilharia” e uma outra, pertencente a “um
corpo da Guarda Nacional”, formando “dois partidos de capoeiras que eram violentos
rivais, o Quarto, que apoiava o 4° Batalhão, e o Hespanha, que apoiava a banda da Guarda
Nacional”. Pereira da Costa lembra ainda que tal rivalidade encerra-se com a ida do Quarto
para a Guerra do Paraguai, em 1865. Esses dois partidos reproduziam a rivalidade entre as
bandas de música, cujo encontro resultava em lutas e hostilidades entre os grupos de
capoeiristas que as acompanhavam. Essa realidade, muito semelhante à das maltas do Rio
de Janeiro junto às bandas militares durante a segunda metade do século XIX, prolonga-se
pelo Carnaval dos clubes pedestres do início do século XX e, nesse percurso, mistura-se ao
variado repertório do Carnaval de Recife. Pereira da Costa registra, inclusive, os versos de
hostilidade que bramavam entre si os “bravos”, enfrentando-se à saída das bandas:
“Viva o Quarto,
Fora o Espanha!
Cabeça Seca
É que apanha!”
37 REAL, Katarina. O Folclore no Carnaval de Recife. Rio de Janeiro: MEC, 1967.
38 PEREIRA DA COSTA, Francisco Augusto. Folclore Pernambucano: Subsídios para a História da Poesia
Popular em Pernambuco. Separata da Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Tomo LXX. Rio
de Janeiro, 1908.
31
Ou esses:
“Não venha,
chapéu de lenha!
Partiu,
Caiu,
Morreu,
Fedeu!”
Mário Sette também dá testemunho da onipresença da capoeira nos folguedos
urbanos de Recife:
Saísse uma música para uma parada ou uma festa e lá estavam
infalíveis os capoeiras à frente, gingando, piruetando, manobrando
cacetes e exibindo navalhas39.
Dessa participação dos capoeiras na folia das ruas nasceria o passo característico da
coreografia que acompanha a música do frevo. Essa conhecida relação da capoeira com o
passo, remetendo às raízes do frevo, nasce, então, nos “partidos” de capoeira que
acompanhavam as bandas militares durante os desfiles dos clubes pedestres. Katarina Real
observa em seu estudo que essas origens do passo possuem uma história em comum com o
processo de aclimatação de manifestações africanas observado também no Rio de Janeiro:
As origens dos passos do frevo vêm diretamente da capoeira de angola
trazida ao Brasil pelos negros angolenses, dança guerreira na sua forma
original que produziu não somente o passo como também a pernada
carioca40.
Outro parentesco facilmente identificável entre a história da capoeira nas duas
cidades se refere à atuação dos capoeiristas na política partidária do século XIX. Mário
Sette menciona o prestígio que muitos “bravos” adquiriam através de suas relações com
figuras da política, para quem serviam de capangas eleitorais:
39 SETTE, Mário. Maxambombas e Maracatus. Recife: Fundação de Cultura da Cidade do Recife, 1981. p.
87.
40 REAL, Katarina. Op.Cit. p.27.
32
Os capoeiras, em regra, pertenciam a este ou aquele figurão dos
tempos. Nos dias de eleição retribuíam com serviços valiosos a proteção e
a impunidade41.
Entre esses “bravos” da capoeiragem o memorialista cita João Sabetudo e o lendário
Nascimento Grande, lembrado por Gilberto Freyre42 como exemplo dos elementos ligados
à capoeira que, muitas vezes, contribuíam ou negociavam com o sistema político. Nos dois
registros, o personagem da capoeira pernambucana assume uma posição análoga à que, na
crônica da capoeira carioca, os membros das maltas desempenhavam no Rio de Janeiro. Tal
semelhança não passou despercebida por Mario Sette, conforme demonstra a passagem
abaixo:
Do começo foram os capoeiras a modalidade mais ágil e pública dos
valentes. A capoeiragem no Recife, como no Rio antigo, criou tais raízes
que se julgava um herói sobrenatural quem tivesse forças para acabar com
ela43.
A progressiva criminalização da capoeira, na cidade do Recife, acompanha as
práticas de normatização do espaço e de perseguição aos “bravos” e “valentes” que também
se observa nas outras grandes capitais da Primeira República, a partir de 1890. Como
afirma Evandro Rabello, os códigos de postura decretados pela administração municipal,
naquele contexto, faziam proibir a aglomeração de ex-escravos e demais elementos ligados
às práticas culturais afro-brasileiras em locais públicos. Na capital federal, esse momento
tem no chefe de polícia Sampaio Ferraz, nomeado por Deodoro da Fonseca, um símbolo
extremo da política de perseguição e deportações que se abateram sobre os capoeiristas nas
cidades.
Após recordar antigos capoeiras recifenses de renome – além de Nascimento
Grande, Chico Cândido, Amaro Preto, Sabe Tudo, José Siri e outros –, Valdemar de
Oliveira lembra que, em Pernambuco, a caçada à capoeira nos primeiros tempos da
República também teve seus representantes. Entre eles, destaca-se a figura de Santos
41 SETTE, Mário. Op.Cit. p. 87.
42 FREYRE, Gilberto. Op.Cit. p. 650.
33
Moreira, principal responsável pela série de deportações, desterros e extermínio de
numerosos capoeiristas durante a República Velha.
Havia de chegar a vez de todos eles. O Chefe da Polícia do governo
Sigismundo Gonçalves, o desembargador Santos Moreira, segue o
exemplo de Sampaio Ferraz: manda alguns para o cemitério (‘por terem
reagido à prisão’), outros para a Detenção, os mais temíveis para
Fernando. Das ruas cada vez mais bem iluminadas do Recife (até isso
teria concorrido para o progressivo extermínio dos desordeiros), foram
desaparecendo, pouco a pouco, os brabos44.
Note-se que, durante a crise final do Império, vinha ocorrendo um aumento da
visibilidade dos capoeiras após a Guerra do Paraguai, com a formação da Guarda Negra e a
presença difusa de libertos que participaram do conflito, pelas capitais, provocando uma
transformação no estatuto daqueles “homens de cor” que, em parte, ficavam investidos de
uma nova identidade social. Estabelecendo um paralelo com a reflexão de Carlos Eugênio
Líbano Soares sobre a condição dos capoeiras no Rio de Janeiro oitocentista, Evandro
Rabello45 sugere que os “capoeiras-soldados” do Recife estiveram à frente das primeiras
manifestações públicas envolvendo a prática da capoeiragem, liderando as disputas entre os
clubes e agremiações carnavalescas como também os conflitos em que envolviam partidos
e tendências políticas rivais. A mobilidade social dos libertos que assumiam alguma
posição no exército e na polícia correspondia a sua liderança nos partidos de capoeira que
se enfrentavam em torno das bandas ou nas disputas eleitorais. Assim, a presença ambígua
dos capoeiristas de Recife nas fileiras do exército fazia-os assumir um papel importante
para a visibilidade da capoeira nas ruas. Evandro Rabello chama a atenção para esse
aspecto, demonstrando que essa inserção dos capoeiras nas forças oficiais poderia assumir
um sentido inusitado e estratégico para garantir a continuidade daquela tradição:
Registros jornalísticos demonstram a presença ativa de soldados
fardados exibindo-se publicamente nas rodas de capoeiragem. Esses
43 SETTE, Mário. Op.Cit. p. 86.
44 OLIVEIRA, Valdemar de. Op. Cit. p. 89.
45 RABELLO, Evandro. Memórias da Folia: o carnaval do Recife pelos olhos da imprensa. Recife:
Funcultura, 2004. pp. 30-31.
34
capoeiras fardados sentiam-se mais protegidos das investidas repressoras
da polícia, já que os próprios soldados do exército, quando envolvidos em
desordens, recusavam-se a aceitar a autoridade da polícia provincial46.
Rabello faz uma compilação de matérias do Diário de Pernambuco e do Jornal
Pequeno em torno do carnaval. Em algumas dessas matérias, aparece a conhecida imagem
do capoeira marginal e desordeiro, envolvido em assassinatos e brigas, como justificativas
para medidas repressivas em nome da “pacificação” dos desfiles. Assim, em matéria de
1923, o Jornal Pequeno noticiava o aparecimento de um bloco carnavalesco que,
supostamente, fazia renascer a personagem do capoeira como vândalo. Aos olhos do autor
anônimo da matéria, essa categoria de bravos parecia ter sumido com a introdução da
cavalaria da polícia no acompanhamento dos cordões. Diz o jornal:
A essas exibições públicas que, pela impropriedade nada tinham de
carnaval, deu o nosso povo a denominação de frevo.
Sempre que esses cordões saíam à rua, precedidos de numerosa
orquestra ou fanfarra, arrastavam um grande acompanhamento, em que
predominavam tipos afeitos a desordens, capoeiras profissionais, enfim,
elementos da pior espécie. Por isso mesmo, registravam-se no mais aceso
dos frevos, cacetadas, facadas, bofetadas e até mortes.
Quando as desordens não eram provocadas por velhas rixas de foliões,
provocavam-nas os tipos de maus instintos.
Daí a providência da polícia fazendo acompanhar os clubes nesses
passeios por patrulhas de cavalaria.
Ontem, à noite, porém, surgiu na cidade inesperadamente uma troça,
cordão ou bloco que tomou o nome pouco significativo de Braço é braço.
E depois de andar, acima e abaixo, azucrinando os ouvidos e
interrompendo a normalidade da vida citadina, lá pelos lados de S. José,
valente-capoeira recordando os velhos tempos disparou para o ar a sua
respeitável pistola. Foi o bastante para fechar o tempo...
Para que os desordeiros de ofício não escapassem ao castigo, fez-se
necessário que a cavalaria entrasse em cena e mostrasse que a divisa de
46 Idem.
35
tal clube não estava certa. Nem sempre braço é braço. Às vezes, braço... é
espada.47
A produção desse estigma em torno da figura do capoeirista, atribuindo-lhe a
responsabilidade pela “desordem”, é o tom geral dos artigos sobre o carnaval, que se
referem à capoeira, compilados no livro de Rabello. O dado da cavalaria, tema comum nas
histórias de perseguição da polícia a capoeiristas, remete à observação de Gilberto Freyre
sobre a repressão às manifestações públicas de ex-escravos e da faixa mais pobre da
população, que abrigava a maioria dos capoeiras: “Só brancos, soldados ou fidalgos
feudalmente a cavalo faziam fugir moleques afoitos, capoeiras desembestados, capadócios
atrevidos. Veio até quase nossos dias o prestígio do simples grito ‘lá vem a cavalaria!’, isto
é, a tropa a galope, fazer dispersarem-se desordeiros ou insurretos a pé”48.
A existência desse mecanismo repressivo, defendido pelo artigo do jornal e
confirmado por outros comentaristas em relação à capoeira, em geral, bem como nas
histórias contadas pela própria comunidade de capoeiristas em torno da origem do toque de
berimbau, denominado “Cavalaria”, revela mais uma vez que a história da capoeira do
Recife possui traços muito semelhantes ao que já foi observado por diversos cronistas e
pesquisadores nas outras duas cidades onde a capoeira constituiu as suas mais sólidas
tradições: Rio de Janeiro e Salvador. É possível, nesse sentido, imaginar a existência de
registros mais detalhados, correspondentes aos que já existem sobre as outras duas capitais.
As semelhanças apontadas com o percurso da capoeira no Rio de Janeiro sugerem que, em
Recife, a memória sobre a capoeira se relaciona com a própria história de deportações e
“limpeza” ocorridas nas cidades onde a presença negra se impôs, antes e depois da
abolição. No Recife, a estudiosa e capoeirista Mônica Carolina Beltrão registra, entre os
lugares freqüentados por grupos de capoeiras, as ruas do Imperador, do Rosário, das
Trincheiras e do Pátio do Carmo, bem como os bairros de Santo Antonio, São José,
Afogados, Torre e Madalena.
Em resumo, a ênfase na presença da capoeira para a formação das tradições
carnavalescas de Recife é uma marca da bibliografia sobre o assunto. Mas não há ainda
uma pesquisa de fôlego sobre o universo da capoeiragem, não se realizou um estudo
47 Apud RABELLO, Evandro. Op. Cit. p. 184.
48 FREYRE, Gilberto. Op. Cit. p. 651.
36
sistemático que se detenha sobre as trajetórias da capoeira para além de sua presença
inquestionável na história do frevo e do passo e de seu vínculo primordial com a ação de
escravos e libertos nas antigas bandas de música. Essa lacuna não passou despercebida a
Mônica Beltrão:
Tendenciosamente, os capoeiras foram vinculados a tais agremiações,
até porque, após a abolição da escravatura, os desfiles das bandas
passaram a ser o principal atrativo cultural da cidade. Não obstante,
eternizaram a relação entre tais bandas e os valentes, submergindo o
registro de outras manifestações populares que contavam com a presença
dos capoeiras, maiormente as que envolviam costumes afro-descendentes
como o maracatu49.
Retornando ao conjunto de fontes jornalísticas apresentadas no livro de Rabello,
confirma-se que a questão acima citada, levantada pela pesquisadora, é importante para a
ampliação do universo da capoeira em Pernambuco. Temos, por exemplo, um indício da
participação de capoeiras na brincadeira do bumba-meu-boi, conforme um relato de 1897
do Jornal de Pernambuco:
Em um bumba meu boi, brinquedo aliás selvagem que efetua-se
todos os sábados e vésperas de dias santificados, houve ante-ontem
pancadaria e a mocidade vadiou. Noves fora. Um pobre diabo com duas
tremendas facadas.
Quanto ao mais, tudo vai bem50.
Igualmente, nas rivalidades entre os maracatus Oriente Pequeno e Leão Coroado,
Rabello anota a freqüência de brigas e hostilidades envolvendo grupos de “valentes”.
Assim, para um levantamento da presença de capoeiristas em outras situações da vida
urbana de Recife, seria preciso ampliar a busca da relação das forças repressivas com as
demais práticas reunindo escravos, libertos e seus descendentes. Além disso, o caráter de
divertimento popular, da capoeira como mais um brinquedo ou um folguedo entre outros
49 BELTRÃO, Mônica. A capoeiragem no Recife Antigo: os valentes de outrora. Recife: Editora Nossa
Livraria, 2007.
37
que aqui se desenvolveram a partir de matrizes africanas, ainda não foi devidamente
ressaltado ou mapeado nas fontes de época, cuja ênfase na relação dos “valentes” com a
desordem pública nos blocos de música ainda é o principal, senão o único, sinal da
presença da capoeira na historiografia sobre a cidade.
É necessário buscar, por exemplo, a presença negra nas referências sobre as
sedições e revoltas populares em Pernambuco durante o século XIX51, a participação de
escravos e libertos no ciclo de levantes liberais e a trajetória dos “soldados-capoeiras” de
Recife que retornaram da Guerra do Paraguai. Essas temáticas, envolvendo estratégias de
luta e modos de resistência e negociação dos escravos e libertos, relacionam-se diretamente
com a experiência dos capoeiras. Os arquivos da Justiça e da polícia pernambucana, além
dos periódicos e crônicas, são espaços onde pode-se fazer esse levantamento
imprescindível, na busca de indícios dessa inserção dos capoeiristas de Recife em seu
ambiente sócio-cultural.
1930-1940: nasce uma nova tradição da capoeira
O período denominado “anos 30” foi eleito pela literatura sobre a capoeira baiana
como divisor da sua história. O destaque dado a essa década está associado à invenção da
capoeira regional por Mestre Bimba, a partir de 1928, e a sua consolidação nos anos 1930.
O surgimento desta capoeira traz implícito outras questões relacionadas à capoeira baiana
como um todo, envolvendo desde a sua prática até o seu modo de se relacionar com a
sociedade.
É necessário dizer que este fenômeno acontece num contexto histórico em que se dá
um processo de renovação institucional das manifestações culturais negras em busca de
legitimação, legalização jurídica, construção de autonomia territorial, visibilidade na
imprensa, aceitação social, afirmação cultural, e maior expansão da sua prática para outras
camadas sociais. De acordo com Vivaldo da Costa Lima, para a Bahia, “era aquele um
50 Apud RABELLO, Evandro. Op. Cit. p. 148.
51 Para uma introdução a esse assunto, ver CARVALHO, Marcus. “Rumores e Rebeliões. Estratégias de
resistência escrava no Recife”. Revista Tempo, Niterói – Universidade Federal Fluminense, n. 6, vol. 3,
Dezembro, 1998.
38
tempo em que os impulsos amortecidos e reprimidos do negro ... começaram a se
reorganizar através de diversos mecanismos e estratégias de resistência cultural e afirmação
política. Organizavam-se os movimentos sindicais e os candomblés”52. E pode-se
acrescentar, organizavam-se também as academias de capoeira.
Entre os anos de 1930 e 1940, cresce o interesse de intelectuais brasileiros e de
alguns estrangeiros por essas manifestações, que se tornam seus objetos de estudo e
pesquisa. Entre eles estavam Gilberto Freyre, Edison Carneiro, Arthur Ramos, Jorge
Amado, Donald Pearson, etc. Na realidade, esses intelectuais tiveram uma participação
importante na construção de uma nova visão da sociedade sobre as manifestações culturais
afro-brasileiras. No caso da capoeira da Bahia, é relevante o papel desempenhado por
Édison Carneiro, pioneiro ao publicar, no ano de 1936, um artigo de página inteira sobre
capoeira na imprensa baiana, ressaltando seus aspectos culturais. Este texto foi
posteriormente inserido no seu livro Negros Bantus53. Esta é a primeira vez que a capoeira
baiana recebe uma pequena descrição etnográfica. Carneiro narra como era o ritual da roda,
apresenta o berimbau como instrumento indispensável à realização da brincadeira, cita e
interpreta algumas cantigas, vinculando-as ao universo cultural africano. Para o autor, a
capoeira é uma herança dos negros bantus. Atento à contemporaneidade da capoeira de seu
tempo, seu estudo revela as disputas entre a capoeira regional e a capoeira dita de angola, as
tensões daí provenientes, e projeta um futuro não muito promissor para a capoeira por ele
denominada “folclórica” ou “legado de angola”. Sendo vítima do progresso, esta
manifestação (ou prática) estaria, segundo ele, em vias de extinção, embora reconheça a
existência de alguns pontos da cidade de grande vitalidade desta arte que, provavelmente,
se tornaram verdadeiros redutos de capoeiragem nos anos posteriores.
Édison Carneiro foi um dos principais organizadores do II Congresso Afrobrasileiro,
realizado em janeiro de 1937. Este Congresso, além de promover a apresentação
de pesquisas sobre os costumes africanos, também foi palco de reivindicações e protestos
52 LIMA, Vivaldo da Costa e OLIVEIRA, Valdir F. “O Candomblé da Bahia na década de 30”. In: Cartas de
Édison Carneiro a Arthur Ramos – De 4 de janeiro de 1936 a 6 de dezembro de 1938. SP: Ed. Corrupio,
1987, p. 39.
53 CARNEIRO, Édison. Negros Bantos: notas de etnografia religiosa e de folclore. RJ: Civilização Brasileira,
1936.
39
em favor do povo negro e das suas manifestações culturais. De acordo com Assunção e
Vieira, estudiosos da capoeira, ele “contribuiu para a maior aceitação do candomblé e da
capoeira pelas elites e para o conseqüente abrandamento da repressão policial”54. Estava
previsto para este Congresso a criação da União dos Capoeiras Baianos, o que não ocorreu.
No entanto, a capoeira marcou sua presença com uma apresentação da capoeira de angola,
liderada pelo conhecido capoeira Samuel Querido de Deus juntamente com Aberrê, Bugaia,
Eutychio, Barbosa, Maré, Edgar, entre outros nomes de famosos da capoeira de angola, não
estando presente nenhum capoeirista da regional. Este evento, de natureza cultural, foi
muito importante para a capoeira baiana nos anos de 1930.
Um outro evento, também fundamental para compreender a capoeiragem baiana
nesta época, foram as lutas no ringue do parque Odeon, nas quais participaram diversos
capoeiristas baianos, e que consagraram Mestre Bimba como campeão baiano de capoeira.
Este evento foi alvo de estudo de Frederico José de Abreu55.
Neste trabalho, o autor analisa e disponibiliza ao grande público cerca de 80 notícias
de jornal publicadas entre 29/08/1935 e 20/01/1937, levantadas em cinco periódicos
baianos (A Tarde, Diário da Bahia, O Estado da Bahia, Diário de Notícias e O Imparcial).
A quantidade de dados encontrados traz à tona a grande visibilidade que a capoeira ganha
nesta época na imprensa. Para o autor, as lutas no ringue representam, simbolicamente, a
divisão entre a capoeira angola e a regional. Apesar de ser um evento pugilístico, Frede
Abreu observa que através das súmulas das lutas e dos debates a seu respeito publicados na
imprensa, tornam-se visíveis muitos aspectos sócio-culturais da capoeira nesta época.
Dentre eles, são revelados não apenas as diferentes formas de jogar capoeira, como também
o novo método de ensino do Mestre Bimba, as visões que os capoeiras tinham da sua
própria arte, e os diferentes modos dos capoeiras se relacionar com a sociedade e o poder
público.
O autor ainda destaca, neste livro, episódios que possibilitam acompanhar o
processo histórico de legitimação e legalização do ensino da capoeira atribuído a Mestre
Bimba. De certa forma, Abreu reforça a contribuição pessoal do mestre para os destinos da
54 VIEIRA, Luiz Renato e ASSUNÇÃO, Matthias R. "Mitos, controvérsias e fatos: construindo a história da
capoeira”. Estudos Afro-Asiáticos (34): 81-121. Dez/1998, p.84.
55 Ver ABREU, Frederico José de. Bimba é Bamba: a capoeira no ringue. Salvador, Instituto Jair Moura,
1999.
40
capoeira moderna. Ele ressalta suas iniciativas no sentido da oficialização jurídica da
capoeira, do seu ajustamento a um novo espaço - a academia -, da sua maior expansão para
outros segmentos sociais e da sua penetração em outras instituições (quartéis, palácios,
escolas, clubes esportivos, etc). Assim, através da inserção desses novos elementos, a
capoeira passava a ser exercida como ofício. A importância de Mestre Bimba para este
momento tão fértil para a capoeira baiana é apontada por diversos outros estudos
produzidos sobre a sua figura, sendo alguns dos autores, alunos do mestre.
Em 1928, Mestre Bimba afirmou ter criado sua capoeira regional. Para Muniz
Sodré, as idéias de Zuma influenciaram na criação da nova modalidade: “Contato houve, é
certo, entre os discípulos de Bimba e o manual de Annibal Burlamaqui”56. De qualquer
maneira, o contexto histórico posterior também privilegiou a proposta da capoeira regional,
principalmente no Estado Novo, implementado em 1937, mesmo ano em que se consagrou
o início do processo de descriminalização da capoeira, quando Bimba recebeu autorização
para manter seu Centro de Cultura Física e Capoeira Regional. Mais tarde, em 1954, se
apresentaria para Getúlio Vargas, em Salvador, e para o governador do estado, Juracy
Magalhães. Na ocasião, o presidente teria se referido à capoeira como o único esporte
genuinamente nacional.
A desmarginalização da capoeira se deu num mesmo movimento em que o estado
brasileiro resolveu nacionalizar a capoeira, motivo que levou o governo do estado da Bahia,
em plena Era Vargas, a permitir o funcionamento da escola de Mestre Bimba. Este, por
outro lado, defende a capoeira como luta criada no Brasil. A idéia da capoeira como “arte
marcial brasileira” norteou as primeiras iniciativas públicas que tiveram impacto no
cotidiano do capoeirista, uma perspectiva polêmica que permanece defendida por uns e
criticada por outros, principalmente pelos mestres de capoeira angola, que afirmam sua
ancestralidade africana.
O mais importante deles foi Mestre Pastinha, articulador do CECA – Centro
Esportivo de Capoeira Angola. Essa instituição foi inicialmente organizada de forma
associativa - juntamente com os que freqüentavam a Gengibirra, ponto de visibilidade de
capoeira nos anos 1930, Amorzinho, Noronha, Totonho de Maré, Livino Diogo, Onça
56 SODRÉ, Muniz. Op. Cit. p. 64.
41
Preta, Olimpio, Zeir, Victor H.U. e Alemão, filho de Maré – e, na década de 1940, foi
individualizada como academia de Mestre Pastinha.
A importância de Mestre Pastinha à frente da capoeira angola foi fundamental para
que esta se tornasse visível e ocupasse espaços em que, até então, não havia penetrado. O
valor da Academia de Mestre Pastinha para a capoeira é tão grande que se tornou o modelo
dominante e hegemônico de jogar capoeira angola, suplantando outros importantes mestres
desta modalidade.
Tanto Bimba quanto Pastinha foram os principais responsáveis pela expansão
inicial, para outros estados do Brasil, da maneira tradicional baiana de jogar capoeira.
Dessa forma, ambos ganham o respeito da sociedade e passam a se relacionar com
intelectuais, artistas e políticos da época que vão legitimá-los, não só como mestres de
capoeira, mas também como porta-vozes da cultura popular. Na primeira metade do século
XX, esses dois mestres se transformam nas principais referências da capoeira da Bahia e
estabelecem a base de sustentação da modernização da prática da capoeira.
A capoeira passa a ser conhecida nacionalmente, no século XX, a partir da Bahia.
Não apenas Mestre Bimba, mas também a escola de Mestre Pastinha, no Pelourinho, ganha
destaque, tornando-se ponto da velha guarda da capoeira angola, de intelectuais e turistas
que iam apreciar as rodas. Como resultado, ocorrem as primeiras viagens de grupos de
capoeira pelo território brasileiro. A partir dos anos 1950, uma farta documentação baseada
em notícias de jornais começa a ser produzida.
1950-1970: o processo de folclorização e esportização
Apesar dos anos 1950 terem sido bastante efervescentes para a capoeira baiana e do
aumento do interesse de famosos intelectuais de diversas áreas pela arte da vadiação, existe
uma lacuna muito grande no campo da pesquisa sobre esta época, inviabilizando uma
análise mais profunda da prática da capoeira e do cotidiano dos capoeiras no período. Até
hoje não foi feito um levantamento sistemático das notícias e reportagens publicadas sobre
o assunto nos jornais e revistas da época. No entanto, em função de depoimentos orais e de
algum material já coletado na imprensa baiana, pode-se supor que neste período a capoeira
42
estava bastante difundida, com um número significativo de praticantes, espalhada por
diversas camadas sociais, foco de atenção do noticiário nacional, e fonte alimentadora de
diversas linguagens artísticas (música, dança contemporânea, teatro, artes plásticas, etc).
Seus principais mestres – Bimba e Pastinha – já eram conhecidos nacionalmente e,
através de viagens para outros estados do Brasil, difundiam a capoeira baiana, que a cada
dia ia se afirmando no cenário nacional como "o jogo da capoeira". Neste período, quando
se faz referência à capoeira, esta é imediatamente associada à Bahia, que passa a ser
considerada o seu berço. Além disso, neste momento, esta manifestação não é mais vista
como marca do atraso e da barbárie, mas sim como símbolo da cultura baiana e brasileira. É
a partir dos anos 1950 que o berimbau passa a ser usado como um símbolo de identidade da
cultura baiana, em especial o berimbau pintado, obra do Mestre Waldemar.
Neste novo cenário da capoeiragem baiana, dois mestres ganham destaque:
Waldemar da Paixão/da Liberdade e Cobrinha Verde. Suas academias de capoeira angola
do final dos anos 40 e durante toda a década de 50 desempenharam um papel relevante na
história da capoeira da Bahia. Suas rodas domingueiras, localizadas respectivamente na
Liberdade e no Chame Chame, além de reunir famosos capoeiristas da época, como Bimba,
Traíra, Najé, Onça Preta, Cabelo Bom, Bráulio, Bugalho e muitos outros, também atuaram
na formação de uma nova geração de capoeiristas, que teve um papel importante nos anos
de 1960 e 1970. As academias destes mestres se estabeleceram nos bairros periféricos de
Salvador e, dessa maneira, serviram como agências culturais capazes de agregar em torno
desse meio de diversão tanto os habitantes do local como pessoas de fora, e até
estrangeiros, atraídos pela fama desses grandes mestres. É preciso acrescentar que a
academia de Waldemar, localizada no bairro da Liberdade, foi considerada um dos
principais pontos de capoeira nos anos 1950 e serviu de local de observação para estudiosos
de diversas áreas, como a musicóloga Eunice Catunda, o fotógrafo Pierre Verger, o artista
plástico Caribé, o romancista Jorge Amado, o escultor Mario Cravo, o cineasta Alexandre
Robato – diretor do filme Vadiação (1954) –, atraídos pela excelência da capoeira ali
jogada. Parte da história da academia deste mestre encontra-se no livro de Frede Abreu,
chamado Barracão do Waldemar, nome pelo qual ficou conhecido este espaço57.
57 ABREU, Frederico. O Barracão do Mestre Waldemar. Salvador: Organização Zarabatana, 2003.
43
Da mesma forma que os anos 1950, a capoeiragem baiana dos anos de 1960 e 1970
também não foi alvo de investigação, embora se saiba de antemão que existe uma grande
documentação sobre estas duas décadas, como provou Raimundo Alves de Almeida, o
Mestre Itapoan, ao reunir material basicamente composto de notícias de jornais e revistas,
livros, artigos, anais de congressos publicados na Bahia e no Brasil, tendo este período da
capoeira baiana como referência58.
Entre as notícias, deve-se destacar um importante evento: o Festival de Artes
Negras, realizado no ano de 1966, em Dakar, capital do Senegal. Mestre Pastinha liderou o
grupo de capoeira angola neste festival, que ficou registrado na memória da capoeira como
um episódio emblemático, principalmente por ligar a capoeira à África.
Na década de 1960, a fama de Pastinha e Bimba continua em ascensão, suas
academias funcionam com grande vitalidade, contudo, as academias dos mestres Waldemar
e Cobrinha Verde, e tantas outras localizadas na periferia de Salvador, estão em decadência.
Entre os anos de 1960 e 1970, dois momentos devem ser mencionados exatamente porque
influenciaram profundamente os rumos da capoeira baiana.
O primeiro foi o início do processo de esportização da capoeira, homologado em
1972 pelo CND - Conselho Nacional de Desportos, que submeteu a prática da capoeira às
regras do pugilismo. Datam daí a realização dos campeonatos nacionais, as tentativas de
unificação da capoeira, no sentido de eliminar as distinções entre as capoeiras angola e
regional, os treinamentos voltados para fazer do capoeirista um atleta e a simplificação dos
ritos que não se adequavam às práticas esportivas. Esta tendência esportiva fomenta a
vigência de sistema de graduação e tentativas de criação de uma nomenclatura também
unificada. Enquanto algumas academias, principalmente de regional e algumas de angola,
ajustaram-se às exigências de uma prática esportiva, outras mais tradicionais, tanto angola
quanto regional, não se adaptaram e ficaram à margem deste processo.
O segundo está relacionado ao processo de folclorização da cultura negra na Bahia,
associado ao crescimento da indústria turística em Salvador que, nos anos de 1960 e 1970,
introduz no repertório de atrações para a sua clientela, além das belezas naturais dos
monumentos e do barroco das igrejas, as manifestações da cultura negra, principalmente o
candomblé, a capoeira e o samba. As demandas provenientes deste novo contexto tiveram
58 Ver ALMEIDA, Raimundo Alves de. Bibliografia Crítica da Capoeira. Brasília: DEFER, Centro de
44
um forte impacto nas academias de capoeira, e muitos dos seus membros passaram a
compor grupos folclóricos que surgiram liderados por empresários, pesquisadores e
capoeiristas que, embora ainda não fossem mestres, tinham capacidade de gerir seu próprio
grupo.
Nas décadas de 1960 e 1970, dois mestres de capoeira - Canjiquinha e Caiçara –
surgem como figuras importantes no universo da capoeira baiana, ambos mostrando
capacidade de se ajustar diretamente às novas exigências do folclore, estilizando as
manifestações e, no caso da capoeira, transformando o jogo/ritual em show. A atuação
desses mestres, no sentido da espetacularização do jogo, vai romper com a bipolarização da
capoeira da Bahia em torno dos mestres Pastinha e Bimba.
As principais lideranças da capoeira na época se voltam de forma preferencial para
atender às demandas do mercado turístico, em função de sua rentabilidade. Ainda que
pouco significativo do ponto de vista financeiro, os ganhos com as apresentações
folclóricas não deixavam de superar aqueles que podiam conseguir com o ensino da
capoeira. Este fato comprometeu o funcionamento de muitas academias, principalmente em
relação à formação de novos capoeiristas, na medida em que as atividades das academias
eram mais voltadas ao treinamento/ensaio dos shows folclóricos do que às aulas
propriamente ditas.
Apesar dos problemas trazidos pela folclorização da cultura negra, não se pode
deixar de reconhecer que esse fenômeno contribuiu significativamente para a expansão da
capoeira baiana pelo Brasil. Além disso, com a migração de baianos para o sudeste
brasileiro, em busca de melhores oportunidades de vida, uma leva de mestres capoeiristas
chegou ao Rio de Janeiro nos anos 1950. O mais importante deles foi Arthur Emídio, que
vinha de Itabuna, região do cacau na Bahia.
Mestre Arthur Emídio trouxe uma capoeira que não tinha ligação com a capoeira
angola de Pastinha nem com a regional de Bimba. Possuía uma movimentação veloz e
eficaz marcialmente, tanto que chegou a competir nos ringues com lutadores de outras artes
marciais. No entanto, foi derrotado por um aluno de Mestre Sinhozinho, chamado Ismanir.
Ainda que tivesse ênfase na marcialidade, Arthur Emídio, ao contrário de
Sinhozinho, mantinha a orquestração musical e fazia apresentações folclóricas. Instalou sua
Informação e Documentação sobre a Capoeira (CIDOCA/DF), 1993.
45
academia na zona norte do Rio de Janeiro e se tornou um dos capoeiristas mais famosos da
cidade. Mestres cariocas importantes como Leopoldina, Celso do Engenho da Rainha,
Paulo Gomes, Djalma Bandeira e Vilmar foram seus alunos, o que dá uma dimensão de sua
influência na capoeira praticada na zona norte carioca nos anos 1950. Conforme relatou
Mestre Vilmar:
Eu aprendi com o mestre Djalma Bandeira, que dava aula em
Olaria a mando do mestre Artur Emídio, que na época, para difundir a
capoeira, foi lutar com os Gracies nos ringues, porque, antigamente, o
Brasil parava para ver essas lutas na TV Continental. Então, de um
lado o Artur Emídio, que foi o propulsor da capoeira no Rio de
Janeiro, e do outro o Djalma Bandeira dava aula de capoeira. E eles se
juntavam nos fins de semana para fazer a exibição em locais
considerados de elite, como a Universidade Rural, a ACM na Lapa e a
Sociedade Pestalozzi do Brasil. Foi quando eu fui indicado para dar
aula, pois os garotos gostavam de mim porque eu tocava berimbau e
gingava e eles achavam aquilo incrível59.
Enquanto Mestre Arthur Emídio ensinava capoeira na Zona Norte do Rio de
Janeiro, um outro movimento de capoeiristas surgiu na Zona Sul carioca. Em 1964, os
irmãos Rafael e Paulo Flores retornaram de uma viagem à Bahia, onde treinaram capoeira
durante alguns meses com Mestre Bimba. Resolveram continuar com os treinos no terraço
do prédio em que moravam em Laranjeiras. Outros jovens chegaram, como Gato e Gil
Velho, que tinham tido experiência de capoeira com alunos de Mestre Sinhozinho. Em
1966, Mestre Bimba esteve no Rio para realizar o show folclórico Vem Camará e visitou os
jovens, que haviam se auto-intitulado Grupo Senzala.
No ano seguinte, 1967, o Senzala ganhou a competição de música e jogo chamada
Berimbau de Ouro, que tinha Mestre Arthur Emídio como juiz. O grupo da Zona Sul
carioca também venceu nos dois anos seguintes e alcançou enorme sucesso entre a
juventude da cidade. Ainda assim, a percepção de que estavam distantes dos fundamentos
da capoeira baiana fez com que os principais capoeiristas do Senzala retornassem a
59 Texto extraído da entrevista realizada por Maurício Barros de Castro e Matthias Rohrig Assunção com
Mestre Vilmar (Vilmar da Cruz Brito) em agosto de 2007, para o Inventário para Registro e Salvaguarda da
Capoeira como Patrimônio Cultural do Brasil -IPHAN, no Rio de Janeiro (RJ).
46
Salvador, “visitando e treinando em diferentes academias, inclusive participando das mais
tradicionais rodas de capoeira angola”60.
Devido a estas experiências entre os dois estilos, o Senzala não se definiu por
nenhum deles. Manteve os ensinamentos de Bimba junto aos movimentos e instrumentos
da capoeira angola. Também foram muito influenciados pelas artes marciais japonesas,
principalmente o caratê. No entanto, não foram os únicos alunos de Mestre Bimba que
criaram um novo estilo a partir de seus ensinamentos, visando uma ênfase na esportização
em contraste com a folclorização a que era associada à capoeira baiana. O principal
exemplo foi Carlos Sena. De acordo com Matthias Rohrig Assunção:
Nascido em Salvador, ele começou a treinar com Bimba, em 1949.
Ele se tornou um dos melhores alunos do mestre, e diretor de sua
academia em 1954. Ainda em 1955, ele decidiu abrir sua própria escola,
chamada Senavox, e a ensinar uma capoeira diferente, mais estilizada. O
que distinguia Sena era sua crítica à ‘estagnação do folclorismo cultural’
das exibições de capoeira e seu esforço para esportizar a capoeira. Ele
criou um elaborado sistema de regulamentações formais que
supostamente regrariam treinos e rodas... Sena, entre outros, proclamou
ter inventado o sistema de cordas e sistematicamente utilizava uma
saudação para capoeira: ‘Salve’. As regras inventadas por ele agradaram
as forças armadas e simpatizantes do regime militar... Ele também
contribuiu para as Regras Técnicas da Capoeira adotadas pela
Confederação Brasileira de Boxe, em 1972. Durante os anos 1960, Sena
foi freqüentemente considerado representante de um novo estilo,
diferente da capoeira angola e regional, usualmente chamado de capoeira
estilizada ou Senavox”61.
Apesar do sucesso inicial e sua boa conexão com os militares, a Senavox não
prosperou. A insistência na hierarquia e disciplina militar entrou em desacordo com o
processo de deslegitimação social da ditadura militar nos anos 1970. Quanto à polêmica em
relação à criação do sistema de cordas, o certo é que seu uso foi institucionalizado em 1972,
apoiado pelo nacionalismo militar. A Confederação Brasileira de Boxe determinou que a
60 ASSUNÇÃO, Matthias Rohrig. Capoeira. The history of an Afro-brazilian martial art. Routledge:
London,2005. p. 174.
61 ASSUNÇÃO, Matthias Rohrig. Op. Ci.. pp. 196-197.
47
capoeira, assim como acontecia com as artes marciais orientais, deveria graduar seus
alunos, mas ao contrário das faixas, utilizaria “cordéis” com as cores da bandeira brasileira:
branco, verde, amarelo e azul.
Embora essas cores não fossem adotadas por todos os grupos, o sistema de cordas
passou a fazer parte da capoeira de forma predominante a partir dos anos 1970. Um modelo
novo, que fundia elementos das capoeiras regional e angola, surgia no sudeste do Brasil, se
difundindo pelo país e, mais tarde, pelo mundo. Além do Senzala, outros grupos que
seguiam essa tendência também surgiam em São Paulo. Desde 1960, um grupo de mestres
baianos começou a ensinar na capital paulista: “Suassuna, Brasília, Joel, Gilvan, Paulo
Limão, Silvestre, Ananias e, durante os anos 1970, Airton Onça e Acordeon. Alguns eram
pupilos dos famosos angoleiros Canjiquinha (Brasília, Ananias) ou Caiçara (Paulo Limão,
Silvestre), enquanto outros tinham vindo da escola regional de Bimba (Airton Moura,
Acordeon)”62. Foram também responsáveis pela criação da Federação Paulista de Capoeira,
em 1974, instituição que endossava as regulamentações esportivas criadas para a capoeira.
Influenciados pelas seqüências de Mestre Bimba, os grupos cariocas e paulistas
incorporaram na sua prática movimentos e instrumentação da capoeira angola. Uma das
suas características principais é o uso de cordas para graduar os jogadores. Esta modalidade
ainda não possui um nome consensual entre os capoeiristas. Uns preferem chamá-la
“capoeira contemporânea”, outros “capoeira de vanguarda”, e há ainda os que a nomeiam
como “capoeira atual” ou, simplesmente, “capoeira hegemônica”. Os grupos que se
tornaram principais representantes desta tendência são, no Rio de Janeiro, Senzala, Abadá e
Capoeira Brasil, e em São Paulo, Cordão de Ouro e Cativeiro.
Na mesma época em que esta modalidade se definia e difundia, a capoeira em
Recife, cidade histórica da arte, encontrava-se resumida a três academias. Conforme contou
Mestre Coca-cola:
Quando eu montei minha academia de capoeira, em 71 por aí, nós
começamos a trocar idéias com mais duas academias que tinham aqui
que era de Paulo Guiné, de Três Carneiros, e a de Pirajá, do Morro da
Conceição. Eu não sei informar pra vocês qual foi o ano que eles
começaram, eu acredito que foi neste mesmo período porque eles
62 Idem. p. 177.
48
estavam começando também, até porque Pirajá era do Rio de Janeiro,
ele era daqui e foi pro Rio, voltou, então eu não sei o ano que ele
começou a capoeira aqui na verdade, mas eu acredito que foi nesse
mesmo período assim, eu sei que eu comecei aqui a jogar capoeira
em 63-64, foi quando eu comecei a jogar capoeira, mas academia de
capoeira foi na década de 70. Antes existia uma ou outra pessoa que
jogava capoeira como o Luciano Vitela lá de Piedade que jogava
capoeira, e o Lula e o Paulo Cristo, e eles aprenderam também com
esse Marcos Natal. Eu penso que esse meu mestre, o Marcos Natal,
foi quem deu o pontapé inicial, porque foi através dele que a gente
começou a aprender e ele passou uns cinco, seis anos aqui e foi
embora pro Rio, porque a família dele foi transferida pro Rio e ele foi
embora pro Rio.63
De acordo com Mestre Coca-Cola, o seu “primeiro mestre”, chamado Marcos Natal,
era de São Gonçalo, município do estado do Rio de Janeiro. A reorganização da capoeira
em Recife e Olinda, a partir dos anos 1970, se deu, em grande parte, devido a esta
expansão, que teve num primeiro momento a influência da capoeira baiana, mas que depois
se difundiria a partir do Rio de Janeiro e de São Paulo.
Contraditoriamente a esta expansão da capoeira, os velhos mestres da Bahia viviam
em sérias dificuldades. Mestre Bimba faleceu, em 1974, em Goiás, em situação precária e
longe de sua terra natal. Em 1981, foi a vez de Mestre Pastinha morrer pobre e cego num
cortiço do Pelourinho. A capoeira angola, principalmente, vivia um momento de
esquecimento. Um dos principais responsáveis pela sua revitalização foi Mestre Moraes,
baiano que se iniciou na capoeira angola ainda criança, aos oito anos, quando começou a ter
aulas no CECA de Mestre Pastinha. Em 1980, criou o Grupo de Capoeira Angola
Pelourinho (GCAP), no Rio de Janeiro. No ano seguinte, Mestre Moraes retornou a
Salvador e liderou um movimento de revalorização dos antigos mestres angoleiros,
promovendo oficinas no Forte Santo Antônio, onde fixou sua academia e já se encontrava
Mestre João Pequeno.
63 Texto extraído da entrevista realizada por Graciane Costa e Annelise Meneses com Mestre Coca-Cola
(Marco Aurélio Moreira) em julho de 2007, para o Inventário para Registro e Salvaguarda da Capoeira como
Patrimônio Cultural do Brasil -IPHAN, em Recife (PE).
49
Apesar dos deslocamentos e mudanças de contexto, as tradições locais e o passado
histórico influenciaram a capoeira que se redefinia nas cidades. Em Recife, a capoeira se
mantém voltada para a luta, o jogo é mais duro, o que remete à tradição dos antigos
capoeiras pernambucanos, conhecidos como bravos e valentes. No Rio de Janeiro, a figura
do capoeira é sempre ligada à do malandro, personagem emblemático da cultura popular
carioca a partir dos anos 1920. Salvador, por sua vez, permanece no imaginário coletivo
como “berço” e “Meca” da capoeira, cidade santuário das antigas tradições. Apesar de
afirmações como essas gerarem polêmicas e controvérsias, é correto afirmar que a capoeira
baiana influenciou de forma decisiva o modo como o jogo é praticado desde os anos 1920
no Brasil e no mundo.
A globalização da capoeira
Mestre Arthur Emídio foi, provavelmente, o primeiro capoeirista a viajar para o
exterior, entre os anos 1950 e meados de 1960. Ele se apresentou na Argentina, México,
Estados Unidos e Europa. Além disso, fez demonstrações para os presidentes brasileiros
Vargas e Kubitschek e para os governantes norte-americanos Eisenhower e Kennedy.
Depois dele, em 1966, Mestre Pastinha e seus discípulos fizeram a antológica
viagem para a África, onde participaram do Festival de Artes Negras.
Uma das formas dos capoeiristas conhecerem o mundo era participando de grupos
folclóricos. Em algum momento da excursão, ou ao fim dela, alguns resolviam se
estabelecer e ensinar capoeira nas cidades onde se encontravam. Foi o que aconteceu com
Mestre Jelon Vieira, integrante do grupo Viva Bahia, que não voltou ao Brasil após uma
série de shows pela Europa, permaneceu em Londres e, em 1975, foi se apresentar em Nova
York, onde resolveu estabelecer residência. Ao lado de Loremil Machado, foi o pioneiro da
difusão da capoeira nos Estados Unidos. Em 1979, chegaria Mestre Acordeon, responsável
pelo ensinamento do jogo na costa oeste, na Califórnia. A capoeira, dessa forma, cobriu as
duas faces do território norte-americano.
Em 1990, Mestre João Grande chegaria a Nova York e inauguraria a primeira
escola de capoeira angola dos Estados Unidos: Capoeira Angola Center, com sede em
50
Manhattan. Aos 72 anos, ele praticava e ensinava a tradicional capoeira angola em solo
estrangeiro. Esquecido no Brasil, foi redescoberto trabalhando num posto de gasolina, em
Salvador, por Mestre Moraes, seu antigo discípulo. Mestre João Grande tinha cinqüenta e
três anos quando voltou a praticar capoeira. A partir deste momento de retomada de sua
arte, trilhou caminhos inesperados. Maurício Barros de Castro assim descreveu sua
trajetória:
Convidado, em 1990, para participar do Festival de Artes Negras de
Atlanta, nos Estados Unidos, foi chamado para ministrar aulas em Nova
York, onde passou a morar e instalou, em 1992, sua escola: Capoeira
Angola Center. Em 1993, adquiriu o Green Card, visto que permitia ao
estrangeiro morar e trabalhar no país. Mesmo que seja pouco lembrado no
Brasil, Mestre João Grande é prestigiado no exterior, a ponto de uma
universidade do estado de Nova Jersey, o Upsala College, tê-lo titulado,
em 1994, como doutor honoris causa. O prestígio do mestre angoleiro
entre os norte-americanos não se limitou a esse título. Em 2001, ele
recebeu uma alta homenagem do governo dos Estados Unidos64.
De acordo com um jornal local de Salvador, um dos poucos veículos da mídia que
noticiou o fato, Mestre João Grande “é o primeiro brasileiro a ser agraciado com o prêmio
da National Heritage Fellowships (Comunidades do Patrimônio Nacional), o mais alto
título concedido nos Estados Unidos para personalidades que lidam com as artes folclórica
e nacional no país65. Em 1994, foi a vez de Mestre Cobra Mansa chegar e se instalar em
Washington, onde fundaria, ao lado de Mestre Jurandir, a Fundação Internacional de
Capoeira Angola (FICA).
Na Europa, possivelmente o primeiro a ensinar no Velho Continente foi Mestre
Nestor Capoeira. Depois de obter a graduação máxima do Grupo Senzala, a corda
vermelha, em 1969, decidiu viajar para o exterior. Em 1971, aterrizou em Londres, onde
começou a ministrar aulas de capoeira numa academia de dança. Mestre Nestor Capoeira
64 CASTRO, Maurício Barros de. Op. Cit. pp. 12-13.
65 VITA, Marcos. “Ginga na Casa Branca”. In: Correio da Bahia; Salvador, 7 de julho de 2001. Caderno Aqui
Salvador. p. 1.
51
percorreu a Europa por três anos, ensinando em diferentes cidades, antes de retornar para o
Brasil.
Embora os Estados Unidos e a Europa fossem os principais pontos de crescimento
internacional da capoeira, paralelamente, a arte também se desenvolveu no Japão, Israel,
África do Sul e Canadá. Recentemente, foi difundida pelo Leste Europeu (Polônia, Estônia,
Sérvia e Finlândia), América Latina (México e Venezuela) e África (Angola e
Moçambique).
Atualmente, a capoeira se encontra presente em mais de 150 países, atraindo
praticantes e estudiosos dos cinco continentes do planeta. A sua globalização, feita sem
incentivo governamental, ocorreu devido às errâncias dos capoeiristas, verdadeiros
embaixadores informais da cultura brasileira. Assim, este se torna um momento oportuno
para que o Estado brasileiro reconheça a capoeira como Patrimônio Cultural do Brasil.
2. O aprendizado e as escolas de capoeira
A capoeira vem se mantendo até os nossos dias devido, sobretudo, à transmissão
dos ensinamentos do mestre para o aluno, de geração para geração, por meio de suas
práticas e rituais. Nestas transmissões, destaca-se a importância do aprendizado da
capoeira, já que é através de práticas de iniciação e desenvolvimento que esta cultura tem se
mantido viva. É possível afirmar também que durante a sua longa história, a capoeira vem
se modificando, incorporando e abandonando algumas destas tradições de aprendizado e
transmissão.
O aprendizado na capoeira se divide em três momentos históricos que caracterizam
fases marcantes e distintas. A primeira fase destaca as formas de aprendizado da capoeira
existentes no período em que esta foi amplamente criminalizada, do ano de 1890 até o
início de seu processo de descriminalização, em 1937. Posteriormente, alcança o período
conhecido como “escolarização da capoeira”, em que são formadas as primeiras academias
oficiais e institucionalizadas, destacando principalmente as vertentes da capoeira regional,
de Mestre Bimba, e capoeira angola, codificada por Mestre Pastinha. Por último, recorta o
período que vai da década de 1980 até os nossos dias, ou fase contemporânea da capoeira,
52
em que podemos observar o crescimento e difusão da capoeira baiana (regional e angola)
por todo o Brasil e o mundo, numa proliferação de grupos e vertentes.
Desde o período colonial brasileiro, a capoeira foi considerada uma prática
marginal, e os seus participantes apresentados como delinqüentes que a sociedade devia
vigiar, controlar e punir. Como não havia academia organizada, a reunião dos capoeiras se
dava em torno dos acontecimentos festivos ou nos ambientes de trabalho, durante as horas
de descanso, assim como nas ruas, botequins e quitandas.
Esta característica informal e não-profissionalizante dos capoeiras desta época vai
marcar profundamente o modo como as práticas de aprendizado foram concebidas.
Perseguidos pela sociedade oficial e legal, sua organização era móvel e dinâmica,
dissimulada e malandra.
A capoeira era aprendida e desenvolvida no dia-a-dia do trabalho, festas e disputas.
Carregando seus instrumentos e armas, caso fosse preciso usá-las, os capoeiras se dirigiam
para a rua, onde praticavam sua arte e desenvolviam suas habilidades. Como não havia um
lugar específico para o treino e o jogo da capoeira, o ensino e a transmissão das tradições
desta arte giravam em torno de espaços abertos e públicos. Um lugar especial de treino,
registrado por fotógrafos como Pierre Verger e Marcel Gautherot, é a praia, marca das
cidades portuárias onde a capoeira se desenvolveu, território por excelência da vadiação.
Consideradas ilegais e principalmente imorais, tais relações de ensino e
aprendizagem se davam num ambiente de enorme cumplicidade e dissimulação. A capoeira
vivia uma relação ambígua com o espaço, sendo por um lado pública e por outro lado
dissimulada, com rigorosas estratégias de acobertamento. É nesse cenário que os aprendizes
da capoeira deveriam se inserir para aprender a arte.
Uma primeira e importante característica desta forma de aprendizagem é a relação
entre o mestre e o aluno. Como não havia espaços institucionais específicos para o treino e
o cultivo da capoeira, o aprendiz deveria se vincular diretamente aos mestres e praticantes.
Seu engajamento na capoeira teria que ser pleno, aproveitando sempre as oportunidades
para extrair um certo conhecimento dos mestres. Aprendia-se nos terreiros abertos, em
frentes às quitandas, botequins, festas e até mesmo no quintal das residências. Sobre isto
afirmou Waldeloir Rego:
53
Não havia Academias de capoeira, nem ambiente fechado,
premeditadamente preparado para se jogar capoeira. Antigamente, havia
capoeira onde havia uma quitanda ou uma venda de cachaça, com um
largo bem em frente, propício ao jogo. Aí, aos domingos, feriados e dias
de santos, ou após o trabalho se reuniam os capoeiras mais famosos, a
tagarelarem, beberem e jogarem capoeira66.
Outra característica muito importante desta forma singular de aprendizado é a
inexistência, por parte dos mestres, de uma metodologia ou pedagogia específica para a
transmissão de sua arte. Pode-se dizer que o mestre não privilegiava uma técnica de ensino
formal. Além disso, seu objetivo era vadiar e jogar, não especificamente ensinar. O foco
não era o aprendizado ou a transmissão. O mestre não era um professor no sentido estrito
da palavra. Ele só ensinava se o aprendiz se mantivesse atento, observando e arriscando-se
a realizar os principais movimentos. De algum modo, o aprendizado ficava a cargo do
aprendiz que, engajado na capoeira, inseria-se a partir da observação e da vivência de suas
rotinas.
O aprendizado da capoeira se produzia por “oitiva”, ou seja, sem método ou
pedagogia formalizada. Através da vivência do jogo, de sua observação, o mestre
introduzia os jovens interessados no universo da capoeira. Conforme explicou Frede Abreu,
“era na roda, sem a interrupção de seu curso, que se dava a iniciação, com o mestre
pegando nas mãos do aluno para dar um volta com ele”67.
O aprendiz convivia desde o início com as situações próprias do jogo, através de
exemplos concretos e reais da prática da capoeira. O lugar por excelência do aprendizado
da capoeira era a experiência concreta e encarnada das rodas de rua, onde o aprendiz tinha
que encontrar um lugar na tradição. Outra característica importante era a relação dos
jogadores iniciados com os recém-chegados à roda. Os mais experientes não tratavam o
jogador como principiante, exigindo deste postura de um capoeira. É na roda que se
aprende, e entrando nela o aprendiz não tinha facilidades, não lhe era dado o privilégio de
ser principiante. Diante de tremendas exigências, o aprendiz teria que estar sempre atento e
se virar de algum modo com os golpes que lhe chegavam. Mestre Waldemar, importante
66 REGO, Valdeloir. Op. Cit. pp. 35-36.
67 ABREU, Frederico José de. Op. Cit. p. 20.
54
capoeirista da Bahia, descreveu assim o seu encontro e aprendizado em 1936, em Periperi,
subúrbio ferroviário de Salvador:
Eles (os mestres) vinham para Periperi, aquela roda danada. Foi
quando eu peguei a aprender com eles. Eu era rapazinho. Comprava
duzentos reis de vinho tinto, aquele copo branco de alça, ele tomava e
dizia: ‘pegue na boca de minha calça!’ Eu levava pra pegar na boca da
calça dele e ele virava aquela cambalhota desgraçada e já cobria [com] o
rabo de arraia. Quando eu ia levantando ele dizia: ‘não levante não, lá vai
outro!’ Os alunos deles jogavam com a gente como que [se] a gente já era
[fosse] bom”68.
Neste jogo, não há lugar para atitudes de principiantes, ao entrar na roda o aprendiz
é tratado como capoeirista, jogando como se já soubesse jogar. O que significa que, para os
mestres tradicionais, a postura do discípulo não pode ser passiva, pois só a partir da prática,
através das rasteiras e golpes, pode aprender a se esquivar, experimentando concretamente
os movimentos, suas falhas e acertos.
Outra característica importante era que nenhum mestre deste período vivia do
ensino da capoeira, o que facilitava uma relação de proximidade com seu mestre. Muitas
vezes essa proximidade era tão grande que o aprendiz acabava freqüentando os espaços
familiares e até aprendendo as profissões dos mestres. Sobre estas situações reais e
concretas do dia-a-dia, vivenciadas pelos aprendizes da capoeira antiga, escreveu Abib:
Às vezes, esse aprendizado se dava também individualmente, nos
quintais e terreiros das casas, onde a proximidade entre o mestre e o
aprendiz era um fator essencial. Muitas vezes, como lembra o mestre
Moraes – coordenador do Grupo de Capoeira Angola Pelourinho, em
Salvador – em seu depoimento, o aprendiz de capoeira era também
aprendiz de ofício do seu mestre de capoeira, que podia ser um
marceneiro, um sapateiro ou um artesão, profissões comuns entre os
mestres de capoeira de antigamente. Moravam no mesmo bairro e tinham,
geralmente, a mesma situação econômica, pois eram oriundos da mesma
68 Apud ABREU, Frederico José de. p.16.
55
classe social. A convivência entre mestre e aprendiz era então um fator
que auxiliava muito o processo de aprendizagem da capoeira69.
Diferente das práticas formais de aprendizagem, nas quais o vínculo do aprendiz e
do professor é estritamente ligado às habilidades a serem desenvolvidas, cujos exercícios
devem ser repetidos exaustivamente de modo serial e descontextualizado, para somente no
futuro serem realizados em seu conjunto; a capoeira, tal como é ensinada neste momento de
sua história, prioriza desde o início um aprendizado encarnado, em que o aprendiz se vira
para, “de oitiva”, ouvindo, observando e vivenciando, desenvolver nas situações reais o seu
jogo.
Os aprendizes da capoeira recebiam instruções e dicas dos seus mestres, mas estas
instruções não se reduziam a regras gerais, modelos ou código de condutas. Durante as
rodas ou nas conversas do cotidiano, os mestres instruíam os aprendizes, mas era a
experiência do aprendiz que guiava as instruções do mestre e não o contrário. Pois na
tradição, o conhecimento não é um patrimônio formal, mas algo que auxilia na resolução de
problemas concretos do dia-a-dia.
Se a relação com o mestre é direta, o ensino não é responsabilidade direta do
mestre. O mestre não ensina diretamente, ele apenas ajuda a criar as condições propícias
para que o aprendiz experimente jogar, cantar, tocar e vadiar. Nesta forma de prática é o
aprendiz que, de algum modo, é o responsável direto pelo processo de aprendizado. Suas
motivações e engajamento nas rodas e grupos de capoeiragem são o que o tornam um
capoeira.
Era no ambiente ao mesmo tempo perigoso e festivo que os mestres antigos da
capoeira ensinavam e transmitiam o conhecimento, sem escolas formais, grupos com
estatutos, uniformes e métodos específicos. A vadiação da capoeira reinava sem muita
visibilidade institucional nas bordas da ilegalidade. Aprender capoeira estava de alguma
maneira vinculado a práticas diversas e múltiplas que, criativamente, dissimulavam-se para
se manter numa sociedade que não só não as reconhecia como as criminalizava.
69 ABIB, Pedro Rodolpho Jungers. Capoeira Angola: cultura popular no jogo dos saberes na roda. Tese de
doutorado. Campinas, SP: Universidade Estadual de Campinas, 2004. p. 89.
56
Da rua para a academia: o nascimento das primeiras escolas de capoeira
Após anos de criminalização e marginalidade a capoeira aos poucos, principalmente
a partir da década de 20 do século passado, vai sendo absorvida pela sociedade formal
brasileira. Tal absorção permitiu que experimentasse inúmeras transformações. Dessas,
interessa descrever o surgimento das primeiras escolas ou academias de ensino e
aprendizagem de capoeira. O primeiro mestre a abrir uma escola de capoeira foi mestre
Bimba (Manuel dos Reis Machado), em 1932, na cidade de Salvador – BA, no Engenho
Velho de Brotas. Por volta de 1937, consegue o primeiro registro oficial do governo para
sua academia. A Secretaria da Educação, Saúde e Assistência Pública registra sua academia
como uma escola de educação física, com o nome de Centro de Cultura Física e Capoeira
Regional, destacando o papel desportivo e marcial da arte.
Mestre Bimba nasceu em 23 de novembro de 1899 no bairro do Engenho Velho,
freguesia de Brotas, em Salvador. Seu pai era praticante do batuque, antiga tradição de
disputa e luta, em que dois jogadores, reunidos numa roda, disputam um combate à base de
pernadas e rasteiras. Um deles unia firmemente as duas pernas, permanecendo imóvel. O
outro buscava, através dos golpes, desequilibrar o oponente, que se esforçava para se
manter no lugar sem cair ou se deslocar da base. Tudo isso acompanhado de cantigas
marcadas por palmas, tambor e pandeiro.
Aos doze anos de idade, Mestre Bimba é iniciado na capoeiragem pelo africano
Bentinho, capitão da Cia. de Navegação Baiana. Iniciando, portanto, seu aprendizado da
arte da capoeiragem do “modo antigo”, freqüentando as rodas nas festas e feiras populares,
jogando nas horas vagas de seu trabalho como estivador no cais do porto, na rua onde
executava pequenos serviços, enfim, freqüentando os espaços públicos de Salvador. É
justamente com esta tradição que Mestre Bimba buscará uma ruptura, inventando a
capoeira regional baiana. Segundo ele, a capoeira deveria se transformar para se inserir na
sociedade. Estas transformações deveriam abandonar toda e qualquer vinculação da
capoeira com a vida malandra, enfatizando os seus aspectos desportivos e marciais. Mestre
Bimba tenta, portanto, transformar a capoeira numa ginástica genuinamente nacional.
A capoeira regional nasce tentando buscar um rompimento com a imagem do
capoeira vadio e desordeiro em nome do capoeira como um desportista saudável e
57
disciplinado. A construção de uma academia, reconhecida oficialmente pelo Estado, em que
a prática e o treino da capoeira são realizados, foi a forma encontrada por Mestre Bimba
para levar esta tradição para além dos bairros populares. Deste modo, a capoeira regional
começa a atrair o interesse cada vez maior de um público diversificado, de diversas
camadas sociais, com destaque para estudantes universitários. Este movimento de Mestre
Bimba vai, de certo modo, ao encontro do projeto de construção de uma identidade
brasileira, que desembocará no Estado Novo. Movimentos semelhantes ocorrem com o
samba e o candomblé. Esta confluência de interesses políticos é aproveitada por Mestre
Bimba e sua nascente capoeira regional.
Outra marca empreendida por Mestre Bimba é a necessidade de afirmar o caráter
marcial da capoeira. Mestre Bimba realiza uma análise pessimista em relação aos caminhos
que a capoeira tradicional vinha percorrendo, em que os contornos alegóricos e
exibicionistas são por ele questionados. Para ele, os aspectos marciais da capoeira estariam
cedendo espaço para um jogo cada vez mais lúdico e alegórico. Nesse sentido, a capoeira
regional dará destaque à eficiência do combate marcial, misturando movimentos da
capoeira antiga, conhecida como capoeira angola, com o batuque, e principalmente
incorporando movimentos de ataque e de defesa de outras artes marciais, como o jiu-jitsu.
Modificações que promoveram a capoeira regional como uma singular e eficiente arte
marcial de origem brasileira.
Com o intuito de propagar a eficiência da capoeira regional enquanto combate,
Mestre Bimba e alguns de seus principais alunos começam a participar de torneios e lutas,
enfrentando oponentes de diversas modalidades marciais. A violência da capoeira, que
antes era exercida nas ruas, muitas vezes em combates com a polícia, passa agora a ser
realizada num ringue, com regras e juízes credenciados. O resultado dessas disputas, muitas
vezes favoráveis à capoeira regional, chega aos principais jornais da época. No entanto,
vale lembrar que muitos angoleiros também buscaram o ringue como forma de afirmação
da sua arte.
Mestre Bimba e sua capoeira passam a ser reconhecidos, e sua academia procurada
cada vez mais por jovens interessados em aprender esse esporte marcial nacional. Deixando
de lado o sentido lúdico, malandro e vadio, a capoeira regional se desenvolve como uma
prática desportiva e sistemática de luta. Ainda assim, nos anos posteriores, ocorre seu
58
afastamento dos ringues de luta. Mestre Bimba começa a restringir os embates dos
capoeiras às rodas. Não interessava mais desafiar e ser desafiado em lutas com outras
modalidades, mas afirmar a particularidade da capoeira enquanto uma luta esportiva, cujas
regras deveriam ser respeitadas. Tal posicionamento ainda mantém intacto o valor marcial
de defesa e ataque da capoeira, mas enfatiza a necessidade de treinar e jogar apenas com os
próprios capoeiristas, segundo os critérios e regras da capoeira. Sua escola se desenvolve, e,
no final da década de 40, as relações sociais de Mestre Bimba encontram-se ampliadas,
liderando assim o movimento de escolarização da capoeira na Bahia. Sobre este movimento
de retirada da prática da capoeira das ruas e espaços públicos para os espaços privados das
academias, nos fala Pires:
A roça do lobo era um fundo de quintal, um terreiro. Esse local
aparece nos primeiros movimentos de retirada da capoeira das ruas para
levá-la até o que é hoje, em sua forma de organização de base: as
academias, instituições sócio-culturais, enquadradas em uma demanda
comercial. Bimba fundou a roça do lobo nos anos 40, e uma reportagem,
que relaciona Bimba à cultura negra, escrita por Ramagem Badaró, em
1944, nos dá uma visão desse local de treinamento70.
Através da capoeira regional, Mestre Bimba implementa uma padronização e
institucionalização da prática da capoeira, com a criação de estatutos, manuais de técnicas
de aprendizagem, descrição objetiva dos golpes, toques e cantos, utilização de uniformes e
indumentárias especiais, entre outras coisas. No que diz respeito ao aprendizado da
capoeira regional, podemos perceber a inclusão, nesta prática, de todos os referenciais
pedagógicos e educacionais de uma escola tradicional.
O espaço de aprendizado é agora um ambiente fechado, uma academia, onde são
desenvolvidas rotinas sistemáticas de treinos e atividades voltadas para o aprendizado da
capoeira, acompanhadas por um rígido sistema de avaliações. As rodas passam a ser o lugar
em que os aprendizes podem aplicar o que treinaram. Nestas rotinas, Mestre Bimba inclui:
exame de admissão, seqüências básicas de ensino, seqüências de cintura desprezada,
batizado, formaturas, cursos de especialização e toques de berimbau. De certa maneira,
70 PIRES, Antônio Liberac. Op. Cit. p.51.
59
Mestre Bimba contrapôs aos velhos jeitos de se ensinar, por ele denominado “oitiva”, um
método didaticamente articulado de ensino da capoeira.
Mestre Xaréu, aluno de Bimba, explicou que o exame de admissão se resumia a três
exercícios básicos - cocorinha, queda de rins e ponte -, cuja finalidade era verificar o
equilíbrio, força e flexibilidade do jovem aprendiz71. Mestre Bimba dizia que, ao contrário
dos meninos que aprendiam capoeira na rua, que traziam consigo no corpo toda a ginga
referente à pratica da capoeira, a maioria dos seus alunos desconhecia completamente esses
movimentos. Sendo assim, seria necessário um exame adicional para verificar aspectos
básicos do corpo dos recém-chegados à academia. As seqüências que inventou foram o
primeiro método de ensino da capoeira. Trata-se de uma série de movimentos de ataque,
defesa e contra-ataque que podia ser ministrada para iniciantes numa forma simplificada.
A repetição levaria o aprendiz a realizar determinadas seqüências mínimas
necessárias para um jogo. Mestre Bimba acreditava que a prática desses exercícios com
afinco e regularidade levaria o aluno, no final de mais ou menos um mês, a estar apto para
jogar capoeira com relativa eficiência e segurança. É claro que este recém praticante não
estaria totalmente pronto, mas a técnica permitiria que ele pudesse se iniciar nas rodas. Na
seqüência de cintura desprezada, utilizava balões e um conjunto de movimentos ligados,
também conhecidos como projeções, em que o capoeirista projetava os companheiros para
o alto e estes deviam cair em pé ou agachados, jamais sentados. Seu objetivo era
desenvolver autoconfiança, responsabilidade, agilidade e destreza.
O batizado é um dos momentos de grande significado para o aluno, já que após
todos esses treinamentos iniciais ele será apresentado ao grupo e poderá participar pela
primeira vez de uma roda. Coloca-se em cada calouro um nome de guerra, que passa a ser a
sua identidade no grupo. Para seu jogo de estréia, é escolhido um aluno veterano, que na
qualidade de padrinho, entra na roda para desafiar o calouro. No fim do jogo, o mestre, no
centro da roda, levanta a mão do calouro, pronuncia seu apelido e apresenta-o para a
comunidade. A partir desse momento, o aluno poderá participar das atividades regulares do
grupo. Sua aprendizagem começa, na verdade, com o batizado.
71 Ver CAMPOS, Hélio (Mestre Xaréu) Capoeira na universidade: uma trajetória de resistência. Salvador:
SCT, EDUFBA, 2001.
60
Após todo percurso de desenvolvimento das habilidades básicas do jogo da capoeira
regional, realizando com eficiência e plasticidade os repertórios de golpes, toques dos
instrumentos e cantos, o aluno pode se formar. A formatura é um dia especial para o mestre
e seus alunos. Trata-se de um ritual semelhante à formatura de qualquer escola de ensino
formal, com direito a paraninfo, orador, madrinha e medalha. No início, Mestre Bimba
realizava a festa de formatura no Sítio Caruano, no Nordeste de Amaralina, na presença de
convidados e de toda a academia regional baiana. Os formandos, todos de branco, eram
chamados por Mestre Bimba e, diante de todos, exibiam seus repertórios de movimentos,
toques e cantos. Ao final dessa exibição, os iniciantes deveriam passar pela prova de fogo,
jogando com um capoeirista graduado, ritual que ficou conhecido como “tira medalha”.
Neste desafio, o graduado tentaria tirar a medalha do peito do formando com os pés,
manchando assim a roupa e a dignidade deste. Se no final do jogo a medalha estivesse
ainda no peito do formando, este era considerado pela escola regional baiana como
formado. Por último, eram realizadas atividades festivas com apresentações de maculelê,
samba de roda, samba duro e candomblé.
O curso de especialização foi criado por Mestre Bimba para ser realizado
secretamente com os seus principais alunos. Tinha como objetivo aprimorar golpes de
defesa e de ataque advindos de adversários perigosos e bem treinados e era dividido em
dois módulos. O primeiro deles, com duração de 60 dias, era realizado dentro da academia,
onde Mestre Bimba desenvolvia estratégias de combate específicas e sofisticadas. O
segundo também durava 60 dias e era realizado na Chapada do Rio Vermelho, e tinha como
principais atividades as chamadas “emboscadas”. Seus alunos veteranos eram colocados na
mata com o objetivo de, à espreita, aguardar a passagem do aluno especialista. A meta dos
alunos que buscavam a especialização era chegar a um determinado ponto específico,
lutando com “soldados” que sorrateiramente o emboscavam. Ao final do curso, Mestre
Bimba realizava uma festa nos moldes da formatura e entregava aos seus alunos de elite um
“lenço vermelho”.
Com interesse em inserir esta prática tradicional da cultura popular brasileira nas
esferas oficiais da sociedade brasileira, a capoeira regional de Mestre Bimba assume um
perfil específico de uma prática desportiva e marcial com elementos culturais e artísticos -
música e dança. Sua capoeira era organizada nos moldes de uma atividade física e marcial,
61
cuja escola obedecia a rígidas técnicas de ensino e avaliação, que permitam ao aprendiz
realizar, a partir de seus treinamentos, os movimentos e habilidades próprios deste jogo.
Treinamentos divididos, tal como na escola ou nas forças armadas, em etapas
hierarquicamente bem definidas, nas quais determinados objetivos deviam ser alcançados
ao final.
Para isso, eram estabelecidos rigorosos exames de avaliação. Essa sistemática
estruturação do ensino da capoeira leva a uma mudança radical no perfil dos jogos, ritos e
rodas. A ênfase agora é atlética, esportiva e marcial, predominando o espírito competitivo
de esforços individuais na busca de superações. Essa preocupação competitiva da capoeira
regional muitas vezes tem levado, como veremos mais adiante, a uma perda de marcas da
capoeira antiga, dos aspectos culturais de caráter mítico, de malandragem e vadiação. Há
uma redução desta tradição a seus aspectos atléticos e marciais, próprios das escolas ou
academias de educação física.
Aproveitando o caminho aberto por Mestre Bimba, Mestre Pastinha funda, em
1941, o CECA. Nascido em 1889, na cidade de Salvador, Pastinha, segundo seus relatos,
iniciou seu processo de aprendizado da capoeira por volta dos seus 10 anos. Seu mestre foi
Benedito, um negro natural de Angola. Do mesmo modo que Bimba e tantos outros
mestres, Pastinha aprendeu a capoeira “de oitiva”, freqüentando e vadiando nas rodas da
cidade de Salvador. Durante toda a sua adolescência, freqüentou a Escola de Marinheiros
onde, segundo seu relato, ensinou capoeira nas horas vagas para seus colegas de arma. Saiu
da Marinha aos 20 anos. Trabalhou de engraxate, vendendo gazetas, no garimpo e na
construção do porto de Salvador.
Assim como Mestre Bimba, Mestre Pastinha não via com bons olhos o momento
que a capoeira baiana atravessava no início do séc. XX, cercada de grupos desordeiros e de
violentos embates entre si e com a polícia. Práticas que, na sua visão, não traziam nenhum
benefício para a ascensão social da capoeira. A situação de ilegalidade e perseguição em
que se encontrava impedia que a arte desenvolvesse todas as suas potencialidades. Para ele:
...a capoeira que veio com os africanos no tempo da colonização não
teve maior desenvolvimento por razões óbvias. Os negros africanos, no
Brasil colônia, eram escravos e nessa condição tão desumana não lhes era
permitido o uso de qualquer espécie de arma (...) viu-se nessas
62
circunstâncias, a capoeira, tolhida em seu desenvolvimento, sendo
praticada às escondidas ou disfarçada cautelosamente com danças e
músicas de sua terra natal 72.
Neste sentido, tal como Mestre Bimba, Mestre Pastinha pautará sua vida tentando
achar caminhos oficiais que permitissem retirar a capoeira do gueto em que ela se
encontrava. Ambos os mestres aprenderam capoeira na rua e vivenciaram todas as
características desta época, tendo inclusive problemas com a polícia, no entanto, ambos,
insatisfeitos com este estado de coisas, procurariam, cada um a seu jeito, modificá-lo.
Essa desilusão com a capoeira faz com que Mestre Pastinha fique mais ou menos 20
anos afastado da capoeira, entre as décadas de 1920 e 1940. Após esse tempo, reencontra a
capoeira de outro modo. Sua prática já não é proibida nem violentamente reprimida pela
polícia, já existem centros ou academias oficiais de cultivo e treinamento desta arte, e a
sociedade como um todo já começa a olhar para a capoeira e seus integrantes de modo
menos resistente.
Outro centro importante de capoeira angola formado nesta época foi o terreiro de
Mestre Waldemar. Situava-se na rua Pero Vaz, no bairro da Liberdade. Um barracão
construído de madeira, com cobertura de palha, cercado por ripas de madeira que
separavam os jogadores do restante da platéia. Neste lugar, eram realizados treinos, rodas
de capoeira, de candomblé e outros tipos de encontros festivos. Assim como Mestre
Waldemar, destacam-se também os mestres Caiçara, Canjiquinha, Cobrinha Verde, entre
outros que pertencem ao bastião da capoeira angola dessa época.
É neste cenário que, no início da década de 1940, Mestre Pastinha retorna
assumindo a direção do CECA, em que permaneceu até sua morte, em 1981. Neste longo
tempo de dedicação à capoeira angola, ele ajudará de modo marcante a definir os
fundamentos desta prática de capoeira até os nossos dias. Possuindo características
próprias, a capoeira angola não poderia se misturar com as outras práticas desportivas e
marciais como o judô, jiu-jitsu, luta livre, entre outras. Mestre Pastinha aponta:
É lógico que nos referimos à Capoeira Angola, a legítima capoeira
trazida pelos africanos, e não à mistura de capoeira com boxe, luta livre
72 PASTINHA, Mestre. Op. Cit. p.31.
63
americana, judô, jiu-jitsu etc. que lhe tiram suas características, não
passando de uma modalidade mista de luta ou defesa pessoal onde se
encontram golpes e contragolpes de todos os métodos de luta
conhecidos73.
Mestre Pastinha buscava diferenciar a capoeira angola da capoeira regional, que se
difundia cada vez mais. Referenciado pela ancestralidade africana, se referia à modalidade
angola como “capoeira mãe”. Defensor radical de sua arte, Mestre Pastinha acreditava que
o aluno não podia, de modo algum, dedicar-se a treinamentos atléticos e marciais
impróprios à prática da capoeira. Estes movimentos, toques, e cantos devem ser
vivenciados a partir de todas as performances ritualísticas.
Ciente das dificuldades em manter estes rituais, Mestre Pastinha avalia ser
necessário constituir, em seu centro de capoeira angola, regras e hierarquias que possam
ajudar no aprendizado. Incorpora à prática da capoeira e seus treinos regras novas. Na roda,
apresenta a figura do juiz, ou daquele que responde pela organização desta, mantendo-a
dentro dos fundamentos da capoeira.
Na rotina diária do Centro, Mestre Pastinha cria funções específicas ocupadas por
capoeiristas mais avançados, responsáveis pela orquestra, instrutores de movimentos –
chamados “trenel” –, arquivistas, contra-mestres e mestres. Escolhe um uniforme que
passará a identificar os seus alunos, calça preta e camisa amarela, em homenagem às cores
de seu clube de coração: Ypiranga Futebol Clube. Impede seus alunos de jogarem
descalços e sem camisa. Proíbe alguns movimentos. Enfatiza o lado lúdico e artístico da
capoeira, destacando os treinos de cantos e toques de instrumentos. Define a “bateria” ou a
“orquestra” com três berimbaus (gunga, médio e viola), dois pandeiros, um atabaque, agogô
e reco-reco. Destaca a importância dos toques e cantos na condução dos ritmos do jogo.
Enfatiza a necessidade de desmistificar a capoeira como a arte dos valentões, mostrando
que aquela não deveria ser exercida pela valentia, mas pela busca da integridade física e
espiritual. Se necessário, a capoeira seria uma excelente arte de defesa e ataque, mas seus
fins principais não podiam ser estes. Destaca a necessidade dos valores éticos e políticos da
73 Idem. p.35.
64
capoeira, como a lealdade aos companheiros e à capoeira, a obediência às regras principais
do jogo, e a construção coletiva e social destas.
Busca na tradição conceitos centrais, como “malícia”. Ser angoleiro para Pastinha é
usar o tempo todo a malícia, nos golpes, nas defesas e contra-golpes. Iludir o adversário
sempre que possível, evitando assim movimentos mecânicos e previsíveis. Dessa forma,
destaca no aprendizado da capoeira condições para que cada aprendiz desenvolva estilos
próprios de dissimulação, beleza, continuidade e elegância em seus movimentos, toques e
cantos. Seus treinos não visam a uma repetição dos exercícios, mas a uma expressão de
estilos próprios. Para Mestre Pastinha, ninguém joga igual a ninguém. Mesmo dentro de um
jogo de movimentos e golpes definidos, é a expressão destes que marca a singularidade e o
estilo de cada jogador.
Diante de todas as características acima mencionadas, podemos destacar a
importância da ritualística na capoeira angola, elemento principal na transmissão do saber.
Mestre Pastinha elaborou com minúcias os procedimentos de entrada e saída do jogo, a
importância das chamadas de mandinga – quando os oponentes paralisam o jogo num
desafio de intensa representação simbólica –, a relação estreita entre os toques e cantos com
o tipo de jogo, entre outras coisas. Deste modo, é buscada a manutenção dos referenciais
dos rituais afro-descendentes. Tratando a capoeira como um rito, Mestre Pastinha busca
impedir a sua total absorção pelas práticas físico-desportiva-marciais. A capoeira é sem
dúvida uma atividade física, um esporte e uma luta, mas é também uma reza, um lamento,
uma brincadeira, uma vadiação, uma dança, um canto, uma comunhão. Mestre Pastinha
busca com isso aproveitar os novos espaços que a sociedade do seu tempo finalmente abriu
para a capoeira, sem com isso aderir plenamente às mudanças impostas a ela por estes
novos espaços.
O aprendizado da capoeira angola que Mestre Pastinha ajudou a construir
incorporou às formas antigas do aprendizado da capoeira elementos próprios das escolas
formais. Como um estatuto, cartilhas de procedimentos, treinos e exercícios específicos,
hierarquias e rotinas. O descompromisso alegre da vadiação, a malícia ácida da
malandragem, a espiritualidade dos rituais religiosos, a beleza das danças e toques, a
celebração e a comunhão de um povo não cabem em técnicas ou conceitos. Por isso, a
escola de Pastinha tenta fundamentar sua transmissão na capoeira antiga, privilegiando a
65
vivência, ou melhor, a convivência entre os capoeiras que, “pegando pelas mãos os
aprendizes”, convidam-nos a penetrar e desenvolver coletivamente os múltiplos aspectos
desta rica tradição. O desafio de mestre Pastinha talvez seja conciliar o novo das técnicas e
procedimentos das escolas formais com os ritos e mandingas da antiga capoeira.
O aprendiz tem que tomar para si a responsabilidade de sua aprendizagem. É ele
quem deve ditar o ritmo. Para Mestre Pastinha, um bom aprendiz não é o que obedece
cegamente ao mestre, mas aquele que busca tomar atitudes próprias. O capoeirista, para
fortalecer sua academia ou grupo, deve chamar para si a responsabilidade, tornando-se mais
atento, vigilante e convicto. Ao mestre caberia a função de orientá-lo neste caminho.
Algumas trajetórias da capoeira nos dias atuais
Entre os anos 30 e 80 do século passado, a capoeira viveu mudanças que
fundamentaram a capoeira contemporânea. As escolas de capoeira baiana, principalmente
as vertentes da regional de Mestre Bimba e a angola de Mestre Pastinha, expandem-se
alcançando o Brasil e o mundo. Destas sementes nascerão diversos grupos, cuja filiação aos
dois estilos nem sempre será explícita, mas talvez seja certo dizer que implicitamente a
capoeira, tal como ela hoje se apresenta, deve em muito às duas escolas. Essa herança é
percebida na organização em grupos e academias específicas para a prática da capoeira.
Podemos perfeitamente dizer que a capoeira antiga, que existia de modo informal,
vinculada diretamente a um “ethos” muito próprio das cidades e de suas comunidades,
praticamente desaparece. A rua, as quitandas e festas públicas vão cedendo lugar para as
academias e espaços privados da prática da capoeira. O aprendiz agora deve se matricular
numa escola ou grupo de capoeira, freqüentando regularmente esses espaços e respeitando
suas regras e procedimentos. Não se aprende mais ao modo antigo, por “oitiva”, numa
vivência coletiva em espaços abertos e públicos. A rua, que era o espaço próprio para a
vadiação, passou a ser ocupada principalmente para demonstrações, como propaganda dos
grupos privados. Ainda assim, algumas rodas de rua permanecem célebres, como a Roda
Livre de Duque de Caxias (RJ). De qualquer maneira, os grupos de capoeira ganharam
contornos de instituições, na maioria das vezes informais, que se proliferam com nomes,
uniformes e regras de procedimentos particulares.
66
A capoeira angola, diante dos desafios de enquadrar-se aos novos tempos sem
perder o contato com as tradições, experimenta uma difusão mais tímida, atravessada por
inúmeras crises. Já a regional, como proposta modernizadora, alcança um crescimento
ampliado e diversificado.
Um dos motivos mais marcantes do crescimento da capoeira regional é a
assimilação das práticas físicas e esportivas. Tratada como um genuíno esporte nacional, a
capoeira regional se infiltra rapidamente nas escolas, no currículo das universidades de
educação física, nas academias militares, assim como nas academias de musculação e
ginástica.
Mestre Xareu, num livro recente, intitulado Capoeira na universidade: uma
trajetória de resistência, vem indicando a trajetória da capoeira regional em direção à
escolarização. A partir de 1972, o “esporte” capoeira estreita suas relações com a formação
dos educadores físicos. Assim:
Mestre Carlos Senna, ex-aluno de mestre Bimba, um defensor
ferrenho da capoeira esporte e fundador da Senavox (Centro de Pesquisa,
Estudo e Instrução de Capoeira, fundado em outubro de 1955), em 1980,
publicou um inusitado trabalho denominado Capoeira: arte marcial
brasileira. Essa publicação mostra a preocupação do autor com os
exames, corpo docente, regulamento de competição e súmulas. Ele
fundamenta, também, seu projeto nos valores educacionais e reconhece
ser a capoeira uma ‘... incomparável forma de educação física ...’74.
Desta maneira, a capoeira penetra nos programas de educação física de três modos:
incluída nos métodos de ginástica tradicional, como conteúdo diferenciado de ginástica
escolar ou como disciplina esportiva de caráter optativo. Destacam-se assim os efeitos da
prática da capoeira sobre a força, flexibilidade, resistência, habilidade específica e
composição corporal.
A perspectiva da capoeira como uma forma completa de educação física deve ser
compreendida, segundo Mestre Xaréu, como um conceito ampliado de atividade física,
contemplando os aspectos da capoeira. Esta passa a ser entendida como um esporte
popular, com vigoroso substrato cultural, que suscitaria nos alunos interesses maiores do
67
que aprender golpes e movimentos. Amplia-se assim o conceito da capoeira para
instrumento completo de educação integral dos jovens estudantes. Sobre isto, diz Mestre
Xaréu:
É importante frisar que o ensino/aprendizagem da capoeira não deve
ser voltado apenas para o aspecto técnico de aprender determinada forma
de luta e de esporte. O ensino de golpes, contragolpes, esquivas e
seqüências deverá ser acompanhado de transmissão de todos os elementos
que envolvem a sua cultura, história, origem e evolução, ao tempo em que
se estimulará a pesquisa, debate e discussão em seminários, para que o
educando tenha participação efetiva no contexto da capoeira como um
todo75.
Este encontro com as escolas formais e suas pedagogias centradas no conhecimento
intelectual tem transformado o ensino da capoeira numa prática pedagógica sistemática, em
que o conhecimento não é construído num ambiente de tradição popular, mas nas
academias dos mestres ou nas cadeiras formais dos bancos universitários.
Neste ponto existe um conflito estabelecido entre o mestre sem formação escolar e o
professor de educação física, considerado apto a substitui-lo. De um lado, o saber da cultura
popular e, de outro, o conhecimento formal e conceitual das universidades.
Nos últimos anos, a capoeira ganhou o Brasil e o mundo, e as escolas
contemporâneas tiveram que se reorganizar a partir de princípios próprios e distintos. Há
uma recuperação dos valores tradicionais da capoeira angola no que tange às formas de
ensino e aprendizado, em que se pretende trazer de volta o método tradicional da “oitiva”,
resistindo a seu modo ao processo de escolarização formal. Desta maneira, estamos diante
de duas tradições de ensino e aprendizado que atravessaram a história da capoeira. O
modelo da escola tradicional, voltado para a sistematização, racionalização e competição,
em que o importante é o resultado ou a eficiência do processo de aprendizado, e o modo
inspirado na forma antiga de aprender, na qual a vadiação, a brincadeira e a estética
tornam-se base.
74 CAMPOS, Hélio. Op. Cit. p.70.
75 Idem. p. 87.
68
Não é justo afirmar que a capoeira angola é o patrimônio da forma antiga de
aprender e a capoeira regional da forma escolar e formal, mas apenas constatar nelas o que
historicamente se apresenta como forma hegemônica de aprender e ensinar. Existem grupos
e grupos de capoeira angola e regional. Se olharmos bem de perto para cada um deles,
poderemos perfeitamente encontrar, no aprendizado do dia-a-dia, marcas destas duas
tendências, com uma predominância do modo escolar e formal. A história e a tradição da
capoeira e de suas formas de aprendizado ainda continuam abertas, num jogo incompleto
sem vencedor ou vencido.
3. Descrição das rodas de capoeira
Etnografia e performance
Apesar do advento das escolas de capoeira, as rodas permanecem como espaços não
apenas do jogo, mas também do aprendizado. Afinal, quando se joga também se aprende e,
além disso, alguns mestres ainda mantêm o antigo hábito de passar lições durante o ritual.
No entanto, é difícil precisar o período em que as rodas se converteram em marca da
capoeira.
Estas se tornaram característica da capoeira a partir da Bahia. Enquanto no Rio de
Janeiro as maltas eram duramente perseguidas, principalmente com a criminalização de
1890, na capital baiana a prática era mais tolerada, o que pode ter contribuído para o
desenvolvimento das rodas como uma expressão ritual que combina música, luta, dança e
engendra uma série de significados simbólicos e mítico-religiosos.
Na Bahia, as rodas se tornaram famosas como espaços de “vadiação”, brincadeira e
lazer. Aconteciam próximas a biroscas e botequins, regadas a cachaça, muitas vezes
distribuída pelo próprio dono do estabelecimento, como espécie de contrapartida ao fato do
jogo atrair público e fregueses.
As rodas também faziam parte das festas religiosas de largo, porque os capoeiristas,
em sua maioria, freqüentavam candomblés e igrejas, eram devotos de santos e orixás. Esta
relação estreita pode ser uma das explicações para o oferecimento de comida durante as
69
rodas de capoeira festivas, aquelas que comemoram determinada data ou evento. As
celebrações realizadas pelas escolas, grupos e academias vão desde a comemoração pela
passagem de aniversário dos mestres responsáveis por essas instituições a rodas em
memória daqueles que já partiram e deixaram um legado no meio social. Outras ainda são
realizadas em datas comemorativas, eventos que são a síntese de todo o processo que se
realiza na formação, na organização, nas aulas e nos princípios aprendidos. Como explica o
Mestre Curió:
Tenho alunos em diversos países com grupos estruturados, onde
anualmente viajo para dar uma assistência mais de perto. Todos os anos
fazemos o Evento da Escola, que é um momento de encontro e de
discussões com temas de interesse não só para a capoeira angola, mas
também para a comunidade negra. Nesse Evento, oferecemos um grande
Caruru para os presentes, homenageamos os alunos mais destacados,
efetuamos a tradicional troca das carteiras e realizamos o ritual do apelido
com os alunos mais novos. Este é o momento de reencontro com mestres
de outras escolas, alunos de outros países, amigos e familiares, é o
momento mais importante da Escola76.
O tradicional caruru oferecido por Mestre Curió, ao contrário do calendário, cujo
dia reservado para os santos é 27 de setembro, realiza-se no dia 26 de janeiro, aniversário
de sua academia: Escola de Capoeira Angola Irmãos Gêmeos de Mestre Curió. O motivo da
devoção é o fato de ter irmão e dois filhos gêmeos.
O caruru, conforme conhecemos hoje em dia, é um prato feito à base de quiabos
cortados em rodelas, camarão seco, castanha ou amendoim e azeite de dendê. É preparado e
servido em ocasiões especiais, como na Festa de Santa Bárbara em Salvador, em que é
chamado de “Caruru de Santa Bárbara”, ou por ocasião do dia de Cosme e Damião, em que
recebe o nome de “Caruru das crianças”, ou “caruru dos erês”.
76 Texto extraído da entrevista realizada por Amélia Conrado e Ricardo Biriba com Mestre Curió (Jaime
Martins dos Santos) em outubro de 2007, para o Inventário para Registro e Salvaguarda da Capoeira como
Patrimônio Cultural do Brasil -IPHAN, em Salvador-BA.
70
71

Em dezembro, por ocasião da Festa de Santa Bárbara, o caruru é servido nas ruas de
Salvador. O caruru de Santa Bárbara também é oferecido a Iansã, que é uma das três
esposas de Xangô, e que segundo o lendário, alimenta-se também da comida predileta do
marido.
Apesar de fora da data usual, o caruru de Mestre Curió segue o modo como os
baianos homenageiam todos os anos, em setembro, São Cosme e São Damião. O trabalho
começa cedo, pois tudo precisa ser feito no dia: caruru, xinxim de galinha, vatapá, arroz,
feijão fradinho, feijão preto, farofa, acarajé, abará, banana da terra frita e os roletes de cana.
Depois, o caruru é servido a sete crianças que comem juntas, com as mãos, numa grande
bacia ou tacho. Os sete meninos correspondem aos sete irmãos: Cosme, Damião, Doú,
Alabá, Crispim, Crispiniano e Talabi. Só após a refeição das crianças, chega a vez dos
convidados participarem da festa.
Na família do Mestre Curió, a tradição do caruru vem dos antepassados. Além da
vontade de prosseguir com a tradição familiar, Mestre Curió decidiu "tomar essa
responsabilidade" pela impressionante coincidência na sua vida, o fato de ter um irmão e
dois filhos gêmeos. O caruru, que ele oferece em janeiro, mês do seu aniversário e do seu
grupo de capoeira, acontece na sua academia para os sete meninos, alunos e convidados e,
depois, em sua própria casa.
Enquanto a capoeira angola manteve uma ritualística semi-religiosa, a capoeira
regional buscou uma forma mais laica. Curiosamente, Mestre Bimba denominou de
batizado o rito de passagem em que seus alunos deixavam de ser iniciantes para serem
iniciados. Além da referência à cerimônia religiosa cristã, nas suas rodas, costumava contar
com a participação de sua esposa, Dona Alice, que era mãe de santo.
Portanto, Mestre Bimba também mantinha ligações com o universo religioso na
prática da capoeira, o que foi deixado de lado pelas gerações posteriores que modernizaram
sua capoeira regional. Embora mantivessem o batizado, transformaram-no numa
demonstração esportiva em que ocorre a mudança das graduações simbolizada nas trocas de
cordel, hierarquização inspirada nas faixas das artes marciais orientais.
No entanto, mesmo as vertentes de capoeira que não privilegiam o aspecto religioso
mantêm o hábito de servir comida aos convidados nas ocasiões de festa, o que, durante a
72
pesquisa de campo, pôde ser observado em ocasiões distintas. Num batizado do Grupo
Senzala, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, pôde ser constatado o oferecimento de
frutas aos presentes. Da mesma forma, na roda de rua de Duque de Caxias, na Baixada
Fluminense, é comum os churrascos que animam os momentos de comemoração.
A roda de capoeira, onde quer que aconteça, continua atraindo rapidamente aqueles
que passam e param para observar, se divertir, ficar em suspense, devido ao jogo de corpo
entre duas pessoas, regido por instrumentos musicais de percussão e cânticos.
Os movimentos e golpes
O acervo gestual da capoeira possui características próprias que variam de acordo
com a vertente do jogador, que por sua vez possui uma expressão própria e individual,
manifestada na roda. Neste lugar, os capoeiristas colocam em prática os golpes e
movimentos que aprenderam nos treinos.
A movimentação da capoeira com certeza se modificou ao longo dos séculos, o que
torna difícil comparar o jogo primitivo com o contemporâneo. Através dos registros
históricos e crônicas, no entanto, é possível identificar alguns movimentos que
permaneceram no decorrer do tempo, como a cabeçada, a rasteira e o rabo-de-arraia.
Um movimento que faz parte de todas as vertentes de capoeira é a ginga,
homenagem dos capoeiristas à Rainha Nzinga, de Angola, guerreira temida por seus
inimigos que ficou conhecida por sua habilidade nas negociações com portugueses e
africanos, ora tendendo a um lado, ora a outro, negociando com malícia no jogo com seus
adversários, mas muitas vezes também agindo de forma violenta contra eles77. A sua
presença na memória dos africanos escravizados é uma das hipóteses para a denominação
do gesto primordial da capoeira.
Embora não seja um golpe, a ginga é o principal movimento da capoeira, o primeiro
que um aluno aprende, dentro ou fora da roda. Consiste num bailado invertido, quando a
77 Ver GLASGOW, Roy. Nzinga – Resistência africana à investida do colonialismo português em Angola,
1582 -1663 . São Paulo, Ed Perspectiva, 1982.
73
mão direita está à frente, o pé esquerdo se encontra atrás do corpo, e vice-versa. É a partir
da ginga que surgem os deslocamentos e golpes. Uma das principais formas do capoeirista
se deslocar durante o jogo é o aú, através do qual o jogador se movimenta de um lado para
o outro usando apenas os braços. Uma outra maneira própria do capoeirista se movimentar
é através da bananeira, quando troca “os pés pelas mãos”, ficando de cabeça para baixo,
sustentado pelos braços e com as pernas tremulando no ar. Vale lembrar que a
nomenclatura dos golpes costuma variar de acordo com o tempo histórico, regiões e
vertentes. A bananeira, para alguns, por exemplo, é chamada de “parada de mão”.
Tanto a capoeira angola como a regional utiliza estes movimentos, mas de maneiras
distintas. É comum associar à primeira uma movimentação mais lenta e próxima do chão,
enquanto que a segunda se caracterizaria por movimentos jogados em pé e mais velozes.
Apesar de em certa medida isto ocorrer, a velocidade e estatura jogada pelo capoeirista
depende de sua condição individual, independente de estilo. Uma peculiaridade do jogo de
capoeira angola, no entanto, é a “chamada”, momento em que um dos jogadores deixa de
dar continuidade à brincadeira e pára em posições diversas, chamando o outro para tocar as
suas mãos. Quando isto acontece dão alguns passos, como numa dança, para depois
retornar à brincadeira. Ainda que seja de difícil explicação, a “chamada de Angola” é um
artifício usado para muitos fins, como por exemplo, quando o capoeirista quer armar uma
cilada para o outro, podendo inclusive não fazer nada, apenas dar três passos para um lado e
três para o outro. Mestre Bimba, por sua vez, tornou característico da sua capoeira regional
os chamados “balões”, como o que denominou de “cintura desprezada”. Assunção explica
melhor como eles aconteciam:
Os movimentos acrobáticos usando a ‘cintura desprezada’
constituíram a principal inovação da capoeira regional. Através dela o
capoeirista era capaz de reagir contra tentativas de agarrá-lo, exatamente
o que praticantes da maioria das outras tradições de lutas de agarrar iriam
fazer num combate de estilo livre. Estes movimentos (a maioria deles
chamados de ‘balões’) consistiam em projeções de um capoeirista, que
tinha que se lançar e cair sobre seus pés o mais suave possível, escapando
de forma acrobática de uma situação em que sua cabeça havia sido
colocada sob os braços do outro. Os balões logo se tornaram um dos mais
74
polêmicos movimentos de Bimba, pois na capoeira tradicional não havia
agarramento. As performances acrobáticas dos balões se transformaram
num símbolo da beleza da Regional ou, de acordo com outras
observações da época, uma ‘adulteração’ da ‘genuína capoeira’78.
A crítica à “adulteração” da “genuína capoeira” mostra que muitas vezes os
mantenedores da modalidade tradicional não assumem os movimentos como inventados e
recriados. Assim como na capoeira regional, mestres de capoeira angola recriaram a
movimentação, incluindo novos golpes, excluindo outros, o que relaciona a capoeira a uma
memória corporal que se mantém no presente devido a uma constante seleção de imagens
gestuais. Um exemplo disso é a invenção da vertente modernizadora da capoeira regional
que introduziu saltos de ginástica olímpica nas rodas de capoeira.
O canto, os toques e a dinâmica das rodas
Toda roda de capoeira se inicia com uma canção. Na capoeira angola, o ritual é
aberto com um cântico em forma de lamento, chamado ladainha. Um grito gutural, iê, é
emitido pelo cantador, antes de se iniciar o canto, instaurando silêncio na roda. A ladainha é
entoada, normalmente, pelo capoeirista/mestre que toca o berimbau principal, de som
grave, chamado berra-boi ou gunga. Quando se inicia a ladainha, os capoeiristas que vão
jogar permanecem “agachados” ao pé do berimbau, a espera do momento para jogar,
envoltos em um silêncio religioso que apenas se rompe com o canto sofrido, louvando a
memória dos mestres antigos, saudando Deus e santos católicos, orixás, figuras lendárias,
ou ainda os casos de perseguição aos capoeiristas:
Tava em casa
Sem pensar nem imaginar
Delegado no momento
78 ASSUNÇÃO, Matthias Rohrig. Op. Cit. p. 135.

75
76
77
Já mandou foi me intimar
É verdade meu colega
Com toda diplomacia
Prenderam o capoeira
Dentro da delegacia
Para dar depoimento
Daquilo que não sabia, camaradinho...
A ladainha não é o único cântico da roda. A maior parte do ritual se desenrola
através do canto das chulas e corridos, cuja expressão musical se dá, na sua execução, de
forma bem semelhante às canções de samba de roda baiano e às variações do partido-alto
carioca: “seus cantos são tirados por um solista e respondidos pelo coro”79.
Durante a chula são feitas as saudações que são respondidas pelo coro. Neste
momento ainda não se pode jogar:
Ê, maior é Deus,
ê, viva meu mestre,
ê quem me ensinou
ê a capoeira..
Apenas com os cantos corridos se inicia o jogo. Como o nome indica, as canções
são mais aceleradas do que as ladainhas e chulas, embora não sejam rápidas. Na capoeira
regional de Mestre Bimba não há ladainhas, o que abre as rodas são quadras musicais que
também são respondidas pela audiência da roda e têm estrutura semelhante aos corridos. A
capoeira que funde as duas modalidades utiliza o padrão de canto da capoeira angola,
iniciando suas rodas com ladainhas e utilizando a instrumentação da capoeira antiga. Um
outro aspecto importante das rodas de capoeira são os toques de berimbau. “Um toque é um
conjunto padrão de notas emitidas pelo berimbau. O instrumentista usa o dobrão (moeda)
79 LOPES, Nei. O negro no Rio de Janeiro e sua tradição musical: partido alto, calango, chula e outras
cantorias. Rio de Janeiro: Pallas, 1992. p. 36.
78
para alterar o comprimento da corda e produzir três diferentes tonalidades sonoras: um tom
baixo, com a corda solta; um tom alto, com o dobrão pressionando a corda; e um tom
estridente, em que o dobrão é usado para abafar a vibração da corda”.80
O principal deles é o toque de Angola, cadenciado e lento, que abre a roda de
capoeira. Os toques são tão importantes para a capoeira que alguns os relacionam aos
estilos. Édison Carneiro, por exemplo, escreveu que a capoeira possuía nove modalidades,
entre elas a capoeira angola. Um erro, segundo Valdeloir Rego: “O que houve foi uma
bruta confusão de Édison Carneiro, misturando golpes de capoeira com toques de
berimbau”81. De fato, os angoleiros costumam rejeitar a simplificação da capoeira angola
ao toque de Angola, que é apenas um dos elementos da arte.
Além do toque de Angola, fazem parte das rodas o São Bento Grande e o São Bento
Pequeno, versões mais rápidas do toque de Angola, mas que seguem sua estrutura rítmica.
Um outro toque inventado pelos capoeiristas antigos que permanece nas rodas atuais, ainda
que em raras ocasiões, é a Cavalaria. O ritmo imita o som de cavalos trotando e era tocado
para avisar da chegada do Esquadrão da Cavalaria, liderado pelo temido chefe de polícia
conhecido como Pedrito, que atacava as rodas e perseguia os capoeiras nos anos 1920, em
Salvador.
Assim como a Cavalaria, outros toques são basicamente instrumentais e não
acompanham o canto nas rodas, como Santa Maria, Jogo de Dentro e Iúna, criado por
Mestre Bimba para ser tocado nas rodas de alunos formados. No entanto, o toque também é
associado a momentos fúnebres. Na verdade, existem muitos toques, alguns controversos,
criados por outros mestres, tornando difícil enumerar todos com exatidão.
Nas rodas que fundem elementos das capoeiras angola e regional, cada toque requer
uma forma diferente de jogar. No Grupo Senzala, como não se segue uma vertente
exclusiva, em uma roda é possível serem tocados diversos toques diferentes. Quem dita o
que se deve jogar é o berimbau comandado pelo mestre ou professor, se o toque for de
Angola, joga-se capoeira angola, se for São Bento Grande, joga-se capoeira regional.
80 GRUPO DE CAPOEIRA ANGOLA PELOURINHO. Washington: Smithsonian Folkways Recordings,
1996. p. 32.
81 REGO, Valdeloir. Op. Cit. p. 32.
79
Nas rodas de capoeira angola não se muda o estilo de capoeira, mas há variação de
toques, como o jogo de dentro, “um dos toques mais rápidos e bonitos da capoeira angola.
Durante esse toque, capoeiristas procuram demonstrar todas as suas habilidades, jogando o
mais próximo possível do solo e do oponente”82.
Os toques e jogos na roda de capoeira angola também são comandados pelo
berimbau, que determina também o tempo do jogo, geralmente mais longo entre os
angoleiros. Quando o tocador bate repetidas vezes no berimbau é sinal de que o jogo
acabou. É preciso apertar as mãos e dar lugar a outra dupla. Nas rodas de capoeira regional
e dos grupos que usam cordel, os jogos têm curta duração e não são comandados pelo
berimbau. É o chamado jogo de “compra”, quando um jogador entra na roda, interrompe o
jogo e escolhe um dos jogadores para jogar, e assim por diante. As rodas, de uma maneira
geral e independente do estilo, terminam com corridos de despedida:
Adeus, adeus,
Já vou-me embora
Eu vou com Deus
E Nossa Senhora
4. Os instrumentos
Os instrumentos, quando utilizados no território da roda, não são apenas objetos,
afinal, eles tomam parte de todo o cerimonial que envolve a roda, ganhando significados e
sentidos que os tornam sensíveis. Os corpos interagem com o som dos instrumentos,
incorporando-os. A música da capoeira será, como qualquer música, regida pelo tempo,
pulso, síncope, compassos, colcheias e semicolcheias, rufos, canto e melodias, criando uma
teia de símbolos que provocam na roda essa condição mágica que distorce o tempo e o
espaço.
82 GRUPO DE CAPOEIRA ANGOLA PELOURINHO. Op. Cit. p.34.

80
81
Esse complexo musical é necessário para o deslocamento dos jogadores e do
público para uma temporalidade própria. Um espaço limítrofe situado num território
extracotidiano poderá ser mobilizado e disponibilizado através do universo simbólico da
música, ritmos, cantos, expressões corporais dramáticas, golpes, quedas e ritos, numa esfera
de atividade que possui sua tendência própria: a tendência do jogo.
É preciso admitir que a roda de capoeira como hoje a conhecemos perde o sentido
sem a utilização do elemento música e dos objetos musicais que a constituem. Então, como
não falar da cultura material da capoeira e dos seus objetos fundamentais, os instrumentos
musicais?
Os instrumentos descritos a seguir podem ser encontrados principalmente na
tradição musical praticada na capoeira angola. Essa modalidade é aquela que se manteve
mais vigorosa enquanto depositária da estrutura musical que preserva estreitas relações com
as matrizes africanas, tanto pelas formas harmônica e rítmica presentes na composição
sonora da tríade de berimbaus grave, médio e agudo, quanto pelo aspecto melódico e de
conteúdo das letras cantadas nas ladainhas, chulas e corridos, mantidas vivas até hoje
graças à memória oral da capoeira.
Mestre Bimba, quando criou sua capoeira regional, manteve apenas um berimbau e
dois pandeiros. Vertentes modernizadas de seu estilo, por sua vez, reincorporaram nas suas
rodas e treinos a tríade de berimbaus e outros instrumentos como atabaque e agogô.
Berimbau
A presença dos berimbaus é essencial para que determinado evento seja concebido
como uma roda de capoeira. A princípio, a assimilação do berimbau dentro da capoeira fezse
a partir do disfarce de seu caráter subversivo e marcial, que sob o manto da dança e da
música escondia um tipo de luta corporal. Mas, por outro lado, representa uma
comprovação daquilo que chamamos multidimensionalidade das culturas africanas,
condição que se impõe em toda manifestação artística afro-descendente.
Assim, a aparição e a presença dos instrumentos musicais, sejam eles berimbaus ou
quaisquer outros, surgem dessa condição imanente da cultura africana ou afro-americana,
em que aspectos musicais, dançantes, vestuários, culinários, religiosos se fundem dentro de
82
uma mesma expressão, oriundos que são das culturas diaspóricas que trouxeram em sua
estrutura o aspecto da multidimensionalidade do qual a música e os instrumentos musicais
são parte constituinte e fundamental.
Valdeloir Rego chega a citar um levantamento que assinala a presença do berimbau
em Cuba. Lembre-se ainda da modalidade do berimbau de boca, encontrado de forma
abundante na África, mas também na Europa. Essa ocorrência “em vários cantos do
universo”83, segundo Rego, corresponde à indefinição de sua origem, possivelmente
africana. Atualmente não é preciso esforço para associar a capoeira ao berimbau, que há
muito vem impregnando o imaginário dessa prática cultural. O instrumento está de tal
forma associado a esse território que atualmente seria inconcebível uma roda de capoeira
sem a aplicação efetiva deste arco musical.
A forma do berimbau é simples e seus materiais, em certa medida, ainda são
facilmente coletados na natureza, exceto, obviamente, pela corda de arame de aço, chamado
no meio da capoeiragem simplesmente de arame. Provavelmente, o berimbau foi uma das
primeiras criações de objetos musicais que emitem som através da vibração de uma corda.
A parte mais importante do berimbau utilizado nas rodas de capoeira é a vara ou
verga da árvore conhecida como biriba (Eschweilera ovata), comumente encontrada ao
longo da Mata Atlântica do Estado da Bahia. Afixado às duas extremidades da verga vem
um arame. Na ponta superior do berimbau, emprega-se um pedaço circular de couro de sola
pregado que servirá de polia para se envergar o berimbau. A cabaça, com uma abertura ou
boca que pode variar de tamanho, deverá ser presa na extremidade inferior da verga, a uma
distância de aproximadamente um palmo da extremidade inferior da verga para cima.
Completando a composição do berimbau, há ainda um dobrão de cobre que, ao
entrar em contato com o arame, altera a tonalidade do som que ressoa da cabaça. A baqueta
ou vaqueta é uma vareta de madeira fina que não deverá passar da medida convencionada
de dois palmos e não inferior a um palmo e meio de mão. Por fim, o último artigo
corresponde a um instrumento musical à parte que o acompanha – o caxixi –, um chocalho
que produz um som agudo, confeccionado em palha de vime trançada num pedaço circular
de cabaça, que funciona como a base na qual a semente conhecida como Lágrima de Nossa
83 REGO, Waldeloir.. Op.Cit .pp.71-76.
83
Senhora vai vibrar para emitir um som semelhante ao da chuva caindo nas folhas das
árvores.
Infelizmente, a biriba está cada vez mais escassa devido à intensa exploração dessa
árvore para comercialização de berimbaus. Atualmente, chegam ao mercado internacional
através dos sites que trabalham com venda de instrumentos de percussão, ou pelas mãos
dos mestres de capoeira que cruzam o mundo. A utilização do berimbau em terras
brasileiras era comum em diversas cenas do cotidiano carioca. Fez parte, por exemplo, da
indumentária do vendedor ambulante no Rio de Janeiro colonial.
Além de sua permanência ao longo dos séculos, é notável que sua forma
praticamente não tenha sido alterada, pois apenas alguns materiais foram substituídos por
outros, o que não comprometeu a sua estrutura básica. Constata-se, dessa forma, a
vitalidade e o poder de permanência desse instrumento musical, possibilitando que o
mesmo ultrapassasse o tempo, as culturas e as fronteiras.
Nas rodas tradicionais de capoeira, são utilizados três berimbaus criadores da célula
rítmica binária que caracteriza a maior parte dos toques da capoeira. São eles: o berimbau
gunga, grave e maior de todos; o berimbau médio, como o próprio nome indica localiza-se
numa sonoridade intermediária; e o berimbau viola ou violinha, responsável pelos agudos
dessa tríade instrumental. A disposição dos instrumentos da capoeira numa roda se orienta
por convenções normalmente criadas pelos velhos mestres durante suas trajetórias e
experiências.
Esses berimbaus guardam aspectos que os relacionam diretamente ao candomblé,
como também a outras tradições de origem africana, principalmente no que se refere aos
três atabaques dessa religião afro-brasileira, assemelhando-se à organização e estruturação
rítmica do candomblé. Um paralelo relacionando a musicalidade dessas duas manifestações
culturais, a capoeira e o candomblé, mostrará células rítmicas muito semelhantes.
O gunga, berimbau que emite uma sonoridade mais grave e de maior porte, aparece
na roda desempenhando um papel de marcação, determinando e orientando qual ritmo será
executado durante todo o tempo de uma roda. A sua posição é destacada na hierarquia dos
instrumentos. Ele é o responsável direto tanto pela ativação dos códigos que provocam o
início das cerimônias, como o encerramento da roda. Da mesma forma que o gunga, o
atabaque mais grave do candomblé, denominado rum, na maioria das vezes está
84
posicionado à direita dos outros dois atabaques. Porém, ao contrário do gunga, sua função
não é de marcação, mas sim de variação e improviso. Mesmo com essa diferença, tanto o
rum quanto o gunga encarnam o papel de liderança e comando nas ações musicais dos
rituais.
O berimbau viola corresponde, de acordo com a analogia que vimos demonstrando,
ao atabaque de menor porte, chamado lé no candomblé. Enquanto o viola faz as variações e
improvisos, o lé responde pela marcação do ritmo. A sonoridade desses dois instrumentos
preenche aquele espaço dos sons agudos nos rituais dessas manifestações. Finalmente, o
berimbau médio encontra seu análogo no atabaque rumpi, já que tanto um quanto o outro
atua como ponte entre dois pólos sonoros. Desta forma, harmonizam o diálogo entre as
sonoridades graves e agudas dos outros dois berimbaus e atabaques: gunga e viola na
capoeira e rum e lé no candomblé.
Atabaque
O Atabaque é também usado dentro do jongo e do caxambú. Sem dúvida foi um dos
primeiros instrumentos adotados na capoeira, como fica demonstrado numa das gravuras de
Rugendas, feita no séc. XIX, um dos raros registros antigos da existência da capoeira no
Brasil. No fantástico cenário retratado por Rugendas, apenas um instrumento – o atabaque
– se destaca em uma manifestação que apresenta traços da movimentação da capoeira84.
Sem o conjunto de instrumentos hoje característicos a essa prática, observa-se a
participação de um público atento e participativo em torno de um atabaque, que marca o
ritmo da dança-luta retratada. Segundo a etnografia de Rego, nas escolas de capoeira angola
dos mestres Pastinha e Canjiquinha, não se observa a sua utilização, embora se reconheça,
na maioria dos registros, que o atabaque formava o acompanhamento musical da capoeira.
Assim como o pandeiro, o atabaque é um instrumento muito antigo e recorrente no
mundo árabe e na África, tendo sido divulgado na Europa já na época das cortes medievais.
O atabaque da capoeira possui a mesma forma do n’goma, de origem angolana, e seus
tamanhos variam dentro da configuração encontrada nos atabaques rum, rumpi e lé. Porém,
84 Ver RUGENDAS, Johann Moritz. Viagem pitoresca através do Brasil. Belo Horizonte, Editora Itatiaia/São
Paulo, Editora da Universidade de São Paulo, 1981.
85
o mais adotado na capoeira, devido ao tamanho maior e, conseqüentemente, por emitir um
som mais grave, é o rum.
Pandeiro
Além dos berimbaus e do atabaque, há ainda os pandeiros. Como todos os
instrumentos utilizados na capoeira, têm sua trajetória no Brasil vinculada aos povos de
origem africana. Entretanto, sua presença na cultura universal perde-se nos tempos, do
Oriente Antigo às rodas de samba. Em Portugal, existe o adufe, que em muito se assemelha
ao nosso pandeiro, levando-nos a crer que esse instrumento também chegou pelas mãos dos
portugueses durante o período da colonização.
Existem diversos tipos de pandeiro, mas o ideal para a orquestra da roda de capoeira
deve ser encourado com couro de cabra e sua carcaça ou moldura feita em madeira
resistente e ao mesmo tempo flexível. As platinelas, pequenos pratos de latão, completam o
instrumento dando-lhe o som agudo tão importante para o equilíbrio entre os timbres grave
e abafado do pandeiro. Esse som é emitido continuamente durante a percussão do
instrumento e lhe confere uma sonoridade que de longe pode ser percebida.
Agogô e reco-reco
O agogô empregado na capoeira possui duas campânulas de ferro e deve ser
percutido com uma baqueta, preferivelmente feita em madeira para amenizar o som
metálico produzido pelo agogô. Como a maior parte dos instrumentos da capoeira, a sua
assimilação está relacionada ao candomblé, que também se utiliza do agogô durante a
execução de alguns toques e em outros momentos do seu ritual. O agogô pode se apresentar
sob mais de uma forma. Com três campânulas, quatro ou mais. Porém, na capoeira, a
versão de duas campânulas é a mais utilizada.
O instrumento chamado reco-reco normalmente é feito a partir de algumas espécies
de bambu ou da própria cabaça, quando esta apresenta uma forma mais alongada. A forma
simples e rústica faz do reco-reco e do agogô os instrumentos de mais fácil execução na
orquestra da capoeira. O som do reco-reco é produzido quando se desliza uma baqueta de
86
madeira por sobre uma área entrecortada de sulcos transversais. A fricção da baqueta sobre
a superfície da peça de bambu ou cabaça produz o som característico desse instrumento.
5. Os mestres e as rodas: patrimônio vivo
Ao percorrer os olhos rapidamente pelos jornais a partir dos anos de 1970, percebese
que alguns analistas e estudiosos da cultura popular da época traçam um quadro sombrio
para os destinos da capoeira, em muito influenciados pelos danos sócio-econômicos e
culturais provocados pelo turismo/folclorização e esportização. Coincide, este período, com
a decadência das academias tradicionais de capoeira da Bahia - as de Bimba e Pastinha -,
com a situação de pobreza em que se encontravam os principais mestres - razão da saída de
mestre Bimba para Goiânia, em Goiás - e com a morte de muitos deles num quadro de
indigência, num momento em que a capoeira já começava a mostrar possibilidade de ser
explorada economicamente.
No final da década de 70, militantes do movimento negro, estudiosos, políticos,
carnavalescos e estudantes universitários começam a denunciar a folclorização da cultura
negra e reivindicam, aos poderes públicos, medidas que pudessem coibir este processo. Na
Bahia, algumas instituições públicas tomaram iniciativas que procuravam atender a estas
reivindicações e acabaram sacramentando algumas conquistas em prol das manifestações
negras.
Em 1977, o Departamento de Assuntos Culturais da Prefeitura Municipal de
Salvador inicia um projeto diretamente relacionado à capoeira que encontra adesão por
parte da comunidade capoeirística, conseguindo abranger desde os mais tradicionais
mestres ainda vivos e em condições de participar, como Cobrinha Verde, Atenilo,
Waldemar, Canjiquinha, Caiçara, entre outros, até a nova geração composta de praticantes
pertencentes a segmentos da classe média, muitos deles universitários. Este projeto tinha
por objetivo agregar todos os estilos de capoeira e todas as tendências que estavam em voga
(esporte, folclore, educação) e, através de fórum de debates e apresentações de capoeira,
listou os pontos impulsivos e restritivos para a prática da capoeiragem. Além dos mestres e
capoeiristas, convidados e consultores eventuais e periódicos, participavam deste projeto
87
intelectuais baianos, estudiosos da cultura negra, membros do MNU (Movimento Negro
Unificado), educadores e dirigentes de outras entidades públicas.
No ano de 1980, este projeto culminou na realização do Primeiro Seminário
Regional de Capoeira e Festival de Ritmo de Capoeira, que deve ser entendido como a
primeira iniciativa governamental em prol da capoeira.
Neste evento, foram levantadas as principais questões que envolviam a capoeira da
época e indicados alguns rumos de atuação para orientar as políticas públicas em seu
benefício: 1) a revitalização da capoeira angola; 2) a introdução da prática da capoeira nas
escolas; 3) o incentivo às pesquisas e estudos sobre o tema; 4) a importância de encontrar
formas de amparo aos velhos mestres e suas famílias; 5) a realização de novos eventos de
capoeira; 6) a busca de novos espaços para a sua prática.
Muitos destes itens levantados encontram ressonância no momento atual da
capoeira. Apesar de a arte ter se difundido no Brasil e no exterior, isto ocorreu através do
saber dos mestres que, sem amparo ou recurso, lançaram-se na aventura da errância em
busca de condições melhores de vida, dentro e fora do país.
Portanto, há uma contradição inerente à difusão da capoeira. Por um lado, percebese
que o jogo não corre risco de desaparecer, é praticado por milhões de pessoas em todo o
mundo e estudado por pesquisadores de universidades nacionais e internacionais. No
entanto, os mestres encontram brutais dificuldades para manter seu ensinamento, enfrentam
problemas financeiros, falta de espaço para ministrar aulas e barreiras para divulgar a arte
no exterior.
Este é um ponto que mostra a necessidade de um reconhecimento oficial da
importância da capoeira por parte do Estado brasileiro. Exemplos como o de Mestre João
Grande, que recebeu diversas homenagens nos Estados Unidos, revelam a apropriação da
capoeira por parte de governos multiculturalistas, que buscam reconhecê-la como parte da
diáspora africana e patrimônio próprio. O Brasil, neste contexto, não seria lugar onde a
capoeira se desenvolveu, mas ponto de passagem para sua difusão internacional.
A perspectiva deste dossiê é a de que a capoeira, embora marcada pela influência
africana, estabeleceu-se como hoje é conhecida no Brasil. Foram também os mestres
brasileiros os responsáveis por articular aspectos culturais a uma manifestação que poderia
ficar restrita à face marcial, mas que, ao contrário, é reconhecida por sua riqueza musical e
88
gestual, o que a aproxima também de uma dança especial, reminiscência de jogos de
combate de sociedades tradicionais.
A roda de capoeira, neste sentido, é a forma de expressão que permitiu o
aprendizado e a expansão do jogo. Nela se encenam golpes e movimentos acrobáticos,
cânticos antigos são reatualizados e outros são inventados, acompanhados por uma
orquestra de instrumentos que produz uma sonoridade múltipla e, ao mesmo tempo,
característica da arte.
A roda é um momento determinante da prática da capoeira que não pode ser
ignorado. Seja na capoeira angola, regional ou a que funde as duas vertentes, a roda é um
espaço de criação artística e performance cultural em que se realiza plenamente a
multidimensionalidade da capoeira.
Portanto, a roda também precisa ser registrada, assim como os mestres, depositários
do saber imaterial da capoeira. Neste dossiê, encontram-se anexadas 17 entrevistas com
mestres de diversas vertentes, no Rio de Janeiro, em Recife e em Salvador, reconhecidos
pela comunidade capoeirística como importantes mantenedores da cultura. São eles,
divididos pelas cidades, os mestres:
Salvador:
Mestre João Pequeno
(João Pereira dos Santos)
Mestre Curió
(Jaime Martins dos Santos)
Mestre Virgílio
(Virgilio Maximiniano Ferreira)
Mestre Bamba
(Rubens Costa Silva)
Mestre Gajé
(José Izidro de Carvalho)
Mestre Xaréu
(Helio Campos)
89
Mestre Demolidor
(Augusto Januário Passos da Silva)
Mestre Lua Rasta
(Gilson Fernandes)
Rio de Janeiro:
Mestre Vilmar
(Vilmar da Cruz Brito)
Mestre Nestor Capoeira
(Nestor Sezefredo dos Passos Santos)
Mestre Gil Velho
(Gilberto Cavalcanti)
Mestre Russo
(Jonas Rabelo)
Mestre José Carlos
(José Carlos Gonçalves)
Recife:
Mestre Coca-cola
(Marco Aurélio Moreira)
Mestre Mulatinho
(João Ferreira Mulatinho)
Mestre Meia-Noite
(Gilson Santana)
Além destes, também são importantes depositários do saber da capoeira os seguintes
mestres:
Mestre João Grande
(João Oliveira dos Santos – BA)
90
Mestre Arthur Emídio
(Arthur Emídio – RJ)
Mestre Boca Rica
(Manoel Silva – BA)
Mestre Pirajá
(Marcondes Luiz Ferreira da Silva – PE)
Mestre Leopoldina
(Demerval Lopes de Lacerda – RJ)
Mestre Moraes
(Pedro Moraes Trindade – BA)
Mestre Lua de Bobó
(Edvaldo Borges da Cruz – BA)
Mestre Suassuna
(Inaldo Ramos Suassuna – BA)
Mestre Itapoan
(Raimundo Cesar Alves de Almeida – BA)
Mestre Acordeon
(Ubirajara Guimarães Almeida – BA)
Mestre Decânio
(Angelo Augusto Decânio Filho – BA)
Mestre Camisa Roxa
(Edvaldo Carneiro e Silva – BA)
Mestre Camisa
(José Tadeu Carneiro Cardoso – BA)
Mestre Peixinho
(Marcelo Azevedo Guimarães – RJ)
Mestre Rafael Flores
(Rafael flores Viana - RJ)
Mestre Celso do Engenho da Rainha
(Celso Carvalho Nascimento – RJ)
91
Mestre Pelé da Bomba
(Natalício Neves da Silva – BA)
Mestre Felipe de Santo Amaro
(Felipe Santiago – BA)
Mestre Gigante
(Francisco de Assis – BA)
Mestre Bigodinho
(Reinaldo Santana – BA)
6. Recomendações de Salvaguarda para a prática e difusão da capoeira no
Brasil
Em 19 de agosto de 2004, o ministro da cultura, Gilberto Gil, viajou para Genebra,
na Suíça, sede européia da ONU, a convite do então secretário-geral Kofi Annan. Na
ocasião, o ministro levou 15 capoeiristas brasileiros e estrangeiros para homenagear o
embaixador Sérgio Vieira de Mello, morto exatamente um ano antes em um atentado
terrorista em Bagdá, capital do Iraque, e aproveitou para lançar as bases de um “Programa
Brasileiro e Internacional para a Capoeira”. Segundo afirmou o ministro em seu discurso:
Atualmente, a capoeira é praticada em mais de 150 países. Nas
Américas, no Japão, na China, em Israel, na Coréia, na Austrália, na
África e em praticamente toda a Europa. A capoeira disseminou-se pelo
mundo com entusiasmo. Mesmo sem falar português, um chinês, um
árabe, um judeu ou um americano podem repetir o compasso da mesma
música, a arte do mesmo passo e a ginga do mesmo toque. A diáspora da
capoeira no mundo é uma realidade que já conta com o aval de
instituições educacionais como o Unicef, que referenda trabalhos de
iniciativa dos capoeiristas brasileiros em vários países85.
85 GIL, Gilberto. Brasil, paz no mundo. http://www2.cultura.gov.br
92
93
Este foi o primeiro passo do Ministério da Cultura para o estabelecimento de
94
políticas públicas para a capoeira. Além do Inventário para Registro e Salvaguarda da
Capoeira como Patrimônio Imaterial do Brasil, foi lançado, em 2006, o edital do Capoeira
Viva, parceria do Minc com a Petrobrás, que apresenta linhas de fomento para grupos e
mestres nas áreas de pesquisa, formação de acervo e ações socioculturais, e já se encontra
na segunda edição. A capoeira também foi privilegiada em outras linhas de atuação, como
o edital de incentivo a documentários (DOC TV) e os Pontos de Cultura. Diante dessas
propostas, torna-se importante recomendar as seguintes medidas de salvaguarda.
Reconhecimento do notório saber do mestre de capoeira pelo Ministério da Educação
(MEC). Espera-se que o registro do saber do mestre de capoeira como Patrimônio Cultural
do Brasil possa favorecer a sua desvinculação obrigatória do Conselho Federal de Educação
Física, ao qual a capoeira está subordinada. Entende-se que o saber do mestre não possui
equivalente no aprendizado formal do profissional de Educação Física, mas sim se
estabelece como acervo da cultura popular brasileira. Dessa forma, espera-se contribuir
para que mestres de capoeira sem escolaridade, mas detentores do saber, possam ensinar
capoeira em colégios, escolas e universidades. É recomendado que esta proposta seja de
implantação imediata.
Plano de previdência especial para os velhos mestres de capoeira. Este foi um dos
pontos mais abordados durante os Encontros Capoeira como Patrimônio Imaterial do
Brasil. Diante de um histórico de mestres importantes, como Bimba e Pastinha, entre
outros, que morreram em sérias dificuldades financeiras, sugere-se elaborar, junto à
Previdência Social, um plano especial para mestres acima de 60 anos que tenham tido
dificuldades de contribuir com a entidade ao longo dos anos. Como justificativa, reconhecese
a contribuição do velho mestre de capoeira para difusão da cultura brasileira. Como se
trata de uma ação de emergência, que busca acolher os mestres atuais que vivem em
absoluto estado de carência, recomenda-se que esta proposta tenha implantação imediata e
perdure até que os mestres vindouros possam dispensar esta ação de salvaguarda.
Estabelecimento de um Programa de Incentivo da Capoeira no Mundo. Um outro
ponto importante destacado nos Encontros diz respeito à dificuldade de os mestres
95
circularem pelos países onde são convidados para ensinar capoeira. Espera-se que o
Itamaraty possa inserir a capoeira nos seus programas de apoio à difusão da cultura
brasileira. Desse modo, pode facilitar o trânsito de mestres e grupos de capoeira que
oferecem cursos e apresentam rodas no exterior.
Criação de um Centro Nacional de Referências da Capoeira. Os estudos sobre a
capoeira estão dispersos entre os departamentos de ensino de antropologia, história,
educação, educação física, psicologia, artes, entre outros. A natureza polifônica e
multifacetada do jogo e da cultura da capoeira enseja reflexões em diversos campos do
saber (da biomecânica aos estudos das performances), e a produção relativa à prática da
capoeira no Brasil contemporâneo encontra-se dispersa, o que justifica a criação de um
Centro Nacional de Referências da Capoeira virtual no Brasil, de caráter multidisciplinar e
multimídia, abrigando produções científicas, acadêmicas, mas também produções
audiovisuais, sonoras, entre outras. Espera-se que esta iniciativa possa facilitar consultas
acerca das referências existentes sobre a capoeira.
Plano de manejo da biriba e outros recursos. A prática da capoeira no Brasil e no
exterior gerou a produção de um repertório significativo de commodities que passam a
circular através da Internet e das redes constituídas pelas franquias dos grandes grupos de
capoeira de renome internacional. Hoje se presencia a constituição e reprodução de um
crescente mercado de bens culturais constituídos por itens da cultura material da capoeira:
cordéis, abadás, berimbaus, instrumentos (pandeiro, reco-reco, atabaque), dobrões e demais
itens, muitos confeccionados artesanalmente, valendo-se de técnica e matéria-prima nativa
do Brasil, como é o caso da biriba (Eschweitera ovata) – madeira com que se confecciona
tradicionalmente os berimbaus. Também são utilizadas para a confecção do berimbau
madeiras da Mata Atlântica, ameaçadas de extinção, tais como: mata-matá branco, pau
d’arco, pau pombo, açoita cavalo, itaúba preta, guairúba, pitomba, tatajúba, marupá, tauarí
e o morototó. Outras espécies vegetais, como a cabaça ou coité (Crescentia cujete), também
são utilizadas, além do vime, bambu, palha e sementes utilizadas para a confecção dos
caxixis. São instrumentos normalmente confeccionados por uma rede local, por meio
artesanal para fazer frente a uma demanda cada vez maior de mercadorias. Sugerimos um
96
plano de manejo de espécies nativas ameaçadas, para fazer frente à necessidade de matériaprima
para a confecção dos berimbaus e demais instrumentos.
Fórum da Capoeira. Realização de encontros periódicos, em parceria com universidades,
para discutir questões importantes da comunidade da capoeira. O objetivo do Fórum é
estimular o encontro dos mestres com os estudiosos da capoeira. É notório que alguns
mestres de capoeira possuem saber acadêmico, mas não é o caso da maioria. Espera-se,
portanto, integrar a tradição oral ao ambiente de pesquisa acadêmica.
Banco de Histórias de Mestres de Capoeira. Pretende-se oferecer oficinas de história oral
para capoeiristas interessados em registrar as trajetórias de vida de mestres antigos de
capoeira. O objetivo é que este Banco de Histórias possa alimentar e fazer parte do Centro
Nacional de Referências da Capoeira.
Realização de Inventário da Capoeira em Pernambuco. Espera-se auxiliar e incentivar o
aprofundamento de pesquisas sobre a capoeira em Recife, com base nas referências
indicadas durante o processo do Inventário para Registro e Salvaguarda da Capoeira como
Patrimônio Cultural do Brasil.
97
BIBLIOGRAFIA
ABIB, Pedro Rodolpho Jungers. Capoeira Angola: cultura popular no jogo dos saberes na
roda. Tese de doutorado. Campinas, SP: Universidade Estadual de Campinas, 2004.
ABREU, Plácido de. Os capoeiras. Rio de Janeiro: Tipografia da Escola Seraphim Alves
de Brito, 1886.
ABREU, Frederico José de. Bimba é Bamba: a capoeira no ringue. Salvador: Instituto Jair
Moura, 1999.
__________. A capoeira baiana no século XIX. Revista Iê Capoeira, ano I, n°07. São
Paulo: On Line Editora, 2000.
__________. O barracão do Mestre Waldemar. Salvador: Organização Zarabatana, 2003.
__________. Capoeiras – Bahia, século XIX: imaginário e documentação, vol I, Salvador:
Instituto Jair Moura, 2005.
ALMEIDA, Raimundo César Alves de (Mestre Itapuã). Bimba Perfil do Mestre. Salvador –
CED-UFBA, 1982.
_____________________________________________. Bibliografia Crítica da Capoeira.
Brasília: DEFER, Centro de Informação e Documentação sobre a Capoeira
(CIDOCA/DF), 1993.
ARAÚJO, Rosângela Costa. O universo musical da capoeira angola. Salvador: Grupo de
Capoeira Angola Pelourinho, Comissão de Documentação e Acervo, 1994.
__________. Sou discípulo que aprende, meu mestre me deu lição: tradição e educação
entre os angoleiros baianos (anos 80-90). Dissertação de mestrado. Faculdade de
Educação, Universidade de São Paulo, 1999.
AREIAS, Almir das. O que é capoeira? São Paulo: Brasiliense, 1984.
ASSUNÇÃO, Matthias Rohrig. Capoeira. The history of an Afro-brazilian martial art.
Routledge: London, 2005.
AZEVEDO, Aluísio. O Cortiço. Rio de Janeiro: Technoprint, s.d.
BARBIERI, César. Um jeito brasileiro de aprender a ser. DEFER/GDF. Centro de
Informação e Documentação Sobre a Capoeira (CIDOCA/DF): Brasília, 1993.
__________. Capoeira na universidade: uma trajetória de resistência. Salvador: SCT,
EDUFBA, 2001.
98
BELTRÃO, Mônica. A capoeiragem no Recife Antigo: os valentes de outrora. Recife:
Editora Nossa Livraria, 2007.
BOLA SETE, Mestre. A capoeira angola na Bahia. Rio de Janeiro: Ed. Pallas, 1997.
BRETAS, Marcos. “A queda do império da navalha e da rasteira (A República e os
capoeiras)”. In: Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro: Centro de Estudos Afro-
Asiáticos, n. 20, 1991.
CANJIQUINHA. Alegria da capoeira. Salvador: A Rasteira, 1989.
CAMPOS, Hélio (Mestre Xaréu) Capoeira na Escola. Salvador: Presscolor, 1990.
__________. Capoeira na universidade: uma trajetória de resistência. Salvador: SCT,
EDUFBA, 2001.
CAPOEIRA, Nestor. O pequeno manual do jogador de capoeira. Rio de Janeiro: Ground,
1981.
CARNEIRO, Édison. Negros Bantos: notas de etnografia religiosa e de folclore. RJ:
Civilização Brasileira, 1936.
CARVALHO, Marcus. “Rumores e Rebeliões. Estratégias de resistência escrava no
Recife”. Revista Tempo, Niterói – Universidade Federal Fluminense, n. 6, vol. 3,
dezembro, 1998.
CASTELLUCCI, Aldrin A. Silva. Salvador dos operários: uma história da greve geral de
1919 na Bahia. Salvador: Dissertação de Mestrado, UFBA, 2001.
CASTRO, Maurício Barros de. Na roda do mundo: Mestre João Grande entre a Bahia e
Nova York. São Paulo: tese de doutorado, Departamento de História Social
(FFLCH-USP), 2007.
CATUNDA, Eunice. “Capoeira no Terreiro de Mestre Waldemar”. Revista de Cultura
Moderna. São Paulo, nº 30, 1952.
CAVALCANTI, Nireu Oliveira. Crônicas históricas do Rio Colonial. Rio de Janeiro:
Editora Civilização Brasileira/FAPERJ, 2004.
COUTINHO, Daniel. O ABC da Capoeira Angola: os manuscritos de Mestre Noronha.
Brasília: DEFER, Centro de Informação e Documentação sobre a Capoeira, 1993.
99
DAWSON, Daniel. Capoeira Angola and Mestre João Grande: the saga of a tradition; the
development of a master. New York City, 1993.
DESCH OBI, T.J. “Combat and the crossing of the Kalunga”. In: HEYWOOD, L.M.
Central Africans and cultural transformation in the American Diaspora.
Cambridge: Cambridge University Press, 2002
DECANIO, Angelo. A herança de Pastinha: a metafísica da Capoeira. Salvador: Texto
Mimeo, 1996.
__________. A herança de Mestre Bimba: lógicas e Filosofia Africanas da capoeira.
Salvador: Texto Mimeo, 1996.
__________. “O processo de escolarização da capoeira no Brasil”. Revista Brasileira de
Ciências do Esporte. Santa Maria-RS, v. 16, n. 3, p. 173-182, Maio, 1995.
__________. “Capoeira e/na educação física”. Revista SPRINT, Rio de Janeiro, nº 79, p,
10-14, Jul/Ago, 1995.
__________. A escolarização da capoeira. Brasília: Royal Court Editora, 1996.
DIAS, Adriana Albert. Mandinga, Manha & Malícia - uma história sobre os capoeiras na
cidade da Bahia (1910/1925). Salvador: Edufba, 2006.
__________________. A malandragem da mandinga: o cotidiano dos capoeiras em
Salvador na República Velha (1910-1925). Salvador, Dissertação de Mestrado,
UFBA, 2004.
__________. “Os ‘fiéis’ da navalha: Pedro Mineiro, capoeiras, marinheiros e policiais em
Salvador na República Velha.” Revista Afro-Ásia, Salvador: CEAO, n.32, 2005.
DIAS, Luis Sérgio. Quem tem medo da capoeira? Rio de Janeiro: Secretaria Municipal das
Culturas, Departamento Geral de Documentação e Informação cultural, Arquivo
Geral da Cidade do Rio de Janeiro, Divisão de Pesquisa, 2001.
DOSSAR, Kenneth. “Capoeira Angola: an ancestral conection?”. American Visions, 3,
1988.
________________. “Capoeira Angola: dancing between two worlds”. Afro-Hispanic
Review. Volume XI, numbers 1-3, 1992.
DOWNEY, Greg. Learning capoeira: lessons in cunning from an afro-brazilian art. New
York: Oxford University Press, 2005.
EDMUNDO, Luiz. O Rio de Janeiro do Meu Tempo. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional,
1938.
FALCÃO, José Luiz Cirqueira. “A capoeira também educa”. Revista SPRINT, Rio de
Janeiro: Ano X, nº 54, 1991.
100
__________. A escolarização da "Vadiação": a capoeira na Fundação Educacional do
Distrito Federal. (Dissertação de Mestrado). Rio de Janeiro: Escola de Educação
Física e Desportos, UFRJ, 1994.
FILHO, Alberto Heráclito Ferreira. “Desafricanizar as ruas: elites letradas, mulheres pobres
e cultura popular em Salvador (1890-1937)”. Revista Afro-Ásia. Salvador: CEAO,
n. 21-22, 1998/9.
FREYRE, Gilberto. Sobrados e Mucambos. São Paulo: Global Editora, 2006.
FREIRE, Roberto “É luta, é dança, é capoeira”. Realidade, São Paulo, fevereiro 1967.
FRIJERIO, Alejandro. “Capoeira: de arte negra a esporte branco”. Revista Brasileira de
Ciências sociais, n.10, vol.4, junho, Rio de Janeiro, 1989.
_________________.“Artes Negras: uma perspectiva afrocêntrica”. Revista Estudos
Afro-Asiáticos, n.23, dezembro, Centro de Estudos Afro-Asiáticos (CEAA): Rio de
Janeiro, 1989.
GIL, Gilberto. Brasil, paz no mundo. http://www2.cultura.gov.br
GLASGOW, Roy. Nzinga – Resistência africana à investida do colonialismo português em
Angola, 1582 -1663 . São Paulo, Ed. Perspectiva, 1982.
GOMES, Flavio dos Santos. “No meio das águas turvas (racismo e cidadania no alvorecer
da República: A Guarda Negra na Corte - 1888-1889”. Estudos Afro-Asiáticos, Rio
de Janeiro, n. 21,1991.
GRUPO DE CAPOEIRA ANGOLA PELOURINHO. Washington: Smithsonian Folkways
Recordings, 1996.
JOÃO PEQUENO, Mestre. Uma vida de capoeira. São Paulo, 2000.
LEWIS, J. Lowell. Ring of liberation. Deceptive discourse in brazilian capoeira. Chicago:
The University of Chicago Press, 1992.
LIMA, L. A. N. & COSTA, Eduardo T. Os jogos recreativos nas aulas de capoeira. In:
Gladson de Oliveira Silva. Capoeira. São Paulo: Centro de Práticas Esportivas da
Universidade de São Paulo, 1991.
LIMA, Vivaldo da Costa e OLIVEIRA, Valdir F. “O Candomblé da Bahia na década de
30”. In: Cartas de Édison Carneiro a Arthur Ramos – De 4 de janeiro de 1936 a 6
de dezembro de 1938. SP: Ed. Corrupio, 1987.
101
LOPES, Nei. O negro no Rio de Janeiro e sua tradição musical: partido alto, calango,
chula e outras cantorias. Rio de Janeiro: Pallas, 1992.
LOUREIRO, Fábio Luiz. (1990). Capoeira na educação física escolar: princípios estéticos
da capoeira e a formação da consciência crítica. (Monografia de Pós-Graduação
Latu-sensu em Educação Física Escolar). Natal: UFRN.
MARINHO, Inezil Penna. Subsídios para a história da capoeiragem. Rio de Janeiro:
S.C.P, 1956.
MORAES FILHO, Mello. “Capoeiragem e Capoeiras Célebres”. In: Festas e Tradições
Populares no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia/São Paulo: EDUSP, 1979.
MOREIRA, Antônio (coordenador). Canjiquinha, alegria da Capoeira. Salvador: A
Rasteira, 1989.
MOURA, Jair. Mestre Bimba: a crônica da capoeiragem. Salvador: Fundação Mestre
Bimba, 1991.
NETO, Coelho “O Nosso Jogo”. Bazar. Porto: Livraria Chardron, 1928.
OLIVEIRA, Josivaldo Pires de. No tempo dos valentes: os capoeiras na cidade da Bahia.
Salvador: Quarteto, 2005.
OLIVEIRA, Valdemar de. Frevo, capoeira e passo. Recife: Companhia Editora de
Pernambuco, 1985.
PASTINHA, Mestre. Capoeira Angola. Salvador: Fundação Cultural do Estado da Bahia,
1988.
__________. A herança de Mestre Pastinha: manuscritos e desenhos. Estatutos do Centro
Esportivo de Capoeira Angola. Coleção São Salomão 2, S/d.
PEREIRA DA COSTA, Francisco Augusto. Folclore Pernambucano: Subsídios para a
História da Poesia Popular em Pernambuco. Separata da Revista do Instituto
Histórico e Geográfico Brasileiro, Tomo LXX. Rio de Janeiro, 1908.
PIRES, Antônio Liberac C. S. Bimba, Pastinha e Besouro de Mangangá. Três personagens
da capoeira baiana. Tocantins/Goiânia; NEAB/Grafset, 2002.
__________. A capoeira na Bahia de Todos os Santos. Um estudo sobre cultura e classes
trabalhadoras (1890-1937). Tocantins/Goiânia: NEAB/Grafset, 2004.
__________. Capoeira no jogo das cores: criminalidade, cultura e racismo na cidade do
Rio de Janeiro (1890-1937). Campinas/SP: dissertação de mestrado, Departamento
de História da UNICAMP, 1996.
102
__________. Movimentos da cultura afro-brasileira – a formação histórica da capoeira
contemporânea (1890-1950). Campinas/SP: tese de doutorado, Instituto de Filosofia
e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, 2001.
QUERINO, Manuel. Bahia de outrora. Salvador: Progresso, 1955.
__________. Costumes africanos no Brasil. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora
Massangana, 1988.
RABELLO, Evandro. Memórias da Folia: O Carnaval do Recife Pelos Olhos da Imprensa.
Recife: Funcultura, 2004.
REAL, Katarina. O Folclore no Carnaval de Recife. Rio de Janeiro: MEC, 1967.
REGO, Valdeloir. Capoeira Angola – ensaio sócio-etnográfico. Salvador: Editora Itapuã,
1968.
REIS, Letícia Vidor de Souza. O mundo de pernas para o ar: a capoeira no Brasil. São
Paulo: Publisher Brasil, 2000.
_________________________. “Mestre Bimba e mestre Pastinha: a capoeira em dois
estilos”. In: SILVA, Vagner Gonçalves (org). Artes do corpo. São Paulo: Selo Negro,
Coleção Memória Afro-brasileira, v.2, 2004.
RUGENDAS, Johann Moritz. Viagem pitoresca através do Brasil. Belo Horizonte: Editora
Itatiaia/São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1981.
SALVADORI, Maria Ângela Borges. Capoeira e malandros. Pedaços de uma tradição
popular (1890-1950). Campinas/SP, dissertação de mestrado. Instituto de Filosofia
e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, 1990.
SANTOS, L. S. Educação, Educação Física e Capoeira. Imprensa Universitária de
Maringá, PR, 1990.
SANTOS, Marcelino dos. Capoeira e mandingas: Cobrinha Verde. Salvador: A Rasteira,
1991.
SETTE, Mário. Maxambombas e Maracatus. Recife: Fundação de Cultura da Cidade do
Recife, 1981.
SILVA, Antonio de Moraes. Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Editora
Empresa Literária Fluminense de A. A. da Silva Lobo, 1890.
SILVA, Eduardo. As camélias do Leblon e a abolição da escravatura: uma investigação de
história cultural. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.
103
SOARES, Carlos Eugênio Líbano. A Negregada Instituição: os capoeiras na Corte
Imperial (1850 – 1890). Rio de Janeiro: Access Editora, 1999.
__________. A capoeira escrava e outras tradições rebeldes no Rio de Janeiro (1808-
1850). Campinas: Unicamp, 2001.
SODRÉ, Muniz. Mestre Bimba: corpo de mandinga. Rio de Janeiro: Manati, 2002.
_____________.A verdade seduzida: por um conceito de cultura no Brasil. Rio de Janeiro:
DP&A, 2005.
_____________. Brasil, o simulado e o real: ensaios sobre o cotidiano nacional. Rio de
Janeiro: Rio Fundo Ed, 1991.
TAVARES, Julio César. Dança da guerra: arquivo-arma. Dissertação de mestrado,
Sociologia, Universidade de Brasília (UNB), 1984.
TEIXEIRA, Carlo Alexandre. O imaginário poético da Capoeira angola: a performance
de um universo paralelo. Dissertação de mestrado. Faculdade de Comunicação,
IACS-UFF, 2001.
TRAVASSOS, Sônia Duarte. Capoeira: difusão e metamorfose culturais entre Brasil e EUA.
Tese de doutorado. Rio de Janeiro, Departamento de Antropologia do Museu
Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2000.
VASSALLO, Simone Pondé. “Capoeiras e intelectuais: a construção coletiva da capoeira
autêntica”. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, 32, 2003.
VIANNA, Antônio. Casos e coisas da Bahia. Salvador: Fundação Cultural do Estado da
Bahia, 1984.
__________. Quintal de Nagô e outras crônicas. Salvador: Centro de Estudos Baianos,
UFBA, 1979.
VIEIRA, Luis Renato. O jogo da capoeira: corpo e cultura popular no Brasil. São Paulo:
Ed. Itapuã, 1968.
__________. Da vadiação à regional: uma interpretação da modernidade cultural no
Brasil. Dissertação de mestrado. Faculdade de Sociologia, Unb, 1990.
__________. Da Capoeira como patrimônio cultural. Tese de Doutorado. Ciências Sociais
(Antropologia) – PUC / SP, 2004.
__________ e ASSUNÇÃO, Matthias R. "Mitos, controvérsias e fatos: construindo a
história da capoeira”. Estudos Afro-Asiáticos (34): 81-121. Dez/1998.
VITA, Marcos. “Ginga na Casa Branca”. Correio da Bahia; Salvador, 7 de julho de 2001.
Caderno Aqui Salvador.
104
MINC - MINISTÉRIO DA CULTURA INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL – IPHA
roteiro para entrevistas: saberes -- -- -- -- Q60 ---
Página 105 de 1